Íngua na virilha: o que pode ser e o que fazer

outubro 2022

A íngua na virilha pode surgir devido a inflamações ou infecções região pélvica ou genital, causada por uma resposta do sistema imunológico para combater vírus, fungos ou bactérias, por exemplo, mas também pode surgir devido a doenças autoimunes ou câncer. 

Dependendo da sua causa, a íngua na virilha, que também é chamada de adenite ou linfadenite inguinal, pode ser acompanhada de outros sintomas, como sensibilidade ao toque, formação de pus, febre, perda de peso sem motivo aparente ou suor noturno.

É importante consultar o clínico geral quando a íngua no virilha não desaparece ao longo do tempo ou surgem outros sintomas, para que seja identificada sua causa e indicado o tratamento mais adequado.

As principais causas de íngua na virilha são:

1. Inflamação na pele

A inflamação na pele da região da virilha pode levar ao surgimento de íngua na virilha, que pode ser causada por irritações na pele devido ao uso de substâncias químicas, como sabonetes ou desodorante íntimo, ou por um pequeno ferimento que acontece depois da depilação, foliculite ou pelo encravado, por exemplo.

O que fazer: pode-se fazer uma compressa com água morna cerca de 3 vezes por dia, além de lavar bem a região com água morna e sabonete neutro. Dependendo da sua causa, o dermatologista pode indicar o uso de pomadas antibióticas.

2. Candidíase genital

A candidiase genital é uma infecção causada pelo fungo Candida albicans, que geralmente causa sintomas como coceira intensa, vermelhidão e corrimento esbranquiçado, mas também pode causar íngua na virilha, como resposta do sistema imunológico para combater a infecção.

A candidíase genital é mais comum em mulheres, geralmente causada por um desequilíbrio da flora vaginal devido a estresse, gravidez ou enfraquecimento do sistema imunológico, favorecendo o crescimento do fungo. No entanto, também pode surgir em homens, devido a maus hábitos de higiene, diabetes descompensada ou doenças autoimunes, por exemplo.

O que fazer: deve-se consultar o ginecologista, no caso de mulheres, ou urologista no caso dos homens, para que seja feito o diagnóstico e indicado o tratamento que geralmente é feito com o uso de remédios antifúngicos na forma de pomadas ou comprimidos, como o miconazol, fluconazol ou itraconazol, por exemplo. Confira os principais remédios para candidíase genital

3. Vaginose bacteriana

A vaginose bacteriana é uma infecção vaginal causada pela bactéria Gardnerella vaginalis, que se desenvolve excessivamente quando existe desequilíbrio da flora vaginal da mulher, causando sintomas como coceira intensa, queimação ao urinar, cheiro semelhante a peixe podre e corrimento branco ou acinzentado.

Além disso, a vaginose bacteriana pode levar ao surgimento de íngua na virilha, como tentativa do sistema imunológico para combater a infecção.

O que fazer: o tratamento da vaginose bacteriana deve ser feito com orientação do ginecologista, que pode indicar o uso de remédios na forma de pomadas ou óvulos, ou comprimidos para ingestão oral, como o metronidazol. Veja os principais remédios que podem ser indicados para a vaginose bacteriana.

4. Balanite 

A balanite é uma inflamação na cabeça do pênis, geralmente causada pela infecção pelo fungo Candida albicans, mas também pode acontecer por uma infecção bacteriana ou, simplesmente, devido a uma alergia.

Os sintomas mais comuns da balanite são vermelhidão, coceira e inchaço na cabeça do pênis, mas também pode causar o surgimento de íngua na virilha.

O que fazer: deve-se consultar o urologista para identificar a causa da balanite, podendo ser recomendado a higiene adequada da região, uso de cuecas de algodão que permitam que a pele respire, e em alguns casos, uso de pomadas corticoides, antibióticas ou antifúngicas, por exemplo. Confira as principais pomadas para balanite

4. Prostatite

A íngua na virilha em homens também pode surgir devido a prostatite, que é uma inflamação na próstata, geralmente causada por uma infecção por bactérias, como Escherichia coli, Klebsiella spp ou Proteus spp, mas que também pode ser causada por lesão ou cirurgia na região.

