Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

O que é Polineuropatia periférica e como tratar

A polineuropatia periférica surge quando acontecem danos graves em vários nervos periféricos, que levam a informação desde o cérebro, e medula espinhal, até ao resto do corpo, causando sintomas como fraqueza, formigamento e dor persistente.

Embora esta doença afete mais frequentemente os pés e mãos, pode afetar todo o corpo e, normalmente, acontece como uma complicação da diabetes, exposição a substâncias tóxicas ou infecções, por exemplo.

Na maioria dos casos os sintomas melhoram com o tratamento da doença que está causando a lesão nos nervos, mas em outras situações, pode ser necessário manter o uso constante de medicamentos para controlar os sintomas e melhorar a qualidade de vida.

O que é Polineuropatia periférica e como tratar

Principais sintomas

Os sintomas da polineuropatia periférica variam de acordo com os locais afetados, no entanto, os mais comuns incluem:

  • Dor do tipo facada ou queimação persistente;
  • Formigamento constante que vai ficando mais intenso;
  • Dificuldade para movimentar os braços e pernas;
  • Quedas frequentes;
  • Hipersensibilidade nas mãos ou pés.

Com o avanço da doença, outros nervos mais importantes podem ser afetados, como os da respiração ou os da bexiga, resultando em outros sintomas como dificuldade para respirar ou para segurar o xixi, por exemplo.

Estes sintomas podem ir aparecendo e se desenvolvendo ao longo de vários meses ou anos e, por isso, muitas vezes passam despercebidos, até que surjam problemas mais graves.

O que causa a polineuropatia

A polineuropatia geralmente é causada pela lesão progressiva nos nervos, resultante de doenças metabólicas, como a diabetes, ou doenças autoimunes, como lúpus, artrite reumatóide ou síndrome de Sjogren. No entanto, infecções, exposição a substâncias tóxicas, e, até, pancadas fortes também podem causar problemas nos nervos e resultar em polineuropatia.

Em casos mais raros, a polineuropatia pode até surgir sem qualquer causa aparente e, aí, é conhecida como polineuropatia periférica idiopática.

Como é feito o tratamento

Quando a polineuropatia surge como uma complicação de outra doença, o tratamento precisa ser iniciado com o controle dessa doença. Assim, no caso da diabetes, por exemplo, é importante ter cuidado com a alimentação ou iniciar o uso de insulina, já se a causa for causada por uma doença autoimune pode ser recomendado começar o uso de remédio que diminuem o sistema imune.

Já se os sintomas surgirem sem causa aparente ou devido a outro problema que não possa ser tratado, o médico pode receitar alguns remédios para aliviar os sintomas, como:

  • Anti-inflamatórios: como Ibuprofeno ou Nimesulida;
  • Antidepressivos: como Amitriptilina, Duloxetina ou Verflaxacina;
  • Anticonvulsionantes: como Gabapentina, Pregabalina ou Topiramato.

Porém, nos casos mais graves, pode também ser necessário usar remédios derivados dos opióides, como o tramadol ou a morfina, que têm ação mais potente, mas que, como criam dependência, só são usados nos casos em que não é possível controlar a dor com os outros remédios.

Além disso, pode ainda ser recomendado fazer uma terapia complementar, com acupuntura ou fitoterapia, por exemplo, para reduzir as doses dos medicamentos.

Mais sobre este assunto:


Carregando
...