Como usar Ginkgo biloba para labirintite e tonturas

Revisão clínica: Manuel Reis
Enfermeiro
novembro 2021

Um bom remédio natural indicado para combater labirintite, tonturas, vertigens ou zumbido no ouvido, é o Ginkgo biloba pois é rico em ginkgoflavonóides e terpenolactonas com ação vasodilatadora que ajudam a melhorar a circulação sanguínea dentro do ouvido e no cérebro, além de reduzir a viscosidade sanguínea e diminuir os danos causados pelos radicais livres nos nervos.

O extrato de Ginkgo Biloba pode ser comprado em farmácias, drogarias ou lojas de produtos naturais, na forma de cápsulas, comprimidos ou chá, e pode ser usado diariamente por um período máximo de 3 meses ou conforme orientação médica.

É importante utilizar o Ginkgo biloba com indicação médica ou de um fitoterapeuta especialista em remédios naturais, pois pode causar efeitos colaterais como palpitações cardíacas, sangramentos ou diminuição da pressão arterial. Veja outras indicações do Ginkgo biloba.

Como tomar

O Ginkgo biloba deve ser tomado por via oral e as doses dependem da forma utilizada, que incluem:

1. Ginkgo biloba em cápsulas

As cápsulas de Ginkgo biloba possuem 40 mg do extrato seco dessa planta medicinal e a dose geralmente recomendada para adultos é de 1 cápsula de 40 mg, 3 vezes por dia, tomadas por via oral com um copo de água. 

O tempo de tratamento com as cápsulas de Ginkgo biloba deve ser orientado pelo médico de acordo com a gravidade dos sintomas.

2. Comprimido de Ginkgo biloba

Os comprimidos de Ginkgo biloba podem ser encontrados nas doses de 80 ou 120 mg e as doses normalmente recomendadas para adultos são de 1 comprimido de 80 mg, a cada 8 horas, ou 1 comprimido de 120 mg, a cada 12 horas, tomados junto com uma refeição, conforme orientação médica.

2. Chá de Ginkgo biloba

O chá de Ginkgo biloba deve ser preparado utilizando as folhas secas desta planta ou o pó seco.

Para fazer o chá com as folhas secas, deve-se adicionar 1 colher (de sopa) das folhas secas de Ginkgo biloba em 1 xícara de água e ferver durante 1 minuto. Deixar descansar por 5 a 10 minutos, coar e beber de 3 a 4 vezes por dia.

Já para preparar o chá com o pó seco, deve-se utilizar 1 colher de sobremesa do pó seco de Ginkgo biloba em 200 mL de água, suco sem açúcar ou leite, de preferência desnatado,  uma vez ao dia.

Possíveis efeitos colaterais

O Ginkgo biloba geralmente é bem tolerado e raramente apresenta efeitos colaterais, sendo que os mais comuns são náuseas, dor de cabeça, palpitação cardíaca, queda da pressão arterial ou sangramento.

Quem não deve tomar

O Ginkgo Biloba não deve ser usado por crianças com menos de 12 anos, mulheres grávidas ou em amamentação, ou por pessoas que têm problemas de coagulação no sangue, hemofilia ou usam remédios anticoagulantes como ácido acetilsalicílico, heparina ou varfarina.

O uso do Ginkgo biloba pode aumentar o risco de sangramentos e seu uso deve ser interrompido 2 dias antes de se submeter a qualquer tipo de cirurgia. 

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em novembro de 2021. Revisão clínica por Manuel Reis - Enfermeiro, em novembro de 2021.

Bibliografia

  • SOKOLOVA, Larysa; et al. Treatment of Vertigo: A Randomized, Double-Blind Trial Comparing Efficacy and Safety of Ginkgo biloba Extract EGb 761 and Betahistine. Int J Otolaryngol. 2014. 682439; 1-6, 2014
  • JANG, C. H. Effect of Ginkgo biloba extract on endotoxin-induced labyrinthitis. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. 75. 7; 905-9, 2011
Mostrar bibliografia completa
  • EUROFARMA LABORATÓRIOS LTDA. Equitam (Ginkgo biloba) comprimidos. Disponível em: <https://www.saudedireta.com.br/catinc/drugs/bulas/equitam.pdf>. Acesso em 05 nov 2021
  • HERBARIUM LABORATÓRIO BOTÂNICO LTDA. Ginkgo Herbarium cápsulas. 2014. Disponível em: <https://docs.google.com/gview?url=https://uploads.consultaremedios.com.br/drug_leaflet/Bula-Ginkgo-Herbarium-Paciente-Consulta-Remedios.pdf?1532093617&embedded=true>. Acesso em 05 nov 2021
Revisão clínica:
Manuel Reis
Enfermeiro
Pós-graduado em fitoterapia clínica e formado pela Escola Superior de Enfermagem do Porto, em 2013. Membro nº 79026 da Ordem dos Enfermeiros.