Púrpura trombocitopênica idiopática: sintomas, causas e tratamento

Revisão médica: Dr. Arthur Frazão
Oftalmologista
dezembro 2021

A púrpura trombocitopênica idiopática, também chamada de púrpura trombocitopênica imunológica, autoimune ou isoimune ou simplesmente PTI, é uma doença autoimune na qual os próprios anticorpos do organismo destroem as plaquetas do sangue, resultando numa redução acentuada desse tipo de células. Quando isso acontece, o corpo tem mais dificuldade para parar hemorragias, especialmente no caso de feridas e pancadas.

Devido à falta de plaquetas, também é muito comum que um dos primeiros sintomas da púrpura trombocitopênica seja o surgimento frequente de manchas roxas na pele em vários locais do corpo.

Dependendo do número total de plaquetas e dos sintomas apresentados, o médico pode aconselhar apenas maiores cuidados para evitar hemorragias ou, então, iniciar o tratamento para a doença, que normalmente inclui o uso de medicamentos para diminuir o sistema imune ou para aumentar o número de células no sangue.

Principais sintomas

Os sintomas mais frequentes em caso de púrpura trombocitopênica idiopática incluem:

  • Facilidade para ficar com manchas roxas no corpo;
  • Pequenos pontos vermelhos na pele que parecem um sangramento por baixo da pele;
  • Facilidade para sangrar pelas gengivas ou nariz;
  • Inchaço das pernas;
  • Presença de sangue na urina ou fezes;
  • Fluxo menstrual aumentado.

No entanto, também existem muitos casos em que a púrpura não causa qualquer tipo de sintomas, sendo que a pessoa é diagnosticada com a doença apenas porque apresenta uma quantidade de plaquetas no sangue inferior a 10.000/mm³.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico inicial é feito a partir da observação dos sinais e sintomas apresentados pela pessoa. No entanto é também indicada a realização de hemograma para avaliar a quantidade de plaquetas encontradas no sangue, que no caso de PTI está abaixo de 100.000 plaquetas, sendo na maioria dos casos a única alteração detectada nesse exame.

É também solicitado pelo médico a realização de outros exames para excluir outras alterações que podem ter sintomas e resultados laboratoriais semelhantes. Assim, pode ser indicada a realização da contagem de reticulócitos, VSH, coombs direto, tipagem sanguínea ABO e Rh, exames para avaliar o funcionamento do fígado e da tireoide, exame FAN e exames para infecções, como HIV, H. pylori, HCV e HBV.

Além disso, no caso das pessoas com menos de 20 anos, pode ser também solicitada a realização da dosagem das imunoglobulinas A, G e M (IgA, IgM e IgG).

Possíveis causas

A púrpura trombocitopênica idiopática acontece quando o sistema imune começa, de forma errada, a atacar as próprias plaquetas do sangue, causando uma diminuição acentuada dessas células. Ainda não é conhecida a razão exata porque isso acontece e, por isso, a doença é chamada de idiopática.

No entanto, existem alguns fatores que parecem aumentar o risco de desenvolver a doença, como ser do gênero feminino e/ou ter tido alguma infecção viral recente, como caxumba ou sarampo. Embora apareça mais frequentemente em crianças, a púrpura trombocitopênica idiopática pode surgir em qualquer idade, mesmo que não existam outros casos na família.

Como é feito o tratamento

Nos casos em que a púrpura trombocitopênica idiopática não provoca qualquer sintomas e o número de plaquetas não está muito reduzido, o médico pode aconselhar apenas ter cuidado para evitar pancadas e feridas, assim como ir fazendo exames de sangue frequentes para avaliar o número de plaquetas.

No entanto, se existirem sintomas ou se o número de plaquetas estiver muito reduzido, pode ser aconselhado o tratamento com medicamentos:

  • Remédios que diminuem o sistema imune, geralmente corticoides como a prednisona: diminuem o funcionamento do sistema imune, reduzindo assim a destruição das plaquetas no organismo;
  • Injeções de imunoglobulinas: levam ao aumento rápido de plaquetas no sangue e geralmente o efeito dura por 2 semanas;
  • Remédios que aumentam a produção de plaquetas, como Romiplostim ou Eltrombopag: levam a medula óssea a produzir mais plaquetas.

Além disso, pessoas com este tipo de doença devem também evitar usar remédios que afetam o funcionamento das plaquetas como a Aspirina ou o Ibuprofeno, pelo menos sem supervisão de um médico.

Nos casos mais graves, quando a doença não melhora com os remédios indicados pelo médico, pode ser necessário fazer uma cirurgia para remover o baço, que é um dos órgãos que produz mais anticorpos capazes de destruir as plaquetas.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em dezembro de 2021. Revisão médica por Dr. Arthur Frazão - Oftalmologista, em fevereiro de 2016.

Bibliografia

  • MINISTÉRIO DA SAÚDE. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas de Púrpura Trombocitopênica Idiopática. 2019. Disponível em: <http://conitec.gov.br/images/Consultas/Relatorios/2019/Relatorio_PCDT_PTI_CP14_2019.pdf>. Acesso em 02 dez 2021
  • REVISTA QUALIDADE HC - RIBEIRÃO PRETO. Púrpura Trombocitopênica Imune (PTI) na Sala de Urgência. Disponível em: <https://www.hcrp.usp.br/revistaqualidade/uploads/Artigos/206/206.pdf>. Acesso em 02 dez 2021
Revisão médica:
Dr. Arthur Frazão
Clínico geral
Médico generalista, especialista em Oftalmologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, em 2008, com registro profissional no CRM/PE 16878