Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

HPV na boca: sintomas, tratamento e formas de transmissão

O HPV na boca ocorre quando existe contaminação da mucosa bucal com o vírus, o que geralmente acontece devido ao contato direto com lesões genitais durante o sexo oral desprotegido.

As lesões causadas pelo HPV na boca, embora raras, são mais frequentes na borda lateral da língua, lábios e no céu da boca, mas qualquer local da superfície oral pode ser afetado.

O HPV na boca pode aumentar o risco de desenvolver câncer na boca, pescoço ou faringe e, por isso, sempre que for diagnosticado deve ser tratado, para evitar o surgimento do câncer.

HPV na boca: sintomas, tratamento e formas de transmissão

Principais sintomas de HPV na boca

Os sintomas que indicam a infecção por HPV na boca são raros, no entanto, algumas pessoas podem apresentar pequenas lesões, parecidas com verrugas esbranquiçadas, que podem se juntar e formar placas. Estas pequenas feridas podem ser de cor branca, vermelha-clara ou ter a mesma cor da pele. 

No entanto, a maior parte dos casos diagnosticados descobre a infecção apenas quando surgem complicações mais graves, como câncer. Alguns sinais iniciais do câncer oral incluem:

  • Dificuldade para engolir;
  • Tosse constante;
  • Dor na região do ouvido;
  • Íngua no pescoço;
  • Garganta inflamada recorrentemente.

Caso seja identificado algum destes sintomas ou caso exista suspeita de se estar infectado por HPV na boca é muito importante consultar um médico, para confirmar ou descartar o diagnóstico e iniciar o tratamento, se necessário.

O que fazer em caso de suspeita

Por vezes é o dentista que observa alguma lesão que possa indicar uma infecção por HPV, mas a própria pessoa pode desconfiar que está com HPV na boca ao observar lesões indicativas da infecção.

Em caso de suspeita deve-se ir ao médico, sendo que o infectologista é o mais indicado para observar as lesões, embora o clínico geral, ginecologista ou urologista também estejam familiarizados com o HPV.  O médico poderá fazer uma raspagem das lesões e pedir uma biópsia para identificar se realmente é HPV e de que tipo se trata, para poder indicar o tratamento mais adequado para cada caso.

Como se pega HPV na boca

A principal forma de transmissão do HPV para a boca é através do sexo oral desprotegido, no entanto, também é possível que a transmissão aconteça através do beijo, especialmente se existir alguma lesão na boca que facilite a entrada do vírus.

Além disso, a infecção por HPV na boca é mais comum em pessoas que têm parceiros múltiplos, que fumam ou que fazem uso excessivo de bebidas alcoólicas.

Assista ao vídeo a seguir para entender um pouco mais sobre o HPV:

Como deve ser feito o tratamento

Muitos casos de HPV curam sem qualquer tipo de tratamento e sem causar nenhuma sintoma. Por isso, é frequente que a pessoa nem saiba que esteve infectada.

No entanto, quando surgem lesões na boca, o tratamento geralmente é feito com laser, cirurgia ou medicamentos como acido tricloro acético a 70 ou 90% ou interferon alpha, 2 vezes por semana, durante cerca de 3 meses.

Existem 24 tipos de HPV que podem afetar a região da boca, sendo que nem todos estão relacionados ao surgimento de câncer. Os tipos que possuem um maior risco de malignidade são: HPV 16, 18, 31, 33, 35 e 55; possuem médio risco: 45 e 52, e possuem baixo risco: 6, 11, 13 e 32.

Após o tratamento indicado pelo médico é importante realizar outros exames para confirmar a eliminação das lesões, no entanto, é muito difícil eliminar o vírus do HPV do corpo e por isso, nem sempre pode-se dizer que o HPV tem cura, porque o vírus pode voltar a se manifestar após algum tempo.

Bibliografia >

  • CDC. HPV and Oropharyngeal Cancer. Disponível em: <https://www.cdc.gov/cancer/hpv/basic_info/hpv_oropharyngeal.htm>. Acesso em 21 Out 2020
  • SYRJÄNEN, Stina. Oral manifestations of human papillomavirus infections. European Journal of Oral Sciences. Vol.126, n.1. 49-66, 2018
  • ELREFAEY, S. et al.. HPV in oropharyngeal cancer: the basics to know in clinical practice. ACTA Otorhinolaryngologica Italica. Vol.35, n.5. 299-309, 2014
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.


Publicidade
Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem