Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Rinite alérgica: o que é, sintomas e tratamento

A rinite alérgica é uma condição genética, passada dos pais para os filhos, em que a mucosa do nariz é mais sensível e se inflama ao entrar em contato com algumas substâncias, causando uma reação alérgica que provoca o surgimento de sintomas como espirros, coriza e coceira no nariz. 

Geralmente, a crise de rinite alérgica acontece após a pessoa entrar em contato com substâncias alérgenas como poeira, pelo de cão, pólen ou algumas plantas, por exemplo, e pode ser mais frequente durante a primavera ou no outono.

A rinite alérgica não tem cura e por isso o tratamento inclui mudança de hábitos como evitar o contato com as substâncias que provocam o surgimento dos sintomas, nos casos mais leves, e uso de remédios anti-histamínicos para quem tem crises recorrentes.

Rinite alérgica: o que é, sintomas e tratamento

Principais sintomas 

Os principais sintomas da rinite alérgica incluem:

  • Coceira no nariz, olhos e boca;
  • Olhos e nariz avermelhados;
  • Cansaço excessivo;
  • Dor de cabeça;
  • Olhos inchados;
  • Tosse seca;
  • Espirros;
  • Coriza.

Quando estes sintomas surgem é importante consultar um clínico geral ou alergologista para iniciar o tratamento adequado de acordo com o agente alérgeno que causa os sintomas, para evitar complicações como otite, problemas de sono ou desenvolvimento de sinusite crônica. Entenda quais as causas da rinite alérgica.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico da rinite alérgica é feito por meio do relato do paciente para o clínico geral, que o orientará para o tratamento adequado.

No entanto, nos casos graves, ou seja, quando a reação alérgica atrapalha a vida da pessoa, com longas crises de espirros que podem gerar dor de cabeça recorrente ou fraqueza, por exemplo, o clínico geral poderá encaminhar o caso para um alergologista, médico especialista em alergias, que por meio de exames laboratoriais, identificará qual as substâncias responsáveis por causar a rinite alérgica.

Um dos exames que pode ser feito é o teste cutâneo de leitura imediata, em que a pessoa é exposta a pequenas quantidades de substâncias alérgicas na pele, podendo ser no braço ou costas, que ficaram vermelhos e irritados se aquela for uma das substâncias que causam irritação. Veja como é feito o teste de alergia.

Outro exame que pode ser feito é o teste de radioalergosorbente (RAST), um tipo de exame de sangue que mede a quantidade de anticorpos chamados de IgE, que estão altos quando a pessoa tem a reação alérgica. 

Como é feito o tratamento 

O tratamento da rinite alérgica deve ser orientado por um clínico geral ou alergologista, e normalmente, é feito com o afastamento das substâncias alérgicas nos casos leves e moderados. Já nos casos mais graves, pode ser necessário o uso de remédios anti-histamínicos, como desloratadina ou cetirizina, para diminuir a alergia e reduzir os sintomas da rinite. Confira outros remédios para aliviar os sintomas da rinite alérgica.

Opção de tratamento natural 

A rinite alérgica, nas horas de crise, quando os sintomas são mais fortes, pode ser aliviada  por remédios caseiros, como a lavagem nasal com soro fisiológico ou com 300 ml de água mineral e 1 colher (chá) de sal. Para isso, basta inspirar um pouco desta mistura, fazer uma pequena massagem no nariz e depois cuspir tudo.

Além disso, inspirar o vapor do chá de eucalipto antes de dormir, também pode evitar o aparecimento dos sintomas no dia seguinte. Veja outas 5 formas naturais de reduzir os sintomas da rinite alérgica.  

Bibliografia >

  • NHS. Allergic rhinitis. Disponível em: <https://www.nhs.uk/conditions/allergic-rhinitis/>. Acesso em 27 Ago 2020
  • BRAZILIAN JOURNAL OF OTORHINOLARYNGOLOGY. IV Brazilian Consensus on Rhinitis - an update on allergic rhinitis. 2017. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-86942018000100003>. Acesso em 27 Ago 2020
  • JORNAL BRASILEIRO DE PNEUMOLOGIA. Rinite alérgica: aspectos epidemiológicos, diagnósticos e terapêuticos. 2008. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-37132008000400008>. Acesso em 27 Ago 2020
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem