Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Células tronco: o que são, tipos e para que servem

As células tronco são células que não sofreram diferenciação celular e possuem capacidade de autorrenovação e de originar vários tipos de células, resultando em células especializadas responsáveis por constituir os diversos tecidos do corpo.

Devido a sua capacidade de autorrenovação e especialização, as células tronco podem ser utilizadas no tratamento de diversas doenças, como mielofibrose, talassemia e anemia falciforme, por exemplo.

Células tronco: o que são, tipos e para que servem

Tipos de células tronco

As células tronco podem ser classificadas em dois tipos principais:

  1. Células tronco embrionárias: São formadas no início do desenvolvimento embrionário e possuem grande capacidade de diferenciação, podendo dar origem a qualquer tipo de célula, o que resulta na formação de células especializadas;
  2. Células tronco não embrionárias ou adultas: São células que não sofreram processo de diferenciação e são responsáveis por renovar todos os tecidos do corpo. Esse tipo de célula pode ser encontrado em qualquer local do corpo, mas principalmente no cordão umbilical e na medula óssea. As células tronco adultas podem ser diferenciadas em dois grandes grupos: as células tronco hematopoiéticas, que são responsáveis por dar origem às células do sangue, e as mesenquimais, que dá origem às cartilagens, músculos e tendões, por exemplo.

Além das células tronco embrionárias e adultas, há ainda as células tronco induzidas, que são aquelas produzidas em laboratório e que são capazes de se diferenciar em vários tipos de células.

Como é feito o tratamento com células-tronco

As células tronco estão presentes naturalmente no organismo e são necessárias para a produção de novas células e regeneração dos tecidos. Além disso, podem ser utilizadas para tratar diversas doenças, sendo as principais:

  • Doença de Hodgkin, Mielofibrose ou alguns tipos de Leucemia;
  • Beta talassemia;
  • Anemia falciforme;
  • Doença de Krabbe, Doença de Günther ou Doença de Gaucher, que são doenças relacionadas com o metabolismo;
  • Imunodeficiências como a Doença Granulomatosa Crônica;
  • Deficiências relacionadas com a medula como alguns tipos de anemia, neutropenia ou síndrome de Evans;
  • Osteopetrose.

Além disso, algumas pesquisas indicam que as células-tronco apresentam potencial para serem utilizadas no tratamento de doenças que ainda não tem cura ou tratamentos eficazes, como Alzheimer, Parkinson, Paralisia Cerebral, AIDS, Artrite Reumatoide e Diabetes tipo 1. Entenda como é feito o tratamento com células tronco.

Células tronco: o que são, tipos e para que servem

Por que guardar as células-tronco?

Devido à possibilidade de ser utilizada no tratamento de diversas doenças, as células-tronco podem ser coletadas e preservadas em temperaturas muito baixas para que possam ser utilizadas pelo bebê ou pela família quando houver necessidade.

O processo de recolha e armazenamento das células tronco recebe o nome de criopreservação e deve ser informado antes do parto o desejo da coleta e preservação dessas células. Após o parto, as células tronco do bebê podem ser obtidas a partir do sangue, cordão umbilical ou medula óssea. Após a coleta, as células tronco são armazenadas em temperaturas negativas muito baixas, permitindo que fiquem disponíveis a qualquer momento por cerca de 20 a 25 anos.

As células criopreservadas normalmente ficam armazenadas em laboratórios especializados em histocompatibilidade e criopreservação, que geralmente fornecem planos pagos para a preservação das células por 25 anos, ou em banco público através do programa da Rede BrasilCord, em que as células são doadas para a sociedade, podendo ser usadas para o tratamento de doenças ou investigação.

Vantagens de guardar as células-tronco

Guardar as células-tronco do cordão umbilical do bebê pode ser útil para tratar doenças que o bebê ou a sua família direta possam ter. Assim, as vantagens da criopreservação incluem:

  1. Proteger o bebê e a família: no caso de haver a necessidade de fazer um transplante destas células, a sua conservação reduz as chances de rejeição para o bebê, existindo também a possibilidade destas poderem ser usadas para tratar algum familiar direto que possa precisar, como irmão ou primo, por exemplo.
  2. Permite a disponibilidade imediata de células para transplante em caso de necessidade;
  3. Método de recolha simples e sem dor, sendo efetuado logo a seguir ao parto e não causa dor à mãe ou ao bebê.

As mesmas células podem ser obtidas através da medula óssea, porém as chances de encontrar um doador compatível são menores, além do procedimento para recolher as células ter riscos, sendo necessário realizar uma cirurgia.

A Criopreservação de células tronco durante o parto é um serviço que pode ter um elevado custo e a decisão de utilizar ou não este serviço deve ser discutida com o médico, para que os recentes pais possam tomar a melhor decisão para o seu bebê. Além disso, as células-tronco servem não só para tratar futuras doenças que o bebê possa ter, como também pode servir para tratar doenças de membros diretos da família, como irmão, pai ou primo.

Gostou do que leu?   
Sim  /  Não

Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva aqui para que possamos melhorar o texto.

Enviar Carregando elementos na página
Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...
Fechar