Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

O que é mastocitose, tipos, sintomas e tratamento

A mastocitose é uma doença rara caracterizada pelo aumento e acúmulo de mastócitos na pele e outros tecido do corpo, levando ao aparecimento de manchas e pequenos pontinhos castanho-avermelhados na pele e que coçam bastante, principalmente quando há alterações na temperatura e quando a pele entra em contato com a roupa, por exemplo.

Os mastócitos são células produzidas na medula óssea, que são encontrados em vários tecidos do corpo e e que também podem estar relacionadas com a resposta imunológica, principalmente nas resposta alérgica. No entanto, diferentemente das alergias, a os sinais e sintomas de mastocitose são crônicos e não estão relacionados com fatores desencadeantes.

É importante que a mastocitose seja identificada e tratada de acordo com as orientações do médico, isso porque em alguns casos também pode estar relacionada com outras alterações graves do sangue, como leucemia aguda, linfoma, neutropenia crônica e alterações mieloproliferativas.

O que é mastocitose, tipos, sintomas e tratamento

Tipos de mastocitose

A mastocitose acontece quando os mastócitos proliferam e acumulam no organismo e, de acordo com o local em que essas células são acumuladas, a mastocitose pode ser classificada em:

  • Mastocitose cutânea, em que os mastócitos ficam acumulados na pele, levando ao aparecimento de sinais e sintomas cutâneos, sendo mais frequente em crianças;
  • Mastocitose sistêmica, em que os mastócitos acumulam-se em outros tecidos do corpo, principalmente na medula óssea, interferindo na produção de células sanguíneas. Além disso, nesse tipo de mastocitose, os mastócitos podem acumular-se no fígado, baço, linfonodos e estômago, podendo interferir, em alguns casos, no funcionamento do órgão.

A partir do momento em que há maior quantidade de mastócitos no local, surgem sinais e sintomas indicativos de doença, sendo importante consultar o médico para que sejam feitos exames para concluir o diagnóstico e iniciar o tratamento adequado.

Sinais e sintomas de mastocitose

Os sinais e sintomas de mastocitose podem variar de acordo com o tipo e estão relacionados com a concentração de histamina circulante. Isso porque os mastócitos são constituídos por grânulos que liberam histamina. Assim, quanto maior a concentração de mastócitos, maior a concentração de histamina, levando aos sinais e sintomas de mastocitose, cujos principais são:

  • Urticária pigmentosa, que são pequenos pontinhos castanho-avermelhados na pele e que podem coçar;
  • Úlcera péptica;
  • Dor de cabeça;
  • Palpitações;
  • Vômitos;
  • Diarreia crônica;
  • Dor abdominal;
  • Sensação de tontura ao levantar-se;
  • Lábios e pontas dos dedos dormentes.

Em alguns casos, os sintomas de mastocitose podem piorar quando há mudanças na temperatura, após consumo de alimentos ou bebidas muito quentes ou picantes, após realização de exercícios, após contato com roupas ou como consequência do uso de alguns medicamentos.

O diagnóstico da mastocitose é feito por meio de exames de sangue que têm como objetivo identificar os níveis de histamina e prostaglandina D2 no sangue, que deve ser colhida logo após a crise, ou na urina de 24 horas.

Além disso, no caso da mastocitose cutânea, pode ser feito também um exame histológico, em que é recolhida uma pequena amostra da lesão que é enviada para o laboratório para que seja analisada e seja verificada se há quantidades aumentadas de mastócitos no tecido.

Como é o tratamento

O tratamento para a mastocitose deve ser orientado pelo imunoalergologista ou clínico geral de acordo com os níveis de histamina circulantes, histórico de saúde da pessoa e sinais e sintomas apresentados.

Na maioria dos casos, o médico pode indicar o uso de medicamentos para aliviar os sintomas, principalmente anti-histamínicos e cremes e pomadas com corticoides. No entanto quando os sintomas são mais graves, principalmente quando se trata da mastocitose sistêmica o tratamento pode ser mais complicado, podendo em alguns casos ser necessário realizar cirurgia.

Bibliografia >

  • MALUF, Luciana C.; BARROS, Jefferson Alfredo B.; FILHO, Carlos DA. S. M. Mastocitose. An Bras Dermatol. Vol 84. 3 ed; 213-215, 2009
  • SANTOS, Guilherme C.; MELO, José Renan C. Rev Méd Minas Gerais. Mastocitose Sistêmica – Relato de Caso. vOL 20. 437-441, 2010
  • Bolognia, Jean L. et al. Dermatologia. 3. ed. . Rio de Janeiro: Elsevier, 2015. p. 1992-2002.
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.


Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem