Somos REDE D'OR
icon de informação icon de telefone 3003-3230
Número disponível apenas em território brasileiro, com custo de chamada local.

Oncocercose: o que é, sintomas e tratamento

Revisão clínica: Marcela Lemos
Biomédica
novembro 2022

A oncocercose é uma doença infecciosa causada pelo parasita Onchocerca volvulus, que pode causar perda progressiva da visão, lesões na pele e aparecimento de nódulos indolores.

A oncocercose pode ser transmitida pela picada da mosca do gênero Simulium spp., também conhecida como mosca preta ou mosquito borrachudo, devido a sua semelhança com os mosquitos, que pode ser normalmente encontrado na beira dos rios e, por isso, essa doença pode ser também conhecida por cegueira dos rios ou doença do garimpeiro.

É importante que na presença de sinais indicativos de oncocercose, o clínico geral ou infectologista seja consultado, pois assim é possível iniciar o tratamento de forma imediata e prevenir complicações.

Imagem ilustrativa número 1

Sintomas de oncocercose

O principal sintoma da oncocercose é a perda progressiva da visão devido à presença de microfilárias nos olhos, que se não tratada pode levar à cegueira. Outras manifestações clínicas características da doença são:

  • Oncocercoma, que corresponde à formação de nódulos subcutâneos e móveis que contêm vermes adultos. Esses nódulos podem aparecer na região pélvica, tórax e cabeça, por exemplo, e são indolores enquanto os vermes estão vivos, quando morrem provocam um intenso processo inflamatório, se tornando bastante doloroso;
  • Oncodermatite, também chamada de dermatite oncocercosa, que é caracterizada pela perda da elasticidade da pele, atrofia e formação de pregas que acontece devido à morte das microfilárias que estão presentes no tecido conjuntivo da pele;
  • Lesões oculares, que são lesões irreversíveis causadas pela presença de microfilárias nos olhos que pode resultar em cegueira completa.

Além disso, podem haver lesões linfáticas, em que as microfilárias podem atingir os linfonodos perto das lesões cutâneas e causar danos.

Como é o diagnóstico

O diagnóstico da oncocercose deve ser feito pelo clínico geral, infectologista ou oftalmologista a partir da avaliação dos sinais e sintomas apresentados pela pessoa. Além disso, pode ser solicitado pelo médico a realização de exames que ajudem a confirmar o diagnóstico, como exames oftalmológicos e exames de sangue em que são procuradas microfilárias entre as hemácias.

Em alguns casos, o médico pode também indicar a realização de ultrassom, para verificar a formação de nódulos pelo parasita, e exames moleculares, como a PCR, para identificar o Onchocerca volvulus.

Além desses exames, o médico pode solicitar a realização de exame histopatológico, em que é feita biópsia de um pequeno fragmento de pele para identificar as microfilárias e excluir a ocorrência de outras doenças, como adenopatias, lipomas e cistos sebáceos, por exemplo.

Tratamento da oncocercose

O tratamento da oncocercose é feito com o uso do antiparasitário Ivermectina, que é muito eficiente contra a microfilária, pois é capaz de provocar sua morte sem causar efeitos colaterais muito graves. Apesar de ser muito eficiente contra as microfilárias, a Ivermectina não possui efeito sobre as larvas adultas, sendo necessário retirar cirurgicamente os nódulos contendo as larvas adultas.

Como prevenir

A melhor forma de prevenir a infecção pelo Onchocerca volvulus é utilizando repelentes e roupas adequadas, principalmente em regiões que o inseto é mais prevalente e em leitos de rios, além de medidas que visem combater o mosquito, como o uso de larvicidas e inseticidas biodegradáveis, por exemplo.

Além disso, é recomendado que os habitantes de regiões endêmicas ou que pessoas que estiveram nessas regiões sejam tratadas com Ivermectina anualmente ou semestralmente como forma de prevenir a oncocercose.

Esta informação foi útil?

Atualizado e revisto clinicamente por Marcela Lemos - Biomédica, em novembro de 2022.

Bibliografia

  • NEVES, David P. Parasitologia Humana. 12 ed. Atheneu, 335-340.
Revisão clínica:
Marcela Lemos
Biomédica
Mestre em Microbiologia Aplicada, com habilitação em Análises Clínicas e formada pela UFPE em 2017 com registro profissional no CRBM/ PE 08598.