Púrpura: o que é, tipos, sintomas e tratamento

Revisão médica: Dr. Gonzalo Ramirez
Clínico Geral e Psicólogo
fevereiro 2022

A púrpura é um problema raro caracterizado pelo surgimento de manchas vermelhas ou roxas na pele e que não desaparecem quando pressionadas, sendo causadas pelo acúmulo de sangue debaixo da pele devido à inflamação dos vasos sanguíneos. A púrpura é mais comum nas crianças, mas pode aparecer em qualquer idade.

O surgimento da púrpura pode ser devido a diversas situações e, dependendo da sua causa, pode ser necessário tratamento ou não. Normalmente nas crianças a púrpura desaparece sem qualquer tipo de tratamento específico, enquanto que no adulto pode se tornar um problema crônico, podendo aparecer ou desaparecer em períodos.

As manchas da púrpura podem ter vários tamanhos, sendo chamadas de petéquias quando medem 1 a 2 mm de diâmetro, e equimose quando tem mais de 1 cm de diâmetro. Nem todas das púrpuras apresentam o mesmo tamanho de manchas, de forma que o médico deve realizar uma avaliação detalhada da pele e de outros sintomas presentes para que seja determinado o tipo de púrpura e, assim, ser possível iniciar o tratamento mais adequado.

Tipos de púrpura

Existem vários tipos de púrpura de acordo com a sua causa, sendo os principais:

1. Púrpura de Henöch-Schönlein

A púrpura de Henöch-Schönlein, também conhecida como PHS, nefropatia ou vasculite por IgA, é mais frequente em crianças, no entanto também pode ser notada em adultos.

Como identificar: Esse tipo de púrpura é caracterizada pela inflamação de pequenos vasos, levando ao aparecimento de manchas vermelhas, principalmente nas pernas e glúteos, e podendo levar a dor nas articulações ou no abdômen. Conheça outros sintomas da púrpura de Henöch-Schönlein​​​​​​.

Como tratar: Normalmente a PHS não necessita de tratamento específico, sendo apenas importante que a pessoa fique em repouso e seja acompanhado pelo médico para avaliar a progressão dos sintomas. No entanto, quando há muita dor, o médico pode receitar o uso de anti-inflamatórios ou analgésicos, como o Ibuprofeno e o Paracetamol, para aliviar as dores.

2. Púrpura trombocitopênica idiopática

A púrpura trombocitopênica idiopática ou PTI é uma doença autoimune caracterizada pela diminuição do número de plaquetas, interferindo no processo de coagulação.

Como identificar: Devido à alteração da coagulação, é possível notar a formação de pequenos pontos vermelhos na pele e sangramento pelo nariz. O diagnóstico é feito principalmente por meio da análise dos sintomas e do exame de sangue, que nesses casos indica menos de 10.000 plaquetas/mm³ de sangue.

Como tratar: O tratamento para a PTI é feito de acordo com a gravidade dos sintomas, podendo ser recomendado o uso de medicamentos que diminuam a função do sistema imune, evitando que haja reação contra o próprio organismo, injeção de imunoglobulinas ou medicamentos que estimulem a produção de plaquetas pela medula óssea, como o Romiplostim, por exemplo. Saiba mais sobre o que é a PTI e como é feito o tratamento.

3. Púrpura trombocitopênica trombótica

A púrpura trombocitopênica trombótica ou PTT é um tipo raro de púrpura que pode colocar a vida da pessoa em risco. Esse tipo de púrpura é caracterizada pelo aumento da agregação plaquetária, levando a formação de trombos e fazendo com que as hemácias sejam rompidas. Dessa forma, é importante que a PTT seja rapidamente identificada e tratada o mais rápido possível para evitar a anemia, perda de plaquetas e alterações neurológicas.

Como tratar: O tratamento para a PTT deve ser iniciado o mais rápido possível, sendo normalmente recomendada a realização da plasmaférese, que corresponde a um processo de filtração do sangue em que o excesso de anticorpos que podem estar prejudicando o funcionamento do organismo e da circulação sanguínea seja removida.

4. Púrpura fulminante

A púrpura fulminante surge principalmente no recém-nascido devido à falta de proteínas relacionadas à coagulação, o que leva à formação de coágulos que podem dificultar a circulação sanguínea. Além disso, esse tipo de púrpura pode acontecer como consequência de uma infecção grave no sangue, principalmente por meningococo.

Como identificar: Devido à alteração no processo de coagulação, acontece o aparecimento de manchas vermelhas na pele que podem tornar-se negras devido à morte de células nesses locais.

Como tratar: O tratamento para a púrpura fulminante pode ser feita com a administração da proteína da coagulação ausente no sangue de acordo com a orientação do médico.

5. Púrpura senil

Esse tipo de púrpura acontece devido ao envelhecimento natural do organismo, o que leva à maior fragilidade dos vasos sanguíneos, sendo mais comum de acontecer em pessoas a partir dos 65 anos.

Como identificar: Como consequência do envelhecimento dos vasos sanguíneos, é possível notar o aparecimento de manchas roxas no dorso, punhos, mãos e antebraços.

Como tratar: A púrpura senil não necessita ser tratada, uma vez que não representa risco para a saúde e nem é indicativo de hemorragias. No entanto, caso a pessoa se sinta incomodada, pode fazer uso de alguns tipos de cremes ou pomadas com vitamina K que ajudam a diminuir as manchas, devendo ser indicadas pelo dermatologista. 

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em fevereiro de 2022. Revisão médica por Dr. Gonzalo Ramirez - Clínico Geral e Psicólogo, em fevereiro de 2022.

Bibliografia

  • PAPADAKIS, Maxine A.; MCPHEE, Stephen J.; RABOW, Michael W. Current Medical Diagnosis & Treatment 2019. 58th. NEW YORK: McGraw-Hill Education, 2019.
  • Longo, DL et al.. Harrison’s Principles of Internal Medicine. 19.ed. New York: McGraw-Hill, 2015.
Mostrar bibliografia completa
  • Bérangère, S et al. An update on pathogenesis and diagnosis of thrombotic thrombocytopenic purpura. Expert Review of Hematology. 12. 6; 383–395., 2019
  • MINODORA, O et al. Idiopathic thrombocytopenic purpura (ITP) – new era for an old disease. Romanian Journal of Internal Medicine. 1-17, 2019
  • CHARROT, SD et al. Purpura. British Journal of Hospital Medicine. 78. 10; C147–C151, 2017
Revisão médica:
Dr. Gonzalo Ramirez
Clínico Geral e Psicólogo
Clínico geral pela UPAEP com cédula profissional nº 12420918 e licenciado em Psicologia Clínica pela UDLAP nº 10101998.