Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

O que é o licopeno, para que serve e principais fontes alimentares

O licopeno é um pigmento carotenoide responsável pela cor vermelha-alaranjada de alguns alimentos, como tomate, mamão, goiaba e melancia, por exemplo. Essa substância possui propriedades antioxidantes, protegendo as células dos efeitos dos radicais livres, e, por isso, pode prevenir o desenvolvimento de alguns tipos de câncer, principalmente o de próstata, mama e pâncreas, por exemplo.

Além de prevenir o aparecimento do câncer, o licopeno também impede a oxidação do colesterol LDL, diminuindo o risco de aterosclerose e, consequentemente, de doenças cardiovasculares. 

O que é o licopeno, para que serve e principais fontes alimentares

Para que serve o licopeno

O licopeno é uma substância com elevada capacidade antioxidante, equilibrando a quantidade de radicais livres no organismo e prevenindo o estresse oxidativo. Além disso, o licopeno protege algumas moléculas, como os lipídios, o colesterol LDL, as proteínas e o DNA contra processos degenerativos que podem acontecer devido a grande quantidade de radicais livres circulantes e levar ao desenvolvimento de algumas doenças crônicas, como câncer, diabetes e doenças cardíacas. Dessa forma, o licopeno possui diversos benefícios para a saúde e serve para várias situações, sendo as principais:

  • Prevenir o câncer, incluindo o câncer de mama, pulmão, ovário, rins, bexiga, pâncreas e próstata, isso porque evita que o DNA das células sofram alterações devido à presença dos radicais livres, evitando que exista transformação maligna e proliferação das células cancerígenas. Um estudo realizado in vitro verificou que o licopeno foi capaz de diminuir a taxa de crescimento dos tumores da mama e da próstata. Um estudo observacional realizado com pessoas também demonstrou que o consumo de carotenoides, incluindo licopenos, foi capaz de diminuir em até 50% o riso de desenvolvimento de câncer de pulmão e de próstata;
  • Proteger o organismo contra substâncias tóxicas: foi demonstrado em um estudo que o consumo regular e em quantidades ideais de licopeno foi capaz de proteger o organismo contra a ação de pesticidas e herbicidas, por exemplo;
  • Diminuir o risco de doenças cardíacas, já que impede a oxidação do LDL, que é responsável pela formação das placas da aterosclerose, que é um dos fatores de risco para o desenvolvimento de doenças cardíacas. Além disso, o licopeno é capaz de aumentar a concentração de HDL, que é conhecido como bom colesterol e que promove a saúde do coração, sendo, por isso, capaz de regular as taxas de colesterol;
  • Proteger o corpo contra os efeitos da radiação ultravioleta do sol: foi realizado um estudo em que o grupo de estudo foi divido em dois, um que consumiu 16 mg de licopeno, e o outro que consumiu o placebo foram expostos ao sol. Ao fim de 12 semanas, foi verificado que o grupo que havia consumido o licopeno apresentava lesões na pele menos severas do que aqueles que fizeram uso do placebo. Essa ação do licopeno pode ser ainda mais eficaz quando o seu consumo é associado ao consumo de beta-carotenos e vitaminas E e C;
  • Prevenir o envelhecimento da pele, uma vez que um dos fatores de influenciam o envelhecimento é a quantidade de radicais livres circulantes no corpo, o que é regulado e combatido pelo licopeno;
  • Prevenir o desenvolvimento de doenças oculares: foi descrito em estudos que o licopeno ajudava na prevenção do desenvolvimento de doenças oculares, como a catarata e a degeneração macular, evitando a cegueira e melhorando a visão.

Além disso, alguns estudos demonstraram que o licopeno também ajudava na prevenção da doença de Alzheimer, isso porque possui propriedades antioxidantes, prevenindo o acontecimento de convulsões e perda de memória, por exemplo. O licopeno também diminui a taxa de morte das células ósseas, prevenindo o desenvolvimento da osteoporose.

Principais alimentos ricos em licopeno

A tabela a seguir traz alguns alimentos que são ricos em licopeno e que podem ser incluídos na alimentação do dia a dia:

AlimentosQuantidade em 100 g
Tomate cru2,7 mg
Molho de tomate caseiro21,8 mg
Tomate seco45,9 mg
Tomate enlatado2,7 mg
Goiaba5,2 mg
Melancia4,5 mg
Toranja1,1 mg
Cenoura5 mg

Além de poder ser encontrado nos alimentos, o licopeno também pode ser utilizado na forma de suplemento, no entanto é importante que seja indicado pelo nutricionista e usado de acordo com a sua orientação. 

Bibliografia >

  • MAHAN, L. Kathleen et al. Krause: Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. 13.ed. São Paulo: Elsevier Editora, 2013. 287.
  • PELISSARI, Franciele Maria; RONA, Maria Stella S.; MATIOLI, Graciette. O licopeno e suas contribuições na prevenção de doenças. Arq Mudi. Vol 12. 1 ed; 5-11, 2008
  • JUNIOR, Hernani P. L.; BRUNELLI, Marcela J.; LEMOS, André Luis A. Licopeno. Diagn Tratamento. Vol 16. 2 ed; 71-74, 2011
  • FIEDOR, Joanna; BURDA, Kvetoslava. Potential Role of Carotenoids as Antioxidants in Human Health and Disease. Nutrients. Vol 6. 2 ed; 466-468, 2014
  • MOZOS, Ioana et al. Lycopene and Vascular Health. Front Pharmacol. Vol 9. 2018
  • ASSAR, Emelia A. et al. Lycopene Acts Through Inhibition of IκB Kinase to Suppress NF-κB Signaling in Human Prostate and Breast Cancer Cells. Tumour Biol. Vol 37. 7 ed; 9375-9385, 2016
  • SAHIN, Kazim. Lycopene in the Prevention of Renal Cell Cancer in the TSC2 Mutant Eker Rat Model. Arch Biochem Biophys. 36-39, 2015
  • CHEN, Ping. Lycopene and Risk of Prostate Cancer: A Systematic Review and Meta-Analysis. Medicine (Baltimore). Vol 94. 33 ed; 2015
  • VOUTILAINEN, Sari et al. Carotenoids and Cardiovascular Health. Am J Clin Nutr. Vol 83. 6 ed; 1265-1271, 2006
  • PALOZZA, P. et al. Effect of Lycopene and Tomato Products on Cholesterol Metabolism. Ann Nutr Metab. Vol 61. 2 ed; 126-134, 2012
  • ASCENSO, Andreia et al. The Effect of Lycopene Preexposure on UV-B-Irradiated Human Keratinocytes. Oxid Med Cell Longev. 2016
  • BHARDWAJ, Manveen et al. Neuroprotective Effect of Lycopene Against PTZ-induced Kindling Seizures in Mice: Possible Behavioural, Biochemical and Mitochondrial Dysfunction. Phytother Res. Vol 30. 2 ed; 306-313, 2016
  • MORITZ, Bettina. Biodisponibilidade do licopeno. Rev. Nutr. Vol 19. 2 ed; 265-273, 2006
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem