Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Como trocar de anticoncepcional sem correr o risco de engravidar

Os anticoncepcionais femininos são medicamentos ou dispositivos médicos usados para prevenir uma gravidez e podem ser usados em comprimido, anel vaginal, adesivo transdérmico, implante, injetável ou sistema intrauterino. Existem ainda os métodos de barreira, como o preservativo, que devem ser usados não só para prevenir uma gravidez, mas também para evitar a transmissão de doenças sexualmente transmissíveis.

Dada a grande variedade de anticoncepcionais femininos disponíveis e o diferente impacto que podem ter em cada mulher, por vezes, o médico pode recomendar a troca de um anticoncepcional por outro, com a finalidade de descobrir qual deles se adapta melhor a cada caso. No entanto, para fazer a troca de anticoncepcional, devem-se ter alguns cuidados, porque em alguns casos pode haver o risco de ocorrer uma gravidez.

Como trocar de anticoncepcional sem correr o risco de engravidar

Como fazer a troca de anticoncepcional

Dependendo do anticoncepcional que se está a tomar e daquele que se pretende iniciar, deve-se proceder de maneira adequada para cada caso. Veja como proceder em cada uma das seguintes situações:

1. De uma pílula combinada para outra

Se a pessoa está a tomar um anticoncepcional combinado e decide trocar para outra pílula combinada, deve iniciá-la de preferência no dia seguinte ao da administração do último comprimido ativo do anticoncepcional oral utilizado anteriormente, e no mais tardar, no dia seguinte ao do intervalo habitual sem tratamento.

Caso se trate de uma pílula combinada que tenha comprimidos inativos, chamados de placebo, estes não devem ser ingeridos e por isso a nova pílula deve ser iniciada no dia seguinte à toma do último comprimido ativo da cartela anterior. No entanto, embora não seja o mais recomendado, também se pode iniciar a nova pílula no dia seguinte à toma do último comprimido inativo.

Há risco de engravidar?

Não. Caso se sigam as instruções anteriores, e caso a mulher tenha utilizado corretamente o método anterior, não há risco de engravidar e por isso não é necessário utilizar outro método contraceptivo.

2. De um adesivo transdérmico ou anel vaginal para uma pílula combinada

Se a pessoa está a usar um anel vaginal ou um adesivo transdérmico, deve iniciar o uso da pílula combinada, de preferência, no dia da retirada do anel ou do adesivo, mas o mais tardar no dia em que seria aplicado um novo anel ou adesivo.

Há risco de engravidar?

Não. Caso se sigam as instruções anteriores, e caso a mulher tenha utilizado corretamente o método anterior, não há risco de engravidar e por isso não é necessário utilizar outro método contraceptivo.

Como trocar de anticoncepcional sem correr o risco de engravidar

3. De um injetável, implante ou SIU para uma pílula combinada

Em mulheres que usam um contraceptivo injetável, implante ou sistema intrauterino com liberação de progestógeno, devem iniciar o uso da pílula oral combinada na data prevista para a próxima injeção ou no dia da extracção do implante ou do SIU.

Há risco de engravidar?

Sim. Há o risco de engravidar nos primeiros dias, por isso, a mulher deve usar preservativo nos primeiros 7 dias de uso da pílula oral combinada.

4. De uma minipílula para uma pílula combinada

A troca de uma minipílula para uma pílula combinada pode ser feita em qualquer dia.

Há risco de engravidar?

Sim. Quando se troca de uma minipílula para uma pilula combinada, há risco de engravidar e por isso a mulher deve utilizar preservativo durante os primeiros 7 dias de tratamento com o novo anticoncepcional.

5. Troca de uma minipílula para outra

Se a pessoa está a tomar uma minipílula e decide trocar para outra minipílula, pode fazê-lo em qualquer dia.

Há risco de engravidar?

Não. Caso se sigam as instruções anteriores, e caso a mulher tenha utilizado corretamente o método anterior, não há risco de engravidar e por isso não é necessário utilizar outro método contraceptivo.

