Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

O que é o licopeno, para que serve e principais fontes alimentares

O licopeno é um pigmento carotenoide responsável pela cor vermelha-alaranjada de alguns alimentos, como tomate, mamão, goiaba e melancia, por exemplo. Essa substância possui propriedades antioxidantes, protegendo as células dos efeitos dos radicais livres, e, por isso, pode prevenir o desenvolvimento de alguns tipos de câncer, principalmente o de próstata, mama e pâncreas, por exemplo.

Além de prevenir o aparecimento do câncer, o licopeno também impede a oxidação do colesterol LDL, diminuindo o risco de aterosclerose e, consequentemente, de doenças cardiovasculares. 

O que é o licopeno, para que serve e principais fontes alimentares

Para que serve o licopeno

O licopeno é uma substância com elevada capacidade antioxidante, equilibrando a quantidade de radicais livres no organismo e prevenindo o estresse oxidativo. Além disso, o licopeno protege algumas moléculas, como os lipídios, o colesterol LDL, as proteínas e o DNA contra processos degenerativos que podem acontecer devido a grande quantidade de radicais livres circulantes e levar ao desenvolvimento de algumas doenças crônicas, como câncer, diabetes e doenças cardíacas. Dessa forma, o licopeno possui diversos benefícios para a saúde e serve para várias situações, sendo as principais:

  • Prevenir o câncer, incluindo o câncer de mama, pulmão, ovário, rins, bexiga, pâncreas e próstata, isso porque evita que o DNA das células sofram alterações devido à presença dos radicais livres, evitando que exista transformação maligna e proliferação das células cancerígenas. Um estudo realizado in vitro verificou que o licopeno foi capaz de diminuir a taxa de crescimento dos tumores da mama e da próstata. Um estudo observacional realizado com pessoas também demonstrou que o consumo de carotenoides, incluindo licopenos, foi capaz de diminuir em até 50% o riso de desenvolvimento de câncer de pulmão e de próstata;
  • Proteger o organismo contra substâncias tóxicas: foi demonstrado em um estudo que o consumo regular e em quantidades ideais de licopeno foi capaz de proteger o organismo contra a ação de pesticidas e herbicidas, por exemplo;
  • Diminuir o risco de doenças cardíacas, já que impede a oxidação do LDL, que é responsável pela formação das placas da aterosclerose, que é um dos fatores de risco para o desenvolvimento de doenças cardíacas. Além disso, o licopeno é capaz de aumentar a concentração de HDL, que é conhecido como bom colesterol e que promove a saúde do coração, sendo, por isso, capaz de regular as taxas de colesterol;
  • Proteger o corpo contra os efeitos da radiação ultravioleta do sol: foi realizado um estudo em que o grupo de estudo foi divido em dois, um que consumiu 16 mg de licopeno, e o outro que consumiu o placebo foram expostos ao sol. Ao fim de 12 semanas, foi verificado que o grupo que havia consumido o licopeno apresentava lesões na pele menos severas do que aqueles que fizeram uso do placebo. Essa ação do licopeno pode ser ainda mais eficaz quando o seu consumo é associado ao consumo de beta-carotenos e vitaminas E e C;
  • Prevenir o envelhecimento da pele, uma vez que um dos fatores de influenciam o envelhecimento é a quantidade de radicais livres circulantes no corpo, o que é regulado e combatido pelo licopeno;
  • Prevenir o desenvolvimento de doenças oculares: foi descrito em estudos que o licopeno ajudava na prevenção do desenvolvimento de doenças oculares, como a catarata e a degeneração macular, evitando a cegueira e melhorando a visão.

Além disso, alguns estudos demonstraram que o licopeno também ajudava na prevenção da doença de Alzheimer, isso porque possui propriedades antioxidantes, prevenindo o acontecimento de convulsões e perda de memória, por exemplo. O licopeno também diminui a taxa de morte das células ósseas, prevenindo o desenvolvimento da osteoporose.

Principais alimentos ricos em licopeno

A tabela a seguir traz alguns alimentos que são ricos em licopeno e que podem ser incluídos na alimentação do dia a dia:

AlimentosQuantidade em 100 g
Tomate cru2,7 mg
Molho de tomate caseiro21,8 mg
Tomate seco45,9 mg
Tomate enlatado2,7 mg
Goiaba5,2 mg
Melancia4,5 mg
Mamão1,82 mg
Toranja1,1 mg
Cenoura5 mg

Além de poder ser encontrado nos alimentos, o licopeno também pode ser utilizado na forma de suplemento, no entanto é importante que seja indicado pelo nutricionista e usado de acordo com a sua orientação. 

Bibliografia >

  • MAHAN, L. Kathleen et al. Krause: Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. 13.ed. São Paulo: Elsevier Editora, 2013. 287.
  • PELISSARI, Franciele Maria; RONA, Maria Stella S.; MATIOLI, Graciette. O licopeno e suas contribuições na prevenção de doenças. Arq Mudi. Vol 12. 1 ed; 5-11, 2008
  • JUNIOR, Hernani P. L.; BRUNELLI, Marcela J.; LEMOS, André Luis A. Licopeno. Diagn Tratamento. Vol 16. 2 ed; 71-74, 2011
  • FIEDOR, Joanna; BURDA, Kvetoslava. Potential Role of Carotenoids as Antioxidants in Human Health and Disease. Nutrients. Vol 6. 2 ed; 466-468, 2014
  • MOZOS, Ioana et al. Lycopene and Vascular Health. Front Pharmacol. Vol 9. 2018
  • ASSAR, Emelia A. et al. Lycopene Acts Through Inhibition of IκB Kinase to Suppress NF-κB Signaling in Human Prostate and Breast Cancer Cells. Tumour Biol. Vol 37. 7 ed; 9375-9385, 2016
  • SAHIN, Kazim. Lycopene in the Prevention of Renal Cell Cancer in the TSC2 Mutant Eker Rat Model. Arch Biochem Biophys. 36-39, 2015
  • CHEN, Ping. Lycopene and Risk of Prostate Cancer: A Systematic Review and Meta-Analysis. Medicine (Baltimore). Vol 94. 33 ed; 2015
  • VOUTILAINEN, Sari et al. Carotenoids and Cardiovascular Health. Am J Clin Nutr. Vol 83. 6 ed; 1265-1271, 2006
  • PALOZZA, P. et al. Effect of Lycopene and Tomato Products on Cholesterol Metabolism. Ann Nutr Metab. Vol 61. 2 ed; 126-134, 2012
  • ASCENSO, Andreia et al. The Effect of Lycopene Preexposure on UV-B-Irradiated Human Keratinocytes. Oxid Med Cell Longev. 2016
  • BHARDWAJ, Manveen et al. Neuroprotective Effect of Lycopene Against PTZ-induced Kindling Seizures in Mice: Possible Behavioural, Biochemical and Mitochondrial Dysfunction. Phytother Res. Vol 30. 2 ed; 306-313, 2016
  • MORITZ, Bettina. Biodisponibilidade do licopeno. Rev. Nutr. Vol 19. 2 ed; 265-273, 2006
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem