Fentanil: para que serve, como usar e efeitos colaterais

maio 2022

O fentanil, também conhecido como fentanila ou fentanyl, é um remédio opióide com potente efeito analgésico, indicado para aliviar a dor crônica, dor muito forte ou para ser usado como complemento de uma anestesia geral ou local, ou no controle da dor no pós-operatório.

Esse remédio pode ser encontrado na forma de adesivo transdérmico, em várias dosagens, podendo ser aplicado pela própria pessoa, e comprado em farmácias ou drogarias com apresentação de prescrição médica e retenção da receita pela farmácia.

O fentanil também pode ser encontrado na forma de injeção, para uso em hospitais, aplicada por um profissional de saúde diretamente na veia, no músculo ou nos espaços entre as vértebras da coluna vertebral, conforme indicação médica.

Para que serve

O fentanil adesivo transdérmico é um remédio indicado no tratamento da dor crônica ou dor muito forte que necessita da analgesia com opioides e que não pode ser tratada com combinações de paracetamol e opioides, analgésicos não esteroides ou com opioides de curta duração.

O fentanil injetável é indicada quando necessário no período pós-operatório imediato, para uso como componente analgésico ou na indução da anestesia geral e suplemento da anestesia local, para administração conjunta com neuroléptico na pré-medicação, para uso como agente anestésico único com oxigênio em determinados pacientes de alto risco, e para administração epidural no controle da dor pós-operatória, cesariana ou outra cirurgia abdominal. Saiba mais sobre anestesia epidural.

Como usar

A posologia do fentanil depende da forma farmacêutica que esteja a ser usada:

1. Adesivo transdérmico

Existem várias dosagens disponíveis de adesivos transdérmicos, podendo ser liberadas 12, 25, 50, 75 ou 100 mcg de fentanil por hora, durante 72 horas. A dose prescrita depende da intensidade da dor, da condição geral da pessoa e da medicação que já foi tomada para aliviar a dor, e pode ser usado por adultos ou crianças com mais de 2 anos, nas doses e pelo tempo de tratamento estabelecido pelo médico.

Para aplicar o adesivo deve-se escolher uma região da pele intacta limpa e seca e sem pelos, na parte superior do tronco ou na região do braço ou nas costas. Em crianças deve ser colocado na parte superior das costas para que ela não tente removê-lo. Depois de aplicado pode estar em contacto com a água.

Se o adesivo descolar após certo tempo de uso, mas antes de 3 dias, deve-se descartar adequadamente e aplicar um novo adesivo em um local diferente do anterior e informar o médico. Após três dias, pode-se remover o adesivo, dobrando-o duas vezes com a face adesiva para dentro e descartar em segurança. Depois disto, pode-se aplicar o novo adesivo conforme as instruções da embalagem, evitando o mesmo lugar que o anterior. Deve-se ainda anotar, no fundo da embalagem, a data de colocação do adesivo.

2. Solução injetável

O fentanil injetável pode ser aplicado diretamente na veia ou no músculo por um profissional de saúde, dependendo da indicação do médico, ou por via epidural, que corresponde aos espaços entre as vértebras da coluna vertebral, devendo ser essa aplicação ser realizada pelo médico.

Alguns dos fatores que devem ser considerados na determinação adequada da dose devem incluir a idade, peso corporal, estado físico e condição de saúde da pessoa, além do uso que se esteja a fazer de outros medicamentos, tipo de anestesia a ser utilizada e o procedimento cirúrgico envolvido.

Possíveis efeitos colaterais

Os efeitos colaterais mais comuns que podem ocorrer com o uso do adesivo transdermico de fentanil em adultos são insônia, sonolência, tontura, náusea, vômito ou dor de cabeça. Em crianças, os efeitos colaterais mais comuns que podem ocorrer são dor de cabeça, vômito, náusea, prisão de ventre, diarreia ou coceira generalizada.

No caso do fentanil injetável, os efeitos colaterais mais comuns que podem ocorrer com durante o tratamento são náuseas, vômitos ou rigidez muscular.

O uso regular do fentanil e em doses acima do recomendado pode viciar, isso porque essa substância é mais potente que a morfina, de forma que apenas uma pequena quantidade é capaz de garantir o efeito. Assim, caso seja usado com regularidade, os receptores de dopamina, que é o neurotransmissor liberado após o uso de opioides, podem deixar de funcionar corretamente, de forma que acaba sendo necessário aumentar a dose da substâncias para que se tenha o mesmo efeito, resultando no vício.

Quem não deve usar

O fentanil não deve ser usado por crianças com menos de 2 anos de idade ou por pessoas que tenham alergia ao fentanil ou qualquer um dos componentes presentes na fórmula. Esse remédio também não deve ser usado por pessoas que tenham alergia a outros remédios opioides.

Além disso, também não deve ser utilizado por mulheres grávidas, que estejam amamentando ou durante o parto, a não ser que seja recomendado pelo médico.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Marcela Lemos - Biomédica, em maio de 2022. Revisão clínica por Flávia Costa - Farmacêutica, em maio de 2022.

Bibliografia

  • SCHUG, S. A.; TING, S. Fentanyl Formulations in the Management of Pain: An Update. Drugs. 77. 7; 747-763, 2017
  • LOTSCH, J.; et al. Pharmacokinetics of non-intravenous formulations of fentanyl. Clin Pharmacokinet. 52. 1; 23-36, 2013
Mostrar bibliografia completa
  • CRISTÁLIA PRODUTOS QUÍMICOS FARMACÊUTICOS LTDA. Fentanest (citrato de fentanila injetável). Disponível em: <https://www.cristalia.com.br/arquivos_medicamentos/98/Fentanest_Bula_Profissional_Ampola.pdf>. Acesso em 12 out 2021
  • DRUGS.COM. Fentanyl Transdermal System. 2020. Disponível em: <https://www.drugs.com/cdi/fentanyl-transdermal-system.html>. Acesso em 12 out 2021
  • JANSSEN-CILAG FARMACÊUTICA LTDA. Durogesic® D-Trans (fentanila) adesivo transdérmico. 2013. Disponível em: <http://200.199.142.163:8002/FOTOS_TRATADAS_SITE_14-03-2016/bulas/6363.pdf>. Acesso em 12 out 2021
  • STANLEY, T. H. The fentanyl story. J Pain. 15. 12; 1215-26, 2014
Revisão clínica:
Flávia Costa
Farmacêutica
Formada em Farmácia pelo Centro Universitário Newton Paiva em 2003. Mestre em Ciências Biomédicas pela UBI, Portugal.