Como trocar de anticoncepcional sem correr o risco de engravidar

6. De uma pílula combinada, anel vaginal ou adesivo para uma minipílula

Para mudar de uma pílula combinada para uma mínipilula, a mulher deve tomar o primeiro comprimido no dia seguinte ao da toma do último comprimido da pílula combinada. Caso se trate de uma pílula combinada que tenha comprimidos inativos, chamados de placebo, estes não devem ser ingeridos e por isso a nova pílula deve ser iniciada no dia seguinte à toma do último comprimido ativo da cartela anterior.

Caso use um anel vaginal ou adesivo transdérmico, a mulher deve iniciar a minipílula no dia seguinte à retirada de um destes anticoncepcionais.

Há risco de engravidar?

Não. Caso se sigam as instruções anteriores, e caso a mulher tenha utilizado corretamente o método anterior, não há risco de engravidar e por isso não é necessário utilizar outro método contraceptivo.

7. De um injetável, implante ou SIU para uma minipílula

Em mulheres que usam um contraceptivo injetável, implante ou sistema intrauterino com liberação de progestógeno, devem iniciar a minipílula na data prevista para a próxima injeção ou no dia da extracção do implante ou do SIU.

Há risco de engravidar?

Sim. Quando se troca de um injetável, implante ou SIU para uma minipílula, há risco de engravidar e por isso a mulher deve utilizar preservativo durante os primeiros 7 dias de tratamento com o novo anticoncepcional.

Como trocar de anticoncepcional sem correr o risco de engravidar

8. De uma pílula combinada ou adesivo para um anel vaginal

O anel deve ser inserido no mais tradar no dia seguinte ao do intervalo habitual sem tratamento, seja de uma pílula combinda ou de um adesivo transdérmico. Caso se trate de uma pílula combinada que tenha comprimidos inativos, deve-se inserir o anel no dia seguinte à toma do último comprimido inativo. Saiba tudo sobre anel vaginal.

Há risco de engravidar?

Não. Caso se sigam as instruções anteriores, e caso a mulher tenha utilizado corretamente o método anterior, não há risco de engravidar e por isso não é necessário utilizar outro método contraceptivo.

9. De um injetável, implante ou SIU para um anel vaginal

Em mulheres que usam um contraceptivo injetável, implante ou sistema intrauterino com liberação de progestógeno, devem inserir o anel vaginal na data prevista para a próxima injeção ou no dia da extracção do implante ou do SIU.

Há risco de engravidar?

Sim. Há o risco de engravidar nos primeiros dias, por isso, deve-se usar camisinha nos primeiros 7 dias de uso da pílula oral combinada. Conheça os tipos de camisinha e como usar. 

Como trocar de anticoncepcional sem correr o risco de engravidar

10. De uma pílula combinada ou anel vaginal para um adesivo transdérmico

O adesivo deve ser colocado o mais tardar no dia seguinte ao do intervalo habitual sem tratamento, seja de uma pílula combinda ou de um adesivo transdérmico. Caso se trate de uma pílula combinada que tenha comprimidos inativos, deve-se inserir o anel no dia seguinte à toma do último comprimido inativo.

Há risco de engravidar?

Não. Caso se sigam as instruções anteriores, e caso a mulher tenha utilizado corretamente o método anterior, não há risco de engravidar e por isso não é necessário utilizar outro método contraceptivo.

11. De um injetável, implante ou SIU para um adesivo transdérmico

Em mulheres que usam um contraceptivo injetável, implante ou sistema intrauterino com liberação de progestógeno, devem colocar o adesivo na data prevista para a próxima injeção ou no dia da extracção do implante ou do SIU.

Há risco de engravidar?

Sim. Há o risco de engravidar nos primeiros dias, por isso, a mulher deve usar preservativo nos primeiros 7 dias de uso da pílula oral combinada.

Assista ainda ao vídeo seguinte e veja o que fazer caso se esqueça de tomar o anticoncepcional:

Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...