Somos REDE D'OR
icon de informação icon de telefone 3003-3230
Número disponível apenas em território brasileiro, com custo de chamada local.

Neurotransmissores: o que são, principais tipos e funções

Revisão médica: Dr. Gonzalo Ramirez
Psicólogo e Clínico Geral
dezembro 2022

Os neurotransmissores são substâncias produzidas e liberadas pelos neurônios, que permitem a comunicação entre diferentes partes do sistema nervoso. Agem na regulação de funções no organismo, como aprendizado, controle das emoções e movimentos.  

Embora os níveis de neurotransmissores variem constantemente no cérebro, o seu excesso ou falta pode provocar doenças como ansiedade, depressão, TDAH, epilepsia e doença de Parkinson. 

Em caso de suspeita de doenças causadas por desequilíbrios de neurotransmissores é recomendado consultar um neurologista ou psiquiatra, podendo também ser indicados exames, como o eletroencefalograma ou eletroneuromiografia, para confirmar o diagnóstico.

Imagem ilustrativa número 1

Principais neurotransmissores

Os principais neurotransmissores são:

  • Acetilcolina: está envolvido no controle dos movimentos e funções como controle dos batimentos cardíacos e pressão arterial;
  • Noradrenalina: está relacionado com estresse, sono e atenção, por exemplo;
  • Serotonina: age na regulação da atividade dos neurônios e também afeta o funcionamento do intestino, bexiga e coração, por exemplo; 
  • Dopamina: participa em funções como aprendizado, controle dos movimentos e organização de informações na memória;
  • Glutamato: é o principal neurotransmissor excitatório do cérebro e tem participação importante na plasticidade do sistema nervoso;
  • Ácido gama-aminobutírico ou GABA: é um dos principais neurotransmissores inibitórios que age no cérebro; 
  • Glicina: é outro neurotransmissor inibitório, mas que é encontrado especialmente na medula espinhal;
  • Endorfina: está relacionado com a sensação de prazer e alívio da dor.

Os níveis de neurotransmissores normalmente variam de acordo com os estímulos que o cérebro recebe de diferentes partes do corpo, no entanto, existe um equilíbrio que permite o funcionamento adequado do organismo.

Qual é o neurotransmissor da felicidade?

A serotonina é o “hormônio da felicidade”, sendo conhecida dessa forma porque seus níveis no cérebro regulam sensações como satisfação, felicidade e otimismo. Dessa forma, em caso de depressão, por exemplo, é comum que os níveis de serotonina estejam baixos. Entenda melhor para que serve a serotonina.

Funções no organismo

Os neurotransmissores regulam funções no organismo, como:

  • Desenvolvimento do cérebro, antes do nascimento;
  • Aprendizado, sendo importante para regular a atenção, permitir a organização de informações e memorização, por exemplo;
  • Controle das emoções e humor, como tristeza e felicidade;
  • Controle do movimento, permitindo a sua realização, por exemplo;
  • Funcionamento de órgãos, como coração, intestino e bexiga;
  • Sensações, como dor, sono, fome e prazer.

Além disso, os neurotransmissores são importantes para a transmissão de impulsos nervosos, que permitem a comunicação entre as diferentes partes do sistema nervoso.

Tipos de neurotransmissores

De acordo com seus efeitos, os neurotransmissores podem ser classificados em:

Excitatórios

Os neurotransmissores excitatórios são aqueles que estimulam o funcionamento das células com que interagem, sendo alguns exemplos o glutamato e a acetilcolina.

Inibitórios

Os neurotransmissores inibitórios agem inibindo o funcionamento das células que os recebem, sendo o ácido gama-aminobutírico e a glicina os principais exemplos de neurotransmissores inibitórios.

Doenças causadas por alterações nos neurotransmissores

Algumas doenças comuns causadas por desequilíbrios dos neurotransmissores são:

  • Epilepsia;
  • TDAH;
  • Depressão;
  • Ansiedade;
  • Insônia.

Além disso, os desequilíbrios dos neurotransmissores também podem causar outras doenças, como a doença de Parkinson, doença de Alzheimer, esquizofrenia e psicose, por exemplo, sendo importante procurar um neurologista ou psiquiatra em caso de suspeita.

Esta informação foi útil?

Atualizado e revisto clinicamente por Dr. Gonzalo Ramirez - Psicólogo e Clínico Geral, em dezembro de 2022.

Bibliografia

  • STATPEARLS. Biochemistry, Serotonin. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK560856/>. Acesso em 27 dez 2022
  • DFARHUD, Dariush; MALMIR, Maryam; KHANAHMADI, Mohammad. Happiness & Health: The Biological Factors- Systematic Review Article. Iran J Public Health. Vol.43, n.11. 1468–1477, 2014
Mostrar bibliografia completa
  • STATPEARLS. Physiology, Synapse. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK526047/>. Acesso em 27 dez 2022
  • HALL, John E. et al. Guyton & Hall Tratado de Fisiologia Médica. 13.ed. São Paulo – SP: Elsevier Editora Ltda, 2017.
  • STATPEARLS. Physiology, Acetylcholine. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK557825/>. Acesso em 27 dez 2022
  • STATPEARLS. Biochemistry, Endorphin. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK470306/>. Acesso em 27 dez 2022
  • STATPEARLS. Physiology, Neurotransmitters. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK539894/>. Acesso em 27 dez 2022
Revisão médica:
Dr. Gonzalo Ramirez
Psicólogo e Clínico Geral
Clínico geral pela UPAEP com cédula profissional nº 12420918 e licenciado em Psicologia Clínica pela UDLAP nº 10101998.