Como entender o resultado do espermograma

Revisão clínica: Marcela Lemos
Biomédica
setembro 2022

O resultado do espermograma indica as características do esperma, como volume, pH, cor, concentração de espermatozoides na amostra e quantidade de leucócitos, que são informações importantes para identificar alterações no sistema reprodutor masculino como obstrução ou mau funcionamento das glândulas.

O espermograma é um exame que tem como objetivo avaliar o esperma e os espermatozoides, sendo feito a partir de uma amostra de sêmen, que geralmente é coletada em laboratório após a masturbação. Esse exame é indicado principalmente para avaliar a capacidade reprodutiva do homem. Entenda o que é e como é feito o espermograma. 

Na presença de alterações no resultado do espermograma, é recomendado consultar um clínico geral ou urologista para que seja feita uma análise mais detalhada do resultado e, assim, seja possível iniciar o tratamento mais adequado, caso haja necessidade.

Como entender o resultado

O resultado do espermograma pode incluir:

CaracterísticaValor de referência
VolumeIgual ou superior a 1,5 mL
ViscosidadeNormal
CorBranco opalescente
pHIgual ou superior a 7,1 e inferior a 8,0
LiquefaçãoTotal até 60 minutos
Concentração15 milhões de espermatozoides por mL ou 39 milhões de espermatozoides totais
Vitalidade58% ou mais espermatozoides vivos
MotilidadeIgual ou superior a 32%
MorfologiaMais de 4% de espermatozoides normais
LeucócitosInferior a 50%

As características avaliadas no espermograma e os valores de referências podem variar entre diferentes laboratórios e, em caso de alterações no resultado do espermograma, um novo exame geralmente é indicado para confirmar as alterações identificadas.

Espermograma normal

O espermograma geralmente é normal quando o volume de esperma coletado é maior que 1.5 ml e  a concentração de espermatozoides na amostra é superior a 15 milhões por mL, com uma contagem total de espermatozoides maior que 39 milhões. 

Além disso, o resultado normal geralmente apresenta um valor de motilidade superior a 32%, vitalidade maior que 58% e uma porcentagem de espermatozoides com morfologia normal de no mínimo 4%.

O que pode alterar o resultado

O resultado do espermograma pode ser alterado por alguns fatores, como por exemplo:

  • Temperatura de armazenamento do sêmen incorreta, pois temperaturas muito frias podem interferir na motilidade do espermatozoide, enquanto que temperaturas muito quentes podem provocar sua morte;
  • Quantidade insuficiente de esperma, o que acontece principalmente devido à técnica incorreta de coleta, devendo o homem repetir o procedimento;
  • Estresse, já que pode dificultar o processo ejaculatório;
  • Exposição à radiação por um período prolongado, já que pode interferir diretamente na produção de espermatozoides;
  • Uso de alguns medicamentos, pois podem ter efeito negativo sobre a quantidade e a qualidade dos espermatozoides produzidos.

Normalmente quando o resultado do espermograma é alterado, o urologista verifica se houve interferência por qualquer um dos fatores citados, solicita novo espermograma e, a depender do segundo resultado, solicita exames complementares, como fragmentação do DNA, FISH e espermograma sob magnificação.

Principais alterações no espermograma

Algumas das alterações que podem ser indicadas pelo médico a partir da análise do resultado do espermograma são:

1. Problemas na próstata

Os problemas na próstata normalmente manifestam-se através de alterações na viscosidade do esperma e, nesses casos, o paciente pode precisar fazer toque retal ou biópsia da próstata para avaliar se há alterações na próstata.

2. Azoospermia

A azoospermia é a ausência de espermatozoides na amostra de esperma e, por isso, manifesta-se através da redução do volume do esperma ou da concentração de espermatozoides, por exemplo. As principais causas são obstruções dos canais seminais, alterações hormonais ou doenças que afetam a produção de espermatozóides. Conheça outras causas de azoospermia.

3. Oligospermia

A oligospermia é a redução do número de espermatozoides, sendo indicado no espermograma como uma concentração inferior a 15 milhões por mL ou 39 milhões por volume total. 

Assim, a oligospermia pode ser consequência de infecções do sistema reprodutor, doenças sexualmente transmissíveis, efeito colateral de algum medicamento, como o Cetoconazol ou o Metotrexato, ou varicocele, que corresponde à dilatação das veias do testículo, causando acúmulo de sangue, dor e inchaço local.

Além disso, quando a diminuição da quantidade de espermatozoide é acompanhada de diminuição da motilidade, a alteração recebe o nome de oligoastenospermia.

4. Astenospermia

A astenospermia é o problema mais comum e surge quando a motilidade ou a vitalidade apresentam valores inferiores ao normal no espermograma, podendo ser causada por excesso de estresse, alcoolismo ou doenças autoimunes, como lúpus e HIV, por exemplo.

5. Teratospermia

A teratospermia é caracterizada por alterações na morfologia dos espermatozoides e pode ser provocada por inflamações, malformações, varicocele ou uso de drogas.

6. Leucospermia

A leucospermia é caracterizada pelo aumento da quantidade de leucócitos no sêmen, o que é normalmente indicativo de infecção no sistema reprodutor masculino, podendo ser indicados exames microbiológicos para identificar o microrganismo responsável pela infecção e, assim, ser iniciado o tratamento.

7. Hiperespermia

A hiperespermia acontece quando é verificado volume maior que 5 mL de sêmen, o que pode ser indicativo de abstinência sexual ou ejaculatória prolongada ou acontecer após a realização de exames relacionados com a estimulação da próstata.

8. Hipospermia

A hipospermia acontece quando é verificado volume menor que 1,5 mL de sêmen, o que pode ser devido à prática frequente de relações sexuais e de ejaculação, diminuição dos níveis de testosterona ou obstruções nos canais por onde espermatozoides são eliminados.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Jonathan Panoeiro - Neuropediatra, em setembro de 2022. Revisão clínica por Marcela Lemos - Biomédica, em setembro de 2022.

Bibliografia

  • CIOPPI, Francesca; ROSTA, Viktoria; KRAUSZ, Csilla. Genetics of Azoospermia. Int J Mol Sci. Vol.22, n.6. 3264, 2021
  • STATPEARLS. Semen Analysis. 2021. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK564369/>. Acesso em 08 set 2022
Mostrar bibliografia completa
  • AGARWAL, Ashok et al. Male infertility. Lancet. Vol.397, n.10271. 319-333, 2021
Revisão clínica:
Marcela Lemos
Biomédica
Mestre em Microbiologia Aplicada, com habilitação em Análises Clínicas e formada pela UFPE em 2017 com registro profissional no CRBM/ PE 08598.