Além da íngua na virilha, a prostatite provoca sintomas como dor ao urinar, diminuição do jato de urina, dor na região entre o escroto e o reto, ou presença de sangue na urina e/ ou no esperma. Saiba identificar todos os sintomas da prostatite.

O que fazer: o tratamento da prostatite deve ser feito com orientação do urologista, que pode indicar o uso de uso de medicamentos analgésicos e anti-inflamatórios, para aliviar os sintomas, e o uso de antibióticos, caso seja confirmada a infecção por bactérias.

6. Infecções sexualmente transmissíveis

As infecções sexualmente transmissíveis, ou IST’s, como a herpes genital, clamídia, sífilis, gonorréia, linfogranuloma venéreo ou HIV, podem levar ao surgimento de íngua na virilha, devido a um inchaço e acúmulo de líquidos nos linfonodos, que são pequenas glândulas que fazem parte do sistema imunológico, responsáveis por remover vírus e bactérias, para combater a infecção.

Geralmente, a íngua na virilha causada por IST’s pode causar outros sintomas como corrimento, coceira, febre, dor ou queimação ao urinar, por exemplo. 

O que fazer: deve-se consultar o ginecologista, no caso de mulheres, ou o urologista, no caso de homens, para que sejam feitos exames para identificar o tipo de infecção sexualmente transmissível e o tratamento mais adequado de acordo com a causa da IST. Saiba como é feito o tratamento das IST’s

7. Varíola dos macacos

A varíola dos macacos, ou Monkeypox, é uma infecção causada pelo vírus do gênero Orthopoxvirus, resultando em sintomas, como bolhas e feridas na pele, que coçam e doem, febre e calafrios, sendo também comum surgir ínguas na virilha, além de inchaço no pênis e dor na região anal. Saiba identificar todos os sintomas da varíola dos macacos

A varíola dos macacos pode ser transmitida de pessoa para pessoa por meio do contato com secreções respiratórias, contato direto com as secreções das bolhas e feridas, contato com objetos contaminados, ou contato com lesões na região genital, que também aumentam o risco de transmissão através da relação sexual.

O que fazer: deve-se consultar o clínico geral ou infectologista, para confirmar o diagnóstico e indicar o tratamento com antivirais, como o tecovirimat, ou remédios para aliviar os sintomas como paracetamol ou dipirona, por exemplo. Além disso, o médico deve recomendar isolamento para evitar a transmissão da doença para outras pessoas. 

8. Tinea cruris

A Tinea cruris é uma micose superficial da pele, que afeta a pele sem pêlo, principalmente virilha e região pubiana, resultando em sintomas como placas vermelhas que coçam muito, podendo também haver o aparecimento de bolhas no local ou íngua na virilha.

Essa micose é causada principalmente pelos fungos Trichophyton rubrum e Trichophyton mentagrophytes, que podem se multiplicar na pele devido a suor excessivo, uso de roupas muito quentes, higiene inadequada, diabetes mellitus e sistema imunológico comprometido.

O que fazer: o tratamento da Tinea cruris deve ser orientado pelo dermatologista que pode indicar o uso de pomadas ou comprimidos antifúngicos, como miconazol, clotrimazol ou terbinafina, por exemplo. Além disso, deve-se manter a região sempre limpa e seca, e evitar o uso de roupas muito apertadas.

9. Linfoma

A íngua na virilha pode surgir devido ao linfoma, que é um tipo de câncer dos linfonodos, levando ao surgimento de íngua ou caroço na virilha, que não some após 1 ou 2 meses e não para de crescer.

Geralmente, neste tipo de câncer outros sintomas podem estar presentes além da íngua na virilha, como febre, suor noturno, cansaço excessivo e emagrecimento sem motivo aparente.

