Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

O que é microalbuminúria, causas e o que fazer

A microalbuminúria é uma situação em que é verificada pequena alteração na quantidade de albumina presente na urina. A albumina é uma proteína que desempenha diversas funções no organismo e que, em condições normais, pouca ou nenhuma albumina é eliminada na urina, isso porque é uma proteína grande e que não é capaz de ser filtrada pelos rins.

No entanto, em algumas situações pode haver aumento da filtração da albumina, sendo então eliminada na urina e, por isso, a presença dessa proteína pode ser indicativa de lesão nos rins. Idealmente os níveis de albumina na urina são até 30 mg/24 horas de urina, no entanto quando são verificados níveis entre 30 e 300 mg/24h é considerada microalbuminúria e, em alguns casos, marcador precoce de lesão no rim. Conheça mais sobre a albuminúria.

O que é microalbuminúria, causas e o que fazer

O que pode causar microalbuminúria

A microalbuminúria pode acontecer quando há alterações no organismo que alteram a taxa de filtração glomerular e da permeabilidade e da pressão dentro do glomérulo, que é uma estrutura localizada nos rins. Essas alterações favorecem a filtração da albumina, que acaba por ser eliminada na urina. Algumas das situações em que pode ser verificada a microalbuminúria são:

  • Diabetes descompensada ou não tratada, isso porque a presença de grandes quantidades de açúcar na circulação pode levar à inflamação dos rins, resultado em lesão e alteração de sua função;
  • Hipertensão, pois o aumento da pressão pode favorecer o desenvolvimento de lesões nos rins que pode resultar, ao longo do tempo, em insuficiência renal;
  • Doenças cardiovasculares, isso porque pode haver alteração na permeabilidade dos vasos, o que pode favorecer a filtração dessa proteína e eliminação na urina;
  • Doença renal crônica, já que há alteração na atividade dos rins, o que pode estimular a liberação da albumina na urina;
  • Alimentação rica em proteína, pois pode haver sobrecarga nos rins, aumentando a pressão no glomérulo e favorecendo a eliminação de albumina na urina.

Caso seja verificada a presença de albumina na urina que seja indicativo de microalbuminúria, o clínico geral ou nefrologista pode indicar a repetição do exame, para confirmar a microalbuminúria, além de solicitar a realização de outros exames que avaliam a função dos rins, como dosagem de creatinina na urina de 24 horas e taxa de filtração glomerular, sendo então possível verificar se os rins estão filtrando mais do que o normal. Entenda o que é a taxa de filtração glomerular e como entender o resultado.

O que fazer

É importante que seja identificada a causa associada à microalbuminúria para que possa ser indicado o tratamento mais adequado e seja possível prevenir lesões mais graves nos rins que possam interferir no seu bom funcionamento.

Assim, caso a microalbuminúria seja consequência da diabetes ou hipertensão, por exemplo, o médico pode recomendar o uso de medicamentos que ajudem a tratar essas condições, além de ser recomendado realizar a monitorização dos níveis de glicose e da pressão sanguínea regularmente.

Além disso, no caso da microalbuminúria ser consequência do consumo excessivo de proteínas, é importante que a pessoa consulte um nutricionista para que sejam feitas alterações na alimentação de forma a evitar a sobrecarga nos rins.

Bibliografia >

  • MINISTÉRIO DA SAÚDE. Qual o valor da microalbuminuria em amostra isolada para acompanhamento de lesão renal no paciente diabético, comparado com a microalbuminuria em urina de 24 horas?. Disponível em: <https://aps.bvs.br/aps/qual-o-valor-da-microalbuminuria-em-amostra-isolada-para-acompanhamento-de-lesao-renal-no-paciente-diabetico-comparado-com-a-microalbuminuria-em-urina-de-24-horas/>. Acesso em 15 Jul 2020
  • SINGH, Anurag; SATCHELL, Simon C. Microalbuminuria: causes and implications. Pediatr Nephrol. Vol 26. 11 ed; 1957-1965, 2011
  • GUYTON Arthur, HALL John. Tratado de fisiologia médica. 13º. Brasil: Elsevier, 2017. 366-367.
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem