Somos REDE D'OR
icon de informação icon de telefone 3003-3230
Número disponível apenas em território brasileiro, com custo de chamada local.

Remédios que podem diminuir o desejo sexual

Revisão clínica: Flávia Costa
Farmacêutica
novembro 2022

Alguns remédios, como os antidepressivos, os diuréticos ou os anti-hipertensivos, podem diminuir a libido como efeito colateral, por afetarem a parte do sistema nervoso responsável pelo desejo sexual ou reduzir o fluxo sanguíneo para a região íntima.

Além disso, alguns remédios podem diminuir os níveis de testosterona em homens, como os medicamentos para tratar a calvície, ou alterar os hormônios femininos, no caso dos anticoncepcionais, utilizados por mulheres para evitar a gravidez, por exemplo.

É importante não interromper o tratamento com o remédio que pode estar interferindo na libido, por conta própria, devendo-se consultar o médico que o prescreveu para avaliar a possibilidade de suspender ou alterar a dose do medicamento ou trocar por outro remédio que não tenha esse efeito colateral. 

Imagem ilustrativa número 1

Principais remédios que podem diminuir a libido

Alguns remédios que podem diminuir a libido incluem:

1. Antidepressivos

Os antidepressivos são normalmente indicados para o tratamento de transtornos psicológicos, como depressão, ansiedade, ou até dor crônica, pois agem alterando os níveis ou a ação de substâncias químicas no cérebro, como serotonina, dopamina ou acetilcolina, por exemplo.

Esses remédios podem ter como efeito colateral a diminuição do desejo sexual ou dificuldade em ter um orgasmo, tanto em homens como em mulheres, além de também poderem em alguns casos, causar impotência ou ejaculação anormal em homens, ou diminuição da lubrificação vaginal em mulheres. 

Alguns antidepressivos que podem causar esses efeitos colaterais são clomipramina, escitalopram, fluoxetina, sertralina ou paroxetina, por exemplo.

2. Anti-hipertensivos

Os anti-hipertensivos, especialmente os beta-bloqueadores, como propranolol, atenolol, carvedilol, metoprolol ou nebivolol​, por exemplo, são remédios indicados para o tratamento da pressão alta ou problemas cardiovasculares, podendo causar diminuição da libido como efeito colateral.

Isto ocorre porque esses remédios podem afetar o sistema nervoso e a área do cérebro responsável pela libido.

Além disso, os anti-hipertensivos podem diminuir o fluxo sanguíneo para a região íntima, o que pode interferir na ereção e ejaculação em homens, ou causar secura vaginal ou dificuldade em ter orgasmo em mulheres.

3. Diuréticos

Os diuréticos, como furosemida, hidroclorotiazida, indapamida ou espironolactona, são remédios indicados para o tratamento da pressão alta, insuficiência cardíaca ou edema pulmonar, por exemplo, pois agem aumentando a eliminação de água pelo corpo.

Esses remédios podem diminuir o desejo sexual por reduzir o fluxo sanguíneo para a região íntima, podendo dificultar a ereção em homens.

4. Anticoncepcionais

Os anticoncepcionais, como as pílulas combinadas, implante contraceptivo, injeção anticoncepcional ou DIU hormonal, são remédios hormonais indicados para prevenir a gravidez ou tratar algumas condições de saúde, como endometriose, síndrome dos ovários policísticos ou até acne, por exemplo.

Esses remédios agem alterando os níveis de hormônios sexuais nas mulheres, podendo causar ressecamento vaginal ou diminuição da libido como efeito colateral. Confira outros efeitos colaterais comuns dos anticoncepcionais.

5. Antipsicóticos

Os antipsicóticos são normalmente indicados para o tratamento de transtornos psicológicos, como esquizofrenia ou distúrbio bipolar, por exemplo, e agem bloqueando a ação da dopamina no cérebro, que é um neurotransmissor responsável por regular o humor e o sistema de recompensa no cérebro relacionado ao prazer e satisfação.

Além disso, esses remédios podem aumentar os níveis de prolactina no corpo, podendo desregular os hormônios femininos relacionados com a ovulação e a menstruação, resultando em diminuição da libido dificuldade de atingir o orgasmo ou secura vaginal em mulheres. Veja outras causas da diminuição da libido em mulheres

Já em homens, podem causar diminuição da libido, além de disfunção erétil, ejaculação retardada ou retrógrada.

Alguns antipsicóticos que podem levar à diminuição da libido são risperidona, clorpromazina ou periciazina, por exemplo.

Esses remédios, como a risperidona, clorpromazina ou periciazina, por exemplo, podem causar a diminuição da libido, além de disfunção erétil, ejaculação retardada ou retrógrada em homens, ou dificuldade de atingir o orgasmo ou secura vaginal em mulheres.

6. Antidiabéticos

Os antidiabéticos são remédios indicados para controlar os níveis de açúcar no sangue em pessoas com diabetes tipo 1 ou 2, no entanto, podem causar diminuição da libido devido a diminuição dos níveis de testosterona no corpo.

O principal antidiabético que pode causar esse efeito colateral é a metformina. Veja outros efeitos colaterais da metformina.  

7. Medicamentos para a próstata e queda de cabelo

Alguns remédios, como o acetato de gosserrelina, bicalutamida ou flutamida, indicados para o tratamento do câncer de próstata, ou a finasterida ou a dutasterida, indicados para calvície em homens com alopécia androgênica ou hiperplasia da próstata, agem diminuindo os níveis de testosterona no organismo, o que pode afetar o desejo sexual.  

Esses remédios além de diminuir a libido, podem causar outros efeitos colaterais como impotência ou até inchaço ou sensibilidade nas mamas.

8. Anti-histamínicos

Alguns anti-histamínicos, como a difenidramina, a loratadina ou a clorfeniramina, indicados para o tratamento de sintomas de alergias, como espirro, nariz entupido, coceira nos olhos ou na pele, por exemplo, podem causar diminuição da libido. 

Isto acontece porque os anti-histamínicos funcionam reduzindo o efeito da histamina liberada pelo corpo responsável pelos sintomas de alergia, mas que também pode afetar o desejo sexual e a ereção em homens. Assim, quando a pessoa toma um anti-histamínico, bloqueia a ação da histamina, o que pode resultar em diminuição da libido.

Além disso, no caso da cimetidina, que é um anti-histamínico indicado para o tratamento de úlceras no estômago ou no intestino, também parece reduzir os níveis de testosterona, o que também pode contribuir para a diminuição da libido.

9. Opioides

Os opioides, como hidrocodona, oxicodona, metadona ou morfina, são analgésicos fortes, normalmente indicados para dor intensa, seja aguda ou crônica, podem causar diminuição da libido ou disfunção erétil em homens, especialmente quando usados por tempo prolongado.

Isto porque, de acordo com alguns estudos [1,2] esses remédios quando usados por tempo prolongado, podem afetar os níveis de hormônios no corpo e diminuir a testosterona, e resultar na diminuição do desejo sexual. 

O que fazer

Em casos de diminuição da libido, é importante identificar a causa para que seja iniciado o tratamento e o desejo sexual restabelecido. No caso da diminuição da libido ser consequência do uso de medicamentos, é importante consultar o médico que indicou o medicamento para que seja feita a substituição por outro que não tenha o mesmo efeito colateral ou para que a dose seja alterada.

No caso da diminuição de libido acontecer devido a outras situações, é importante tentar identificar a causa, de preferência com ajuda de um psicólogo, para que seja iniciado o tratamento adequado. Saiba o que fazer para aumentar a libido

Assista o vídeo seguinte e veja quais as dicas que podem ajudar a melhorar o contacto íntimo:

Esta informação foi útil?

Atualizado e revisto clinicamente por Flávia Costa - Farmacêutica, em novembro de 2022.

Bibliografia

  • CONAGLEN, H. M.; CONAGLEN, J. V. Drug-induced sexual dysfunction in men and women. Aust Prescr. 36. 42-45, 2013
  • CIOE, P. A.; et al. Erectile Dysfunction in Opioid Users: Lack of Association with Serum Testosterone. J Addict Dis. 29. 4; 455–460, 2010
Mostrar bibliografia completa
  • SEMET, M.; et al. The impact of drugs on male fertility: a review. Andrology. 5. 4; 640-663, 2017
  • ZHAO, S.; et al. Association Between Opioid Use and Risk of Erectile Dysfunction: A Systematic Review and Meta-Analysis. J Sex Med. 14. 10; 1209-1219, 2017
  • BIRKE, H.; et al. Chronic Pain, Opioid Therapy, Sexual Desire, and Satisfaction in Sexual Life: A Population-Based Survey. Pain Medicine. 20. 6; 1132–1140, 2019
  • DAI, Y.; et al. Sexual Dysfunction and the Impact of Beta-Blockers in Young Males With Coronary Artery Disease. Front. Cardiovasc. Med. 8. 1-8, 2021
  • AL KHAJA, K. A. J.; et al. Antihypertensive Drugs and Male Sexual Dysfunction: A Review of Adult Hypertension Guideline Recommendations. J Cardiovasc Pharmacol Ther. 21. 3; 233-44, 2016
  • IMPRIALOS, K. P.; et al. Sexual Dysfunction, Cardiovascular Risk and Effects of Pharmacotherapy. Curr Vasc Pharmacol. 16. 2; 130-142, 2018
  • MONTOGOMERY, S. A.; et al. Antidepressant medications: a review of the evidence for drug-induced sexual dysfunction. J Affect Disord. 69. 1-3; 119-40, 2002
  • MANOLIS, A.; et al. Erectile dysfunction and adherence to antihypertensive therapy: Focus on β-blockers. Eur J Intern Med. 81. 1-6, 2020
  • BALDWIN, S. S. Sexual dysfunction associated with antidepressant drugs. Expert Opin Drug Saf. 3. 5; 457-70, 2004
  • BRILL, M. Antidepressants and sexual dysfunction. Fertil Steril. 81. 2; 35-40, 2004
Revisão clínica:
Flávia Costa
Farmacêutica
Formada em Farmácia pelo Centro Universitário Newton Paiva em 2003. Mestre em Ciências Biomédicas pela UBI, Portugal.

Tuasaude no Youtube

  • CAMISINHA FEMININA: como colocar e o que não fazer

    07:35 | 154660 visualizações
  • COMO COLOCAR A CAMISINHA CORRETAMENTE

    08:15 | 961514 visualizações
  • CURTINDO A VIDA | com Beatriz Gosta

    18:51 | 10700 visualizações
  • TRANSAR FAZ BEM | Com Cátia Damasceno

    13:45 | 346213 visualizações