Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Mucosite: o que é, sintomas e opções de tratamento

Atualizado em Outubro 2019

A mucosite é a inflamação das mucosas gastrointestinais que normalmente está associada ao tratamento com quimioterapia ou radioterapia, sendo um dos efeitos colaterais mais frequentes em pacientes que estão fazendo o tratamento do câncer.

Uma vez que as mucosas revestem todo o trato digestivo desde a boca até o ânus, os sintomas podem variar de acordo com o local mais afetado, mas o mais comum é que a mucosite surja na boca, chamada de mucosite oral, e cause desconfortos como feridas na boca, gengivas inchadas e muita dor ao comer, por exemplo.

Dependendo do grau da mucosite o tratamento pode passar por fazer pequenas alterações na consistência dos alimentos e usar géis orais anestésicos, até fazer adequações no tratamento do câncer e, nos casos mais graves, internamento no hospital para administração de medicamentos e alimentação na veia, de acordo com orientação do oncologista.

Mucosite: o que é, sintomas e opções de tratamento

Principais sintomas

Os sintomas de mucosite variam de acordo com o local do trato gastrointestinal afetado, da saúde geral da pessoa e do grau da mucosite. No entanto, os sintomas mais comuns incluem:

  • Inchaço e vermelhidão das gengivas e do revestimento da boca;
  • Dor ou sensação de queimação na boca e garganta;
  • Dificuldade para engolir, falar ou mastigar;
  • Presença de feridas e sangue na boca;
  • Excesso de saliva na boca.

Estes sintomas geralmente surgem 5 a 10 dias depois do início do ciclo de quimioterapia e/ou radioterapia, mas podem se manter por até 2 meses, devido à diminuição da quantidade das células brancas do sangue.

Além disso, se a mucosite afetar o intestino, podem surgir outros sinais e sintomas como dor abdominal, diarreia, sangue nas fezes e dor ao evacuar, por exemplo.

Nos casos mais graves, a mucosite pode também levar ao surgimento de uma camada espessa branca, que acontece quando os fungos se conseguem desenvolver em excesso na boca.

Quem tem maior risco de mucosite

A mucosite é muito frequente em pessoas que estão fazendo tratamento do câncer com quimioterapia e/ou radioterapia, mas isso não significa que todas as pessoas a fazer este tipo de tratamentos desenvolva mucosite. Alguns fatores que parecem aumentar o risco de desenvolver este efeito colateral incluem ter má higiene bucal, ser fumante, beber pouca água durante o dia, ter pouco peso ou ter algum problema crônico, como doenças renais, diabetes ou infecção por HIV.

Principais graus de mucosite

De acordo com a OMS, a mucosite pode ser dividida em 5 graus:

  • Grau 0: não existem alterações na mucosa;
  • Grau 1: é possível observar vermelhidão e inchaço da mucosa;
  • Grau 2: existe presença de pequenas feridas e a pessoa pode ter dificuldade para ingerir sólidos;
  • Grau 3: existem feridas e a pessoa apenas consegue ingerir líquidos;
  • Grau 4: não é possível fazer alimentação oral, sendo necessário internamento.

A identificação do grau de mucosite é feita pelo médico e ajuda a determinar o melhor tipo de tratamento.

Como é feito o tratamento

Os tratamentos usados para tratar um caso de mucosite podem variar de acordo com os sintomas e o grau da inflamação e, em geral, servem apenas para aliviar os sintomas, de forma a que a pessoa possa se alimentar mais facilmente e sinta menos desconforto durante o dia.

Uma medida que é sempre estimulada, independente da gravidade da mucosite, é a adoção de práticas de higiene bucal adequadas, que pode ser apenas o uso, 2 a 3 vezes por dia, de um enxaguante bucal indicado pelo médico, para desinfectar as feridas e evitar o desenvolvimento de infecções. Quando isso não é possível, uma solução caseira pode passar por enxaguar a boca com uma mistura de água morna com sal, por exemplo.

Além disso, é importante ter alguma atenção com a dieta, que deve conter alimentos fáceis de mastigar e pouco irritantes. Assim, deve-se evitar os alimentos quentes, muito duros, como tostas ou amendoim; muito picantes, como a pimenta; ou que contenham algum tipo de ácido, como o limão ou a laranja, por exemplo. Uma boa solução consiste em fazer purês de algumas frutas, por exemplo.

Confira a seguir algumas dicas de nutrição que podem ajudar:

TRATAMENTO do CÂNCER: como aliviar os EFEITOS COLATERAIS

36 mil visualizações

Nos casos em que estas medidas não são suficientes, o médico pode ainda receitar a ingestão de analgésicos ou até a aplicação de algum gel anestésico, que possam aliviar a dor e permitir que a pessoa se alimente mais facilmente.

Nos casos mais graves, quando a mucosite é de grau 4, por exemplo, e impede a pessoa de se alimentar, o médico pode aconselhar o internamento, para que a pessoa faça remédios diretamente na veia, assim como alimentação parenteral, na qual os nutrientes são administrados diretamente na corrente sanguínea. Saiba melhor como funciona a alimentação parenteral.

Bibliografia >

  • MORAIS, Teresa M. N.; SILVA, António. Fundamentos da Odontologia em Ambiente Hospitalar/UTI. São Paulo: Elsevier, 2015. 96-97.
  • THE ORAL CANCER FUNDATION. Mucositis. Disponível em: <https://oralcancerfoundation.org/complications/mucositis/>. Acesso em 15 Out 2019
  • Prevention And Treatment Of Oral Mucositis In Cancer Patients. Best Practice. Vol.2. 1-6, 1998
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva aqui para que possamos melhorar o texto. Não lhe iremos responder directamente. Se quiser uma resposta clique em Contato.

Mais sobre este assunto:


Publicidade

LIVE | Saúde da Prostata

A Tatiana e o Manuel vão estar te esperando num encontro informal para falar tudo sobre problemas na próstata.

A sua presença vai fazer o evento ser mais especial.

Se inscreva e receba uma notificação quando começar, para não perder nenhum minuto.

Inscreva-se
* Não perca a oportunidade de fazer perguntas e participar deste momento em homenagem ao Novembro Azul.

Estamos ao vivo agora! Vem falar com a gente!

A Tati e o Manuel falam sobre problemas na próstata, o preconceito dos homens a respeito do exame de toque retal, e até sobre impotência sexual, que pode ser um complicação da detecção tardia desse tipo câncer.

Participe agora
* Vamos responder todas as perguntas que chegarem, sem tabus. Estamos te esperando!
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem