Chá de salvia: para que serve e como tomar

A salvia, também conhecida como salva, é uma planta medicinal com o nome científico Salvia officinalis, que tem a aparência de um arbusto, com folhas aveludadas de tom cinzento esverdeado e com flores azuis, cor-de-rosa ou brancas, que surgem no Verão.

Esta planta medicinal pode ser usada por via oral, para tratar casos de transpiração intensa ou problemas gastrointestinais e através de aplicação tópica em lesões e inflamações da pele, boca e garganta.

Chá de salvia: para que serve e como tomar

Para que serve

A salvia tem indicações comprovadas nas seguintes situações:

  • Transtornos funcionais do trato gastrointestinal, como dificuldades na digestão, excesso de gases intestinais ou diarreia, devido à sua ação estimulante do sistema gastrointestinal;
  • Transpiração excessiva, devido às propriedades inibidoras do suor;
  • Inflamações na mucosa da boca e da faringe e em lesões da pele, devido às suas propriedades antimicrobianas, anti-inflamatórias e cicatrizantes;
  • Falta de apetite, devido às suas propriedades estimulantes do apetite.

Esta planta pode ser usada por via oral ou aplicada na pele.

Como usar

A sálvia pode ser utilizada para a preparação chás ou através de tinturas, pomadas ou loções já preparadas.

1. Chá de sálvia

Ingredientes

  • 1 colher de sopa de folhas de sálvia;
  • 1 xícara de água fervente.

Modo de preparo

Verter uma xícara de água fervente sobre as folhas e deixar em infusão por cerca de 5 a 10 minutos e coar. O chá pode ser utilizado para fazer gargarejos ou bochechos várias vezes ao dia, tratar lesões na boca ou na garganta, ou pode-se tomar 1 xícara do chá, 3 vezes ao dia, para tratar a diarreia, melhorar a função digestiva ou reduzir o suor noturno.

2. Tintura

A tintura também pode ser utilizada várias vezes ao dia, em pinceladas, na região lesada, sem diluir. A posologia por via oral vai depender da concentração da solução, e deve ser estabelecida pelo médico.

Possíveis efeitos colaterais

Em caso de ingestão prolongada ou de dose excessiva, pode ocorrer uma sensação de enjoo, calor, aumento dos batimentos cardíacos e espasmos epiléticos.

Quem não deve usar

A salva é contra-indicada em pessoas com hipersensibilidade a esta planta medicinal.

Além disso, também não deve ser usada na gravidez porque ainda não se dispõe de dados científicos suficientes que comprovem que a salva seja segura na gravidez. Também não deve ser usada durante a amamentação porque reduz a produção de leite.

No caso de pessoas com epilepsia, a planta só deve ser usada com orientação de um médico ou fitoterapeuta, pois alguns estudos indicam que a planta pode estimular o desenvolvimento de crises epiléticas.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • GRUNWALD, JORG; JANICKE, CHRISTOF. A farmácia verde. Espanha: Editora Everest, 2009. 346-347.
  • FINTELMANN, Volker.; WEISS, Rudolf F. Manual de fitoterapia. 11ª edição. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2010. 316.
  • CURTIS, Susan et al.. O livro de receitas das ervas medicinais. São Paulo: Dorling Kindersley, 2011. 84.
  • BAHR, Tyler A. et al.. The Effects of Various Essential Oils on Epilepsy and Acute Seizure: A Systematic Review. Evidence-based Complementary and Alternative Medicine. Vol.2019. 2019
  • EPILEPSY SOCIETY. Complementary therapies. Disponível em: <https://epilepsysociety.org.uk/living-epilepsy/wellbeing/complementary-therapies>. Acesso em 15 Dez 2020
Mais sobre este assunto: