Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Micose na virilha: tratamento, sintomas e contágio

A micose é uma infecção de pele por fungos, sendo muito comum na virilha, pois é uma região que acumula calor e umidade mais facilmente. Ela acontece principalmente em homens, apesar de também poder surgir em mulheres, sendo frequente em pessoas que praticam esportes, que suam muito, obesos ou pessoas com diabetes descompensada, pois são situações que facilitam a proliferação de bactérias nas dobras da pele. 

Para tratar esta infecção, o clínico geral ou dermatologista podem indicar um remédio antifúngico em pomada, como por exemplo o Miconazol, Cetoconazol, Clotrimazol ou Terbinafina. Entretanto, tratamentos caseiros são indicados para facilitar a recuperação e impedir a recontaminação, como usar talco em lesões úmidas, secar-se bem após o banho, não usar roupas apertadas e nunca permanecer com roupa íntima molhada.

O tipo de micose da virilha mais comum é a Tinha, ou Tinea cruris, caracterizada por causar mancha avermelhada ou acastanhada, que coça e pode apresentar áreas de descamação ou bolhas ao redor da lesão.

Foto de micoseFoto de micose
Foto de micoseFoto de micose

Tratamento com pomada

A principal forma de tratamento para acabar com a micose da virilha é o uso de pomadas antifúngicas, como Terbinafina, Miconazol, Imidazol, Clotrimazol, Fluconazol ou Cetoconazol, por exemplo.

Estes medicamentos também podem se apresentar nas formas de creme, loção ou spray, para facilitar a aplicação sobre a área afetada, de acordo com a necessidade de cada pessoa, e devem ser utilizados por 3 a 4 semanas, ou conforme indicação do médico.

Além disso, também há a opção de antifúngicos em comprimidos, como Cetoconazol, Itraconazol, Fluconazol ou Terbinafina, que somente são indicados pelo médico em casos de lesões muito grandes ou quando não há melhora após uso correto das pomadas, durante 1 a 4 semanas.

Opções de tratamento caseiro

O tratamento caseiro da micose consiste em medidas que podem ser utilizadas juntas com o tratamento orientado pelo médico, jamais substituindo, pois previnem ou ajudam na recuperação da infecção mais rapidamente. Ele consiste em:

  • Utilizar talcos, que contenham antifúngicos ou não, para ajudar a secar lesões secretivas e diminuir a fricção da pele;
  • Não usar roupas muito justas ou que causam fricção da pele afetada;
  • Evitar o calor e umidade;
  • Lavar a região afetada com solução de chá de alho, várias vezes ao dia;
  • Fazer compressas com solução de chá de camomila, cerca de 3 vezes ao dia, caso a infecção tenha umidade;
  • Não permanecer com roupa íntima molhada;
  • Mudar de roupa diariamente e sempre que tomar banho;
  • Secar-se bem com a toalha após o banho, e não compartilhar toalhas.

Além disso, se houver animais na casa, é importante observá-los, já que também devem ser tratados se estiverem com micose, para evitar reinfecções.

Micose na virilha: tratamento, sintomas e contágio

Principais sintomas

Os sintomas da micose na virilha, geralmente, são os sintomas infecção pela Tinha cruris, caracterizados por:

  • Mancha avermelhada ou acastanhada na virilha, com aspecto de estar descascando;
  • Coceira na virilha;
  • Aparecimento de bolhas na extremidade da mancha.

Além disso, caso os sintomas sejam acompanhados de secreção intensa, feridas ou cheiro fétido, pode se tratar de micose por Candida. Saiba identificar e tratar a candidíase da pele

Como acontece o contágio da micose na virilha

A micose na virilha, geralmente, aparece devido ao uso de roupa íntima apertada, excesso de suor, má higiene pessoal, uso de roupa íntima molhada durante muito tempo, uso compartilhado de toalhas, roupas íntimas ou lençóis, ou relações sexuais com um indivíduo com micose. Também comum que um indivíduo com pé-de-atleta fique com micose na virilha por tocar ou mexer nos pés e depois na virilha sem antes lavar as mãos.

Além disso, as pessoas com maior chance de desenvolver essa infecção são pessoas obesas, já que apresentam dobras mais profundas, esportistas, que ficam em contato com suor e umidade frequentemente, além de diabéticos descontrolados, que apresentam maior chance de desenvolver infecções e maior dificuldades na cicatrização.

Mais sobre este assunto:


Carregando
...