Nistagmo: o que é, sintomas, causas e tratamento

maio 2022

O nistagmo é o movimento involuntário, repetitivo e incontrolado dos olhos, que pode acontecer mesmo que a cabeça esteja parada, podendo resultar em alguns sintomas, como dificuldade de focar objetos, visão trêmula, náuseas, vômitos ou perda do equilíbrio, por exemplo.

O movimento dos olhos pode acontecer de um lado para o outro ou de cima para baixo, por exemplo, sendo normalmente causado no adulto devido algumas condições de saúde como, esclerose múltipla, labirintite, AVC ou estrabismo, mas também pode estar presente desde o nascimento, devido a catarata congênita ou alterações no desenvolvimento do nervo óptico.

O diagnóstico do nistagmo é feito pelo oftalmologista, que pode indicar o tratamento mais adequado de acordo com as características dos movimentos oculares, tipo de nistagmo, e causa, podendo ser feito com o uso de remédios ou até cirurgia.

Sintomas de nistagmo

Os principais sintomas de nistagmo são:

  • Movimentos incontrolados dos olhos;
  • Movimentos oculares, lentos ou rápidos;
  • Visão embaçada ou trêmula;
  • Aumento da sensibilidade à luz;
  • Dificuldade para enxergar à noite;
  • Dificuldade para focar objetos;
  • Diminuição da percepção de profundidade;
  • Problema de coordenação motora;
  • Problemas de equilíbrio;
  • Tontura, náuseas, vômitos.

No nistagmo, o movimento nos olhos pode ser de cima para baixo, de baixo para cima, de um lado para o outro ou circulares, sendo comum que a pessoa incline a cabeça como forma de melhorar o foco.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico do nistagmo é feito pelo oftalmologista através da análise dos sintomas, avaliação dos movimentos dos olhos e realização de exames específicos, como a eletro-oculografia e a video-oculografia, por exemplo, em que os movimentos involuntários dos olhos são observados em tempo real e de forma mais precisa.

Outros exames que o médico pode fazer são exames de vista para avaliar dentro do olho de forma mais detalhada, buscando identificar condições que possam estar causando o nistagmo, como problemas no nervo óptico, na retina, ou catarata. Conheça os principais exames de vista.  

Além disso, o médico pode solicitar uma avaliação com o neurologista, para descartar ou identificar doenças neurológicas que podem causar nistagmo, além de exames como tomografia computadorizada ou ressonância magnética do cérebro.

Possíveis causas

O nistagmo é causado por algumas condições de saúde, sendo chamado de nistagmo adquirido, ou estar presente desde o nascimento, sendo conhecido como nistagmo congênito ou infantil, podendo neste caso surgir em bebês, geralmente por volta dos 3 a 6 meses de vida.

As principais causas de nistagmo são: 

  • Histórico familiar de nistagmo;
  • Catarata congênita;
  • Alterações no desenvolvimento do nervo óptico;
  • Alteração no desenvolvimento do controle dos movimento dos olhos na infância;
  • Atrofia do nervo óptico;
  • Distúrbios da retina ou do nervo óptico;
  • Catarata no adulto;
  • Estrabismo;
  • Miopia ou astigmatismo elevados;
  • Labirintite;
  • Inflamação do ouvido interno, como labirintite,
  • Síndrome de Meniére;
  • Alterações neurológicas devido a tumores ou pancadas na cabeça;
  • Câncer ou tumor no olho;
  • Acidente Vascular Cerebral (AVC);
  • Inflamação no cérebro na região que coordena o movimento dos olhos;
  • Esclerose múltipla;
  • Neurossífilis;
  • Consumo excessivo de bebidas alcoólicas;
  • Efeito colateral de medicamentos, como lítio ou anticonvulsivantes;
  • Deficiências nutricionais, como a vitamina B12.

Além disso, pessoas com Síndrome de Down ou albinismo, por exemplo, têm mais chance de desenvolverem nistagmo.

Tipos de nistagmo

O nistagmo pode ser classificado em diferentes tipos de acordo com as características dos movimento dos olhos, sendo os principais:

  • Nistagmo horizontal: caracterizado pelo movimentos oculares de um lado para o outro, de forma lateral, da esquerda para a direita ou da direita para a esquerda, de forma horizontal;
  • Nistagmo vertical: nesse tipo de nistagmo os movimentos dos olhos ocorrem de cima para baixo ou de baixo para cima;
  • Nistagmo optocinético ou pendular: os movimentos dos olhos ocorrem em várias direções, como vertical, horizontal ou em torção, em resposta a campos visuais ou objetos em movimento ou rotação;
  • Nistagmo rotacional: nesse tipo de nistagmo os olhos se movimentam de forma circular, em rotações;
  • Nistagmo fisiológico: neste tipo de nistagmo, os olhos movimentam-se normalmente com o objetivo de focalizar um imagem quando viramos a cabeça, por exemplo;
  • Nistagmo patológico: os movimentos dos olhos acontecem mesmo com a cabeça parada, sendo normalmente indicativo de que há alterações no sistema vestibular, que é um sistema responsável não só pela audição e manutenção do equilíbrio, mas também por enviar impulsos elétricos ao cérebro e regiões que controlam o movimentos dos olhos.

Além disso, um outro tipo de nistagmo é nistagmo spasmus nutans, que ocorre em crianças por volta dos 6 meses até os 3 anos, caracterizado por inclinação da cabeça e movimentos pendulares dos olhos, mas que também podem ocorrer em qualquer direção, e geralmente melhora dos 5 aos 12 anos sem necessidade de tratamento.

Como é feito o tratamento

O tratamento do nistagmo deve ser feito com orientação do oftalmologista, com o objetivo de diminuir a ocorrência dos movimentos involuntários do olho, podendo ser indicado pelo médico o uso de remédios, como gabapentina, baclofeno, memantina ou fampridina, ou suplementos vitamínicos, no caso do nistagmo ser causado por deficiências nutricionais.

Além disso, o oftalmologista pode recomendar o uso de lentes de contato ou óculos, para corrigir problemas de visão que estejam causando o nistagmo.

Em casos mais graves, quando os movimentos involuntários são muito frequentes e acontecem independente da posição da cabeça, pode ser necessária a realização de cirurgia para alterar a posição dos músculos que são responsáveis por mover o olho, melhorando, assim, a capacidade de focalização em objetos, além de melhorar a capacidade visual.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em maio de 2022.

Bibliografia

  • THURTELL, M. J. Treatment of Nystagmus. Seminars in Neurology. 35. 5; 522-526, 2015
  • MEHTA, A. R.; KENNARD, C. The pharmacological treatment of acquired nystagmus. Pract Neurol. 12. 3; 147-53, 2012
Mostrar bibliografia completa
  • THURTELL, M. J.; et al. Crossover trial of gabapentin and memantine as treatment for acquired nystagmus. Ann Neurol. 67. 5; 676-80, 2010
  • SEKHON, R. K.; ET AL. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Nystagmus Types. 2021. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK539711/>. Acesso em 12 mai 2022
  • GOTTLOB, I. Nystagmus. Curr Opin Ophthalmol. 12. 5; 378-83, 2001
  • KATES, M. M.; BEAL, C. J. Nystagmus. JAMA. 325. 8; 798, 2021
  • DOMÍNGUEZ-DURAN, E.; et al. Experiencia de uso de fampridina en pacientes con nistagmo vertical inferiorClinical use of 4-aminopyridine in patients with downbeat nystagmus. Acta Otorrinolaringológica Española. 71. 1; 40-44, 2020
  • ABADI, R. V. Mechanisms underlying nystagmus. J R Soc Med. 95. 5; 231-4, 2002
  • PAPAGEORGIOU, E.; et al. Nystagmus in childhood. Pediatr Neonatol. 55. 5; 341-51, 2014
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.

Tuasaude no Youtube

  • DIETA PARA SÍNDROME DE MÉNIÈRE

    03:27 | 77521 visualizações
  • COMO ACABAR COM AS TONTURAS (ou crises de vertigem)

    03:49 | 944607 visualizações