Perfeccionismo: o que é, características e quando é problema

Revisão médica: Dr. Gonzalo Ramirez
Clínico Geral e Psicólogo
dezembro 2021

O perfeccionismo é um tipo de comportamento caracterizado pelo desejo de realizar todas as tarefas de modo perfeito, não sendo admitidos erros ou resultados pouco satisfatórios para o seu padrão. A pessoa perfeccionista normalmente possui alto padrão de cobrança sobre si e sobre os outros.

A pessoa perfeccionista tende a ter uma atenção seletiva aos erros, ou seja, tende a focar apenas no que está errado ao invés do acertos, fazendo com que corrija constantemente pequenos detalhes que possa identificar como "mal feito". O perfeccionismo patológico está associado a níveis mais altos de sintomas depressivos e de ansiedade. Além disso, é um fator para o desenvolvimento do Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC).

O perfeccionismo pode ser classificado em:

  • Normal, adaptativo ou saudável, quando a pessoa possui motivação e determinação para realizar as tarefas de forma bem feita;
  • Mal-adaptativo ou nocivo, em que a pessoa possui um padrão muito alto de perfeição, sendo muitas vezes necessário realizar a mesma tarefa várias vezes porque julga não estar perfeito, podendo gerar frustração.

O conceito de perfeição é algo difícil de se alcançar no dia a dia e, por isso, as pessoas têm um certo grau de tolerância à frustração quando algo não sai como planejado. No entanto, o perfeccionista procurará o mínimo detalhes para que tudo fique conforme o planejado e, caso isso não aconteça, pode levar ao desenvolvimento de sentimentos negativos em excesso.

Principais características

As pessoas perfeccionistas normalmente atentam bem aos detalhes, são extremamente organizadas e focadas, buscando realizar as tarefas com a mínimo possibilidade de erro. Essas características são consideradas normais e até saudáveis para todas as pessoas, pois interferem positivamente a vida pessoal e profissional. No entanto, quando essas características são acompanhadas com alto padrão de cobrança e autocrítica exacerbada, pode gerar sentimentos de frustração e depressão.

Outras características da pessoa perfeccionista são:

  • Responsabilidade e determinação em excesso;
  • Alto nível de exigência consigo e com os outros;
  • Não admitem erros e falhas, possuindo dificuldades para aceitar que errou e aprender com isso, além de sentirem culpa e vergonha;
  • Sentem dificuldade em trabalhar em grupo, já que não conseguem acreditar na capacidade do outro;
  • Sempre acham que falta alguma coisa, nunca ficando satisfeitos com o resultado obtido;
  • Não aceita críticas muito bem, mas costuma criticar os outros para demonstrar que ela é melhor;
  • Ver o erro como fracasso;
  • Duvidar da qualidade do trabalho realizado.

As pessoas perfeccionistas têm muito medo de falhar, por isso se preocupam constantemente com as coisas e estabelecem um padrão de cobrança muito alto e, por isso, quando há qualquer falha ou erro, mesmo que pequeno, acabam ficando frustradas e com o sentimento de incapacidade.

Tipos de perfeccionismo

O perfeccionismo pode ser classificado de acordo com os fatores que influenciaram o seu desenvolvimento:

  1. Perfeccionismo pessoal, em que a pessoa se cobra muito, demonstrando um comportamento de preocupação excessiva para que tudo esteja perfeito. Esse tipo de perfeccionismo diz respeito ao modo como a pessoa se enxerga, é a autocrítica exacerbada;
  2. Perfeccionismo social, que é desencadeado pelo receio de como vai ser interpretado e reconhecido pelas pessoas e o medo de falhar e ser rejeitado, sendo esse tipo de perfeccionismo muitas vezes desencadeado em crianças que foram muito cobradas, elogiadas ou rejeitadas, senda essa uma forma da criança ser aceita pelos pais, por exemplo. Além disso, no perfeccionismo social, a pessoa tem dificuldades de falar ou interagir com outras pessoas sobre seus medos ou inseguranças justamente pelo medo do julgamento.
  3. Perfeccionismo direcionado, em que a pessoa possui muita expectativa não só sobre si, mas também sobre os outros, o que dificulta o trabalho em equipe e a sua adaptação a outras situações, por exemplo. 

O perfeccionismo também pode ser consequência de transtornos psicológicos, como ansiedade e transtorno obsessivo compulsivo (TOC), por exemplo.

Quando o perfeccionismo se torna um problema?

O perfeccionismo pode se tornar um problema quando a realização de qualquer tarefa se torna desgastante e estressante devido ao elevado padrão de cobrança, preocupação excessiva com os detalhes e o medo de falhar. Além disso, o fato de nunca estar satisfeito com os resultados obtidos pode gerar sentimentos de angústia, frustração, ansiedade e até mesmo depressão, o que em alguns casos pode resultar em pensamentos suicidas.

As pessoas perfeccionistas tendem a ter a autocrítica muito presente, o que pode ser muito prejudicial, já que não conseguem avaliar os aspectos positivos, somente os negativos, resultando em transtornos de humor. Isso não reflete somente na realização de tarefas do dia a dia, mas também em aspectos físicos, o que pode resultar em transtornos alimentares, por exemplo, já que a pessoa acha que sempre tem algo a melhorar no corpo ou na aparência, sem levar em conta os aspectos positivos.

Como é feito o tratamento

O tratamento para o perfeccionismo deve ser orientado por um psicólogo por meio da terapia cognitivo-comportamental. Nos casos mais graves, pode ser necessário o uso de medicamentos, que devem ser prescritos pelo psiquiatra, como ansiolíticos ou antidepressivos, com o objetivo de aliviar os sintomas e melhorar a qualidade de vida da pessoa.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Marcela Lemos - Biomédica, em dezembro de 2021. Revisão médica por Dr. Gonzalo Ramirez - Clínico Geral e Psicólogo, em dezembro de 2021.

Bibliografia

  • ROSA, Lorena; VALLE, Ariel D.; RUTSZTEIN, Guilhermina; KEEGAN, Eduardo. Perfeccionismo y Autocrítica: Consideraciones clínicas. Revista Argentina de Clínica Psicológica. Vol 21. 209-221, 2012
  • FREITAS, Clémence E. Perfeccionismo, auto-conceito e sintomatologia psicopatológica em estudantes do Ensino Superior. Tese de Mestrado, 2011. Universidade da Beira Interior.
Mostrar bibliografia completa
  • CASTRO, Juliana S. Perfeccionismo, regulação emocional e perturbação psicológica. Tese de Mestrado, 2013. Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra.
Revisão médica:
Dr. Gonzalo Ramirez
Clínico Geral e Psicólogo
Clínico geral pela UPAEP com cédula profissional nº 12420918 e licenciado em Psicologia Clínica pela UDLAP nº 10101998.