Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Síndrome da perna curta: como identificar e tratamento

A síndrome da perna curta, chamada cientificamente de dismetria dos membros inferiores, é uma situação em que uma perna é mais curta que a outra e a diferença entre elas pode variar de menos de 1 centímetro até vários centímetros. Quanto maior for a diferença entre o comprimento das duas pernas, maior será o desconforto da pessoa, já que acaba dificultando bastante o locomoção.

A perna curta pode ser classificada como sendo verdadeira ou falsa. A perna curta verdadeira ocorre quando os ossos da perna estão realmente mais curtos, já a perna curta falsa acontce quando o comprimento dos ossos da perna são iguais, mas existe um desnível no quadril.

É possível curar a perna curta, deixando as duas do mesmo tamanho mas os tratamentos variam de acordo com a sua causa e, por isso, cada caso deve ser discutido pessoalmente com o ortopedista.

Síndrome da perna curta: como identificar e tratamento

Como confirmar que uma perna é mais curta

Geralmente é mais fácil de identificar que uma perna é mais curta que a outra quando a diferença é maior que 2 cm, já que todo o corpo fica desalinhado. Já quando a diferença é inferior a 2 cm, a forma mais fácil consiste em deitar a pessoa de barriga para cima e depois pedir para dobrar os joelhos. Caso um dos joelhos fique mais elevado que o outro, é possível que a pessoa tenha uma perna mais curta que a outra.

Uma outra forma de confirmar o comprimento das pernas é medindo com uma fita métrica ou observando o nível do quadril ao colocar a pessoa sobre plataformas de madeira que medem de 1 a 5 cm de altura.

Ainda assim, para confirmar o diagnóstico é muito importante fazer exames de raio X, que também irão ajudar a identificar a causa e adequar melhor o tratamento.

Como é feito o tratamento

Quanto mais cedo a síndrome da perna curta for descoberta e quanto mais cedo o tratamento for iniciado, maiores serão as chances de cura, especialmente se o tratamento for iniciado na infância. 

Quando a diferença entre o comprimento das pernas é igual ou inferior a 0,5 cm, geralmente não há necessidade de tratamento, sendo comum que a maior parte das pessoas possuam essa diferença na vida adulta. Porém, quando a diferença é maior, o tratamento pode ser feito com:

  • Sessões de fisioterapia para liberar a fáscia, alongar os músculos encurtados, corrigir a escoliose, e diminuir a dor e o enfraquecimento muscular, por exemplo;
  • Uso de uma palmilha que se coloca por baixo do calcanhar da perna mais curta para igualar a altura das duas pernas. Esta palmilha deve ser colocada por dentro dos sapatos quando o encurtamento é de até 2 cm, mas em diferenças de altura maiores pode-se usar sapatos feito sob medida;
  • Sessões de osteopatia e RPG que são muito eficazes no alinhamento de todo o corpo e conseguem curar a perna curta falsa;
  • Cirurgia para correção da perna curta sendo, especialmente indicada em caso de perna curta verdadeira com mais de 2 cm. O médico poderá sugerir ainda uma outra cirurgia chamada epifisiodese, que consiste em parar o crescimento da perna saudável. 

O ortopedista pode indicar qual será a diferença de altura entre as pernas na vida adulta, até mesmo quando avalia crianças, recorrendo a um cálculo que indica qual será a diferença de altura no futuro. Saber esse valor é importante porque sempre que a pessoa tiver mais de 5 cm de diferença é indicado fazer cirurgia.

Possíveis complicações

Ter uma perna mais curta que a outra pode conduzir a algumas complicações para a saúde:

  • Dificuldade para caminhar;
  • Alterações no joelho, que podem ficar voltados para dentro ou fora;
  • Aparecimento de pequenas fraturas, chamadas de fratura por estresse;
  • Desenvolvimento de escoliose, já que a coluna vertebral adota uma posição errada;
  • Desenvolvimento de artrite ou artrose nas articulações;
  • Dores nas costas, nos ombros e no pescoço.

Todas estas complicações podem estar relacionados entre si, pois como uma das pernas é mais curta, o corpo terá adotar posturas compensatórias incorretas, que com o passar do tempo podem causar dores e inflamações.

Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem