Antibiótico corta o efeito do anticoncepcional?

O uso de alguns antibióticos, como a rifampicina e a rifabutina, pode diminuir a eficácia ou cortar o efeito dos anticoncepcionais hormonais, como a pílula ou injeção, por interferir em enzimas responsáveis pelo metabolismo dos hormônios ou reduzir sua absorção e, desta forma, podem aumentar o risco de uma gravidez indesejada.

Os anticoncepcionais são remédios que liberam hormônios femininos (a progesterona e/ou estrógeno) para regular a quantidade desses hormônios na corrente sanguínea, impedindo que aconteça a ovulação ou para engrossar o muco cervical, dificultando o esperma de alcançar o óvulo. Desta forma, evitam a gravidez, desde que utilizadas corretamente. Entenda melhor como funcionam os anticoncepcionais e como usar corretamente.

Sempre que existir dúvida, é importante conversar com o médico responsável pelo tratamento com o antibiótico para evitar interações que possam diminuir ou cortar o efeito dos anticoncepcionais.

Antibiótico corta o efeito do anticoncepcional?

Quais antibióticos podem cortar o efeito do anticoncepcional?

Estudos recentes comprovam que a rifampicina, rifabutina e griseofulvina são os únicos antibióticos que cortam o efeito do anticoncepcional na forma de pílula, minipilula, injeção, adesivo hormonal ou anel vaginal.

A rifampicina e a rifabutina, geralmente, são usadas no tratamento da tuberculose, hanseníase ou meningite, já a griseofulvina é indicada para o tratamento de micoses de pele ou unhas, por exemplo. Esses antibióticos alteram enzimas responsáveis pelo metabolismo dos hormônios presentes nos anticoncepcionais, o que pode levar a uma diminuição da quantidade desses hormônios na corrente sanguínea, diminuindo sua eficácia na prevenção da gravidez.

Existem outros antibióticos que podem afetar o anticoncepcional?

Embora seja ainda controverso e não exista comprovação científica, como no caso da rifampicina, rifabutina e griseofulvina, outros antibióticos e antifúngicos, também apresentam potencial para interferir na absorção dos anticoncepcionais:

  • Pílula anticoncepcional oral combinada como Diane-35, Mercilon, Minulet, por exemplo: griseofulvina, penicilinas, tetraciclinas, eritromicina, claritromicina, ampicilina, cloranfenicol, itraconazol, fluconazol, voriconazol;
  • Anticoncepcional injetável como Mesigyna, Cyclofemina, Perlutan, Ciclovular ou Uno-ciclo, por exemplo: penicilina G benzatina, ampicilina, amoxicilina, claritromicina, eritromicina, tetraciclina, doxiciclina, sulfametoxazol, sulfassalazina, sulfacetamida, griseofulvina, fluconazol, itraconazol, cetoconazol, voriconazol.

No caso de se precisar usar estes remédios é muito importante conversar com o médico para entender qual o risco de afetar o efeito da pílula.

É importante ressaltar que durante o uso de antibióticos pode ocorrer um desequilíbrio da flora intestinal, o que pode resultar em diarreia e levar a uma redução da absorção dos hormônios do anticoncepcional. No entanto, isso só acontece se a diarreia acontecer nas 3 a 4 horas após tomar o anticoncepcional. Outros remédios como anticonvulsivantes ou antirretrovirais, também podem diminuir ou cortar o efeito dos anticoncepcionais. Confira outros fatores que cortam o efeito dos anticoncepcionais.

O que fazer para evitar uma gravidez

Para evitar uma gravidez indesejada, sempre que a mulher utilizar um antibiótico, antifúngico ou qualquer outro remédio que possa interferir na ação do anticoncepcional, é recomendado o uso de um método contraceptivo físico, como o preservativo, por exemplo, durante o tempo de uso e até 7 a 28 dias após o término do tratamento, dependendo do tipo remédio recomendado pelo médico.

É importante sempre ter orientação do médico que receitou o antibiótico e do ginecologista para que o tratamento seja eficaz e seguro, e não interfira no efeito do anticoncepcional.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • ZHANEL, George G.; et al. Antibiotic and oral contraceptive drug interactions: Is there a need for concern?. Can J Infect Dis. 10. 6; 429–433, 1999
  • ARCHER, J. S.; ARCHER, D. F. Oral contraceptive efficacy and antibiotic interaction: a myth debunked. J Am Acad Dermatol. 46. 6; 917-23, 2002
  • DRUGS.COM. Antibiotics and Birth Control Pill Interactions: Fact or Fallacy?. 2020. Disponível em: <https://www.drugs.com/article/antibiotics-and-birth-control.html>. Acesso em 18 Ago 2021
  • BAYER. Diane 35. 2009. Disponível em: <https://www.bayer.com/sites/default/files/2020-11/Diane35.pdf>. Acesso em 19 Ago 2021
  • BOEHRINGER INGELHEIM DO BRASIL QUÍMICA E FARMACÊUTICA LTDA. Perlutan. 2006. Disponível em: <https://static-webv8.jet.com.br/drogaosuper/Bulas/7795304085275.pdf>. Acesso em 19 Ago 2021
  • BAYER. Mesigyna (enantato de noretisterona e valerato de estradiol). Disponível em: <https://www.saudedireta.com.br/catinc/drugs/bulas/mesigyna.pdf>. Acesso em 19 Ago 2021
Mais sobre este assunto: