Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Como identificar e tratar a pitiríase liquenoide

A pitiríase liquenoide é uma dermatose da pele causada por inflamação dos vasos sanguíneos, que leva ao aparecimento de feridas que atingem principalmente o tronco e membros, durante algumas semanas, meses ou, até, anos. Esta doença pode se manifestar de 2 formas diferentes, podendo ser a sua forma aguda, chamada de pitiríase liquenóide e varioliforme aguda, ou sua forma crônica, conhecida como ptiríase liquenóide crônica ou parapsoríase em gotas.

Este tipo de inflamação é raro, mais comum em crianças por volta dos cinco aos 10 anos, apesar de poder surgir em qualquer idade. Ainda não se sabe exatamente o motivo da sua causa, mas parece estar relacionada a alterações no sistema imune, portanto, o seu tratamento é feito com medicamentos que podem ajudar a controlar estas alterações, como utilização de corticóides, antibióticos e imunomoduladores, por exemplo, prescritos pelo dermatologista.

Como identificar e tratar a pitiríase liquenoide

Principais sintomas

A pitiríase liquenóide pode se apresentar de 2 formas clínicas diferentes:

1. Pitiríase liquenóide e varioliforme aguda

Também conhecida como doença de Mucha-Habermann, é a forma aguda da doença, em que se formam pequenas lesões arredondadas, em forma de gota, um pouco elevadas e de coloração rósea. Estas lesões podem sofrer necrose, em que há a morte das células, e, em seguida, formar crostas que, ao recuperarem, podem deixar pequenas cicatrizes deprimidas ou manchas brancas.

Estas lesões duram, geralmente, cerca de 6 a 8 semanas, podendo levar meses, e como esta doença se apresenta em surtos, é comum que existam lesões em diferentes estágios ao mesmo tempo na pele. Além disso, é comum que esta doença aguda surja acompanhada de sintomas como febre, cansaço, dores no corpo e surgimento de gânglios linfáticos aumentados.

2. Pitiríase liquenóide crônica

É também chamada de parapsoríase em gotas crônica, e também provoca pequenas lesões elevadas de coloração rosa, amarronada ou avermelhada na pele, entretanto, não evoluem para a formação de necrose e crostas, mas podem descamar.

Cada lesão desta dermatose pode ficar ativa por semanas, regredindo com o tempo, e não costumam deixar cicatrizes. Entretanto novas lesões podem surgir, em um processo de que pode durar por vários meses a anos.

Como é feito o tratamento

A ptiríase liquenóide não tem cura, entretanto, o tratamento orientado pelo dermatologista é capaz de controlar bem a doença, e inclue o uso de:

  • Antibióticos, como Tetraciclina e Eritromicina;
  • Corticóides, em pomada ou em comprimidos, como Prednisona, de forma a regular a imunidade e controlar as lesões;
  • Fototerapia, através da exposição de raios UV, de forma controlada.

Medicamentos mais potentes, como imunomoduladores ou quimioterápicos, como o Metrotexato, podem ser usados em alguns casos em que não há melhora com o tratamento inicial. 

O que causa a ptiríase liquenóide

A causa exata desta doença é desconhecida, mas sabe-se está associada ao comprometimento do sistema imune da pessoa, portanto não é contagiosa. Esta reação inflamatória pode se desencadeada após algum tipo de infecção, estresse, ou uso de alguma medicamento, por exemplo.

A pitiríase liquenóide acontece por um processo inflamatório benigno, entretanto, em alguns casos raros existe a possibilidade da transformação maligna e formação de câncer, portanto, é importante que o dermatologista faça um seguimento regular da evolução das lesões, em consultas agendadas periodicamente por ele.

Mais sobre este assunto:
Carregando
...