Restos de placenta no útero: sintomas e tratamento

Novembro 2021

Após o parto, pequenos restos da placenta podem não ser eliminados e permanecer colados no útero, sendo importante que a mulher esteja atenta a alguns sintomas como perda de grande quantidade de sangue pela vagina, corrimento com mau cheiro, febre, suor frio ou fraqueza, por exemplo.

Normalmente, a placenta fica retida no útero devido a contrações uterinas insuficientes, o que faz com que a placenta não seja completamente eliminada após o parto, permanecendo alguns pedaços presos à parede do útero. No entanto, esta condição também pode ocorrer por outros fatores, como, fechamento do colo do útero antes que a placenta seja removida ou até mesmo por uma condição chamada placenta acreta, em que a placenta se fixa ao músculo do útero em vez do seu revestimento, dificultando sua saída. 

Quando a placenta fica retida no útero, pode ocorrer proliferação de bactérias dentro do útero, que em casos mais graves, podem chegar à corrente sanguínea e causar infecção generalizada, colocando a vida da mulher em risco. Por isso, na presença dos sintomas, deve-se entrar em contato com o obstetra imediatamente ou procurar o pronto socorro mais próximo.

Restos de placenta no útero: sintomas e tratamento

Principais sintomas

Alguns sintomas que podem indicar a presença de restos de placenta no útero após o parto são:

  • Perda de grandes quantidades de sangue pela vagina;
  • Perda de sangue escuro ou viscoso;
  • Corrimento com mau cheiro;
  • Febre acima de 38ºC;
  • Dor abdominal;
  • Tontura;
  • Suor frio;
  • Fraqueza.

Com o aparecimento de qualquer um destes sintomas, a mulher deve ir rapidamente ao hospital, para ser avaliada e tratada de forma adequada. 

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico para confirmar a  presença de restos de placenta no útero é feito pelo obstetra logo após o parto, examinando visualmente a placenta após sua retirada para verificar se está, ou não, intacta. No caso de não estar intacta, o médico pode removê-la manualmente ou com ajuda de uma pinça cirúrgica imediatamente.

No entanto, no caso de alguns restos de placenta ainda permanecerem no útero, o diagnóstico é feito através da presença dos sintomas e de um ultrassom para examinar o útero.

Possíveis causas

Na maior parte das vezes, alguns restos de placenta podem permanecer no útero quando as contrações do parto não foram fortes o suficiente para expulsar toda a placenta. No entanto, esta condição também pode acontecer quando o colo do útero se fecha antes da saída completa da placenta ou quando a placenta está aderida aos músculos do útero, em vez do seu revestimento, dificultando sua expulsão.

Além disso, alguns fatores também podem contribuir para que os restos da placenta fiquem no útero, como:

  • Ter mais de 30 anos;
  • Parto prematuro antes das 34 semanas de gestação;
  • Tempo de parto prolongado;
  • Bebê que faleceu antes do nascimento.

Os restos da placenta podem ficar colados ao útero mesmo após uma cesariana e por vezes, basta que fique uma quantidade muito pequena, como por exemplo 8mm de placenta para que haja um grande sangramento e infecção uterina. Saiba identificar os sintomas de uma infecção no útero

Como é feito o tratamento

O tratamento para retirar os restos de placenta do útero é feito pelo obstetra através da remoção da placenta ou de qualquer parte que tenha permanecido no útero logo após o parto, fazendo remoção manual ou com o auxílio de instrumentos cirúrgicos. No entanto, o médico também pode utilizar remédios para relaxar a parede do útero ou para fazê-lo contrair, como misoprostol ou ocitocina, facilitando a expulsão da placenta.

Para remover os restos da placenta, o médico pode ainda realizar uma curetagem uterina guiada por ultrassom, que remove totalmente todos os restos da placenta, além de indicar o uso de antibióticos para tratar alguma possível infecção que já esteja se desenvolvendo no útero. Veja o que é e como é feita a curetagem uterina.  

No caso da placenta acreta, o médico também pode indicar transfusão sanguínea devido a hemorragia intensa ou até mesmo uma cirurgia para retirada do útero, chamada histerectomia. Entenda como é feita a histerectomia e como é a recuperação.  

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • DUFFY, J. M. N.; et al. Pharmacologic intervention for retained placenta: a systematic review and meta-analysis. Obstet Gynecol. 125. 3; 711-718, 2015
  • AKOL, A. D.; WEEKS, A. D. Retained placenta: will medical treatment ever be possible?. Acta Obstet Gynecol Scand. 95. 5; 501-4, 2016
  • AMERICAN PREGNANCY ASSOCIATION. Retained Placenta. Disponível em: <https://americanpregnancy.org/healthy-pregnancy/labor-and-birth/retained-placenta/>. Acesso em 02 Nov 2021
  • COVIELLO, E. M.; et al. Risk factors for retained placenta. American Journal of Obstetrics & Gynecology . 213. 6; 864.E1-864.E11, 2015
  • VAN BEEKHUIZEN, Heleen J.; et al. Treatment of retained placenta with misoprostol: a randomised controlled trial in a low-resource setting (Tanzania). BMC Pregnancy and Childbirth. 9. 48; 2009
  • WEEKS, A. D. The retained placenta. Afr Health Sci. 1. 1; 36-41, 2001
Mais sobre este assunto: