Somos REDE D'OR
icon de informação icon de telefone 3003-3230
Número disponível apenas em território brasileiro, com custo de chamada local.

Curetagem: o que é, como é feita, quando fazer e riscos

Revisão médica: Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
novembro 2022

A curetagem é uma cirurgia em que é feita a raspagem da parede do útero para remover seu conteúdo, sendo indicada em casos de aborto ou sangramento uterino grave. Em alguns casos, também é indicada para analisar o endométrio.

Embora seja considerada segura, a curetagem aumenta o risco de infecções no útero e de perfuração uterina. Por isso, é importante conversar com o médico sobre os riscos e realizar o preparo adequado antes da cirurgia.

A curetagem é feita pelo ginecologista em uma clínica ou hospital, sob anestesia, que nem sempre precisa ser geral. Dessa forma, a mulher geralmente pode ir para casa algumas horas após a curetagem.

Imagem ilustrativa número 1

Quando é indicada

A curetagem uterina está indicada para:

  • Retirar restos ovulares, em caso de aborto;
  • Retirar restos da placenta, após o parto normal;
  • Parar sangramento uterino grave;
  • Remover pólipos;
  • Diagnosticar alguns tipos de câncer uterinos;
  • Remover tecidos anormais do útero, em caso de gravidez molar.

Antes da curetagem, o médico pode indicar o uso de misoprostol, um medicamento que induz a contração uterina, para preparar o colo do útero e facilitar a retirada do seu conteúdo. Este medicamento é utilizado dentro da clínica ou hospital, horas antes de iniciar a curetagem.

Como é feita a curetagem

A curetagem uterina é feita pelo ginecologista em uma clínica ou hospital, sob anestesia. Geralmente, a mulher fica deitada de barriga para cima e com as pernas sobre apoios para que o médico possa realizar a curetagem, que é feita através do canal vaginal.

Normalmente são utilizados alguns instrumentos para permitir a observação e manter o colo uterino na posição correta. Além disso, algumas vezes a dilatação do colo é necessária, por meio do uso de varetas especiais de diferentes tamanhos, que permitem a passagem da cureta, que é o instrumento utilizado para a raspagem do útero.

A curetagem começa com a introdução da cureta para raspar a parede do útero. O uso de um aparelho de sucção pode ser indicado em alguns casos para ajudar a remover o revestimento da parede do órgão.

A curetagem termina com a remoção completa do conteúdo do útero e, após algumas horas de observação, a mulher normalmente pode ir para casa, sendo indicado evitar dirigir e estar acompanhada. Saiba como é a recuperação da curetagem e os cuidados.

Como fica o útero depois da curetagem?

Depois da curetagem, o útero fica sem o revestimento interno da sua parede, no entanto, um novo revestimento tende a se formar em algumas semanas. Além disso, caso tenha sido feita dilatação, o colo normalmente volta ao tamanho normal em poucos dias.

Raramente, a curetagem fere o colo do útero ou a sua parede durante a raspagem. Além disso, também é raro provocar a formação de cicatrizes que possam afetar o funcionamento do útero e prejudicar a capacidade de engravidar.

É possível engravidar após a curetagem?

A mulher pode engravidar após a curetagem, porque a ovulação acontece normalmente. No entanto, é recomendado que a gravidez só aconteça após 3 a 4 ciclos menstruais, que é o tempo que o útero leva para se recuperar totalmente. Veja mais sobre a gravidez após a curetagem.

Possíveis riscos

Apesar de ser um procedimento seguro, a curetagem uterina pode aumentar o risco de infecções, causar perfuração da cavidade uterina, lesão de órgãos, sangramento e formação de cicatrizes no útero, que podem prejudicar a capacidade de engravidar.

Devido aos riscos, a curetagem uterina só deve ser realizada pelo médico após a mulher saber os riscos da cirurgia e assinar um termo autorizando a sua realização.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Jonathan Panoeiro - Neuropediatra, em novembro de 2022. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias - Ginecologista, em janeiro de 2021.

Bibliografia

  • STATPEARLS. Dilation and Curettage. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK568791/>. Acesso em 02 nov 2022
  • THE AMERICAN COLLEGE OF OBSTETRICIANS AND GYNECOLOGISTS. Dilation and Curettage (D&C). Disponível em: <https://www.acog.org/womens-health/faqs/dilation-and-curettage>. Acesso em 02 nov 2022
Mostrar bibliografia completa
  • MINISTÉRIO DA SAÚDE. Atenção humanizada ao abortamento. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_humanizada_abortamento.pdf>. Acesso em 08 jan 2021
  • HOSPITAL ALBERT EINSTEIN. Guia do Episódio de Cuidado - Curetagem Pós Aborto. Disponível em: <https://www.einstein.br/Documentos%20Compartilhados/CarePathwayEinstein-CuretagemPosAborto.pdf>. Acesso em 08 jan 2021
  • SISTEMA DE GESTÃO HOSPITAL BRUNO BORN. Termo de consentimento informado para realização de curetagem uterina semiótica ou pós-abortamento. 2019. Disponível em: <https://www.hbb.com.br/site/wp-content/uploads/2019/10/FO-JUR-CURETAGEM.pdf>. Acesso em 08 jan 2021
  • FEBRASGO. Tratamento ambulatorial do abortamento retido. Disponível em: <https://www.febrasgo.org.br/pt/noticias/item/412-tratamento-ambulatorial-do-abortamento-retido>. Acesso em 08 jan 2021
Revisão médica:
Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
Médica mastologista e ginecologista formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional no CRM PE 17459.