O que fazer: deve-se consultar o clínico geral, o hematologista ou o oncologista para que sejam feitos exames de sangue, tomografia ou PET-CT, por exemplo, para identificar o tipo de linfoma, e iniciar o tratamento mais adequado, que geralmente é feito com quimioterapia ou radioterapia. Confira todas as opções de tratamento para o linfoma

10. Doenças autoimunes

As doenças autoimunes, como lúpus ou artrite reumatoide, afetam gravemente o sistema imune e, por isso, as células de defesa podem se acumular nos gânglios linfáticos, provocando a sua inflamação e o surgimento das ínguas.

Nestes casos, as ínguas podem aparecer em vários locais do corpo, além da virilha, e também é comum o aparecimento de outros sintomas como dor muscular, náuseas, vômitos e suores noturnos.

O que fazer: se existir suspeitas de estar com uma doença autoimune é aconselhado ir no clínico geral ou reumatologista para fazer exames gerais e iniciar o tratamento adequado, se necessário.

11. Tuberculose ganglionar

A tuberculose ganglionar é uma doença infecciosa, causada pela bactéria Mycobacterium tuberculosis, pode levar ao surgimento de Ínguas na virilha, podendo também estar presentes na no pescoço, nuca, tórax ou axilas.

Esse tipo de tuberculose é mais comum em pessoas com infecção pelo vírus do HIV e em mulheres com idade entre os 20 e os 40 anos. Entenda melhor o que é a tuberculose ganglionar

O que fazer: deve-se consultar o pneumologista, infectologista ou clínico geral, que pode indicar o tratamento com antibióticos, como rifampicina, isoniazida ou pirazinamida, por no mínimo 6 meses.

12. Celulite bacteriana

A celulite bacteriana é uma infecção de pele, causada por bactérias do tipo Staphylococcus ou Streptococcus que contaminam as camadas mais profundas da pele, podendo afetar a virilha, por exemplo, após uma lesão, como uma ferida, corte, picada de inseto ou doenças de pele como eczema, dermatite ou micose.

Este tipo de infecção normalmente causa inchaço, dor e calor no local, vermelhidão, além de poder estar associado a febre, calafrios e fraqueza.

O que fazer: o tratamento da celulite bacteriana é feito com orientação do clínico geral ou infectologista, com o uso de antibióticos na forma de comprimidos ou na veia. Veja como é feito o tratamento da celulite bacteriana.  

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em outubro de 2022.

Bibliografia

  • ZEPPA, P.; COZZOLINO, I. Lymphadenitis and Lymphadenopathy. Monogr Clin Cytol. 23. 19-33, 2018
  • HAMILTON, W.; et al. Diagnosing groin lumps. BMJ. 372. 578; 2021
Mostrar bibliografia completa
  • MOORE, M. J.; RATHISH, B.; ZAHRA, F. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Monkeypox. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK574519/>. Acesso em 19 out 2022
  • MUGNAINI, E. N.; GHOSH, N. Lymphoma. Prim Care. 43. 4; 661-675, 2016
  • COSTAGLIOLA, G.; CONSOLINI, R. Lymphadenopathy at the crossroad between immunodeficiency and autoinflammation: An intriguing challenge. Clin Exp Immunol. 205. 3; 288-305, 2021
  • GADDEY, H. L.; RIEGEL, A. M. Unexplained Lymphadenopathy: Evaluation and Differential Diagnosis. Am Fam Physician. 94. 11; 896-903, 2016
  • FREEMAN AM, MATTO P. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Adenopathy. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK513250/>. Acesso em 19 out 2022
  • BAZEMORE, A. W.; SMUCKER, D. R. Lymphadenopathy and malignancy. Am Fam Physician. 66. 11; 2103–2110, 2002
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.

Tuasaude no Youtube

  • VARÍOLA DOS MACACOS: principais sintomas e como se proteger

    15:38 | 35345 visualizações
  • Tudo que precisa saber sobre SÍFILIS

    08:49 | 103567 visualizações
  • INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS | com Drauzio Varella

    14:11 | 161325 visualizações