Hemorragia digestiva: o que é, sintomas, causas e tratamento

Atualizado em setembro 2023

A hemorragia digestiva é a perda de sangue pelo sistema digestivo e que pode ser causada pela presença de úlceras gástricas ou duodenais, diverticulose, hemorroidas ou endometriose intestinal, por exemplo.

O sangramento do sistema digestivo pode ser percebido por meio de alguns sintomas como presença de sangue vermelho vivo nas fezes ou fezes mais escuras e com cheiro muito forte, vômito com sangue e tonturas.

É importante que o gastroenterologista seja consultado assim que surgirem sinais e sintomas sugestivos de hemorragia digestiva para que seja feito o diagnóstico e iniciado o tratamento mais adequado, que pode envolver o uso de medicamentos, transfusão sanguínea ou cirurgia.

Imagem ilustrativa número 1

Sintomas de hemorragia digestiva

Os principais sintomas de hemorragia digestiva são:

  • Vômito com sangue, podendo haver a presença de coágulos;
  • Fezes pretas, pegajosas e muito mau cheirosas, no caso de hemorragia digestiva alta;
  • Presença de sangue vivo nas fezes, no caso de hemorragia digestiva baixa;
  • Tontura:
  • Suor frio;
  • Desmaio.

Os sintomas de hemorragia digestiva podem variar de acordo com o local do sangramento. Na presença de qualquer sinal ou sintoma que seja indicativo de hemorragia digestiva, é importante consultar o gastroenterologista para que sejam realizados exames que permitam identificar a causa e, assim, ser iniciado o melhor tratamento.

Não ignore os seus sintomas!

Priorize sua saúde. Descubra a causa dos seus sintomas e receba o cuidado que precisa.

Marcar consulta

Disponível em: São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Pernambuco, Bahia, Maranhão, Pará, Paraná, Sergipe e Ceará.

Tipos de hemorragia digestiva

 A hemorragia digestiva pode ser classificada em dois tipos principais de acordo com o local em que há o sangramento:

  • Hemorragia digestiva alta: quando os locais do sangramento são o esôfago, o estômago ou o duodeno;
  • Hemorragia digestiva baixa: quando o sangramento ocorre no intestino delgado, grosso ou reto.

É importante que o local da hemorragia seja identificado para que o tratamento mais adequado possa ser recomendado pelo gastroenterologista, prevenindo complicações.

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico para hemorragia digestiva é feito pelo gastroenterologista a partir da avaliação dos sinais e sintomas relatados pela pessoa. Além disso, são também solicitados exames que ajudem a identificar a causa do sangramento, podendo ser indicada a realização de colonoscopia ou endoscopia digestiva alta.

Caso durante a realização desses exames seja notada alguma lesão, o médico pode coletar uma pequena porção dessa lesão e encaminhar para o laboratório para que seja analisada e seja possível verificar as suas características, o que é útil no diagnóstico do câncer de intestino, esôfago e estômago, por exemplo.

Em alguns casos, pode também ser indicada a realização de exames complementares, como hemograma e pesquisa de sangue oculto nas fezes, que é um exame útil para detectar pequenas quantidades de sangue encontradas nas fezes, ajudando no diagnóstico de sangramentos relacionados com o sistema digestivo. Conheça mais sobre o exame de sangue oculto nas fezes.

Causas de hemorragia digestiva

As principais causas de hemorragia digestiva são:

  • Úlcera gástrica ou duodenal;
  • Varizes gastroesofágicas;
  • Câncer no esôfago, estômago ou intestino;
  • Perfuração do esôfago, estômago ou duodeno.
  • Hemorroidas e fissura anal;
  • Pólipo intestinal;
  • Doença de Crohn ou retocolite ulcerativa;
  • Diverticulose;
  • Perfuração do intestino;
  • Endometriose intestinal.

É importante que a causa da hemorragia digestiva seja devidamente identificada, pois assim é possível que o melhor tratamento seja iniciado.

Como é feito o tratamento

O tratamento para hemorragia digestiva varia conforme a causa da doença e a gravidade dos sintomas, podendo incluir a realização de transfusão sanguínea, quando há perda de grande quantidade de sangue, o uso de medicamentos e em alguns casos, cirurgia, sendo normalmente indicado que a pessoa permaneça em internamento no hospital para que seja devidamente monitorada.

Nos casos mais leves, o tratamento pode ser feito em casa com o uso de medicamentos e realização de jejum, de acordo com a orientação médica, para permitir que o órgão afetado se recupere.