Exemestano: para que serve e como tomar

Atualizado em janeiro 2024

Exemestano é um remédio indicado para o tratamento do câncer de mama em mulheres na pós-menopausa, que possuem receptor de estrogênio positivo, pois age bloqueando a produção desse hormônio, impedindo o crescimento do tumor que depende de estrogênio para se multiplicar. 

Esse remédio pode ser comprado em farmácias ou drogarias na forma de comprimidos de 25 mg, como genérico "exemestano" ou com o nome comercial Aromasin.

Leia também: Câncer de mama: o que é, sintomas, causas e tratamento tuasaude.com/cancer-de-mama

Além disso, o exemestano pode ser fornecido pelo SUS ou planos de saúde, desde que tenha indicação do oncologista e relatório médico comprovando a necessidade do tratamento.

Imagem ilustrativa número 1

Para que serve

O exemestano é indicado para:

  • Câncer de mama inicial, após o tratamento com tamoxifeno por 2 ou 3 anos, para evitar que o tumor volte ou se desenvolva na outra mama;
  • Câncer de mama avançado, como primeira opção de tratamento ou quando o tumor evoluiu após o tratamento com remédios antiestrogênicos ou após vários tratamentos hormonais;

Esse remédio é indicado para o câncer de mama em mulheres na pós-menopausa natural ou induzida com tumor que tenha receptor para o estrogênio.

O uso do exemestano deve ser feito com indicação do oncologista, pelo tempo de tratamento indicado pelo médico e com exames regulares para avaliar a resposta ao tratamento.

Marque uma consulta com um oncologista na região mais próxima:

Cuidar da sua saúde nunca foi tão fácil!

Marque uma consulta com nossos Oncologistas e receba o cuidado personalizado que você merece.

Marcar consulta

Disponível em: São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Pernambuco, Bahia, Maranhão, Pará, Paraná, Sergipe e Ceará.

Foto de uma doutora e um doutor de braços cruzados esperando você para atender

Como funciona

O exemestano funciona bloqueando a ação da enzima aromatase, que é responsável por transformar outros hormônios em estrogênio nos tecidos periféricos, não tendo ação sobre os ovários, uma vez que na pós-menopausa os ovários já não produzem estrogênio.

Desta forma, bloqueia a formação de estrogênio, que é necessário para o crescimento do câncer de mama que tem receptor de estrogênio na sua superfície, o que impede o crescimento do tumor.

Exemestano em homens

O exemestano não tem indicação aprovada pela Anvisa para homens, sendo indicado apenas para o tratamento do câncer de mama em mulheres na pós-menopausa.

No entanto, embora não existam estudos suficientes, o exemestano pode ser indicado por alguns médicos para o tratamento do câncer de mama avançado em homens que necessita de estrogênio para crescer, em combinação com outros remédios, como leuprolida, gosserrelina ou buserelina, por exemplo.

Leia também: Câncer de mama masculino: sintomas, tipos e tratamento tuasaude.com/cancer-de-mama-masculino

Além disso, muitas vezes é utilizado como auto-medicação por homens, para reduzir o aumento das mamas, chamada ginecomastia.

É importante ressaltar que o exemestano não tem indicação para homens, podendo causar vários efeitos colaterais, como rigidez muscular, queda de cabelo ou aumento dos níveis de colesterol, por exemplo.

Como tomar

O exemestano deve ser tomado por via oral, com um copo de água, de preferência após uma refeição.

A dose normalmente recomendada é de 1 comprimido de exemestano 25 mg, 1 vez por dia, tomado sempre no mesmo horário.

O tempo de tratamento com o exemestano é de cerca de 5 anos para o câncer de mama inicial ou usado até que o tumor volte, cause metástase ou câncer na outra mama.

Já para o câncer de mama avançado, o tratamento com exemestano deve ser feito até que existam evidências de que o tumor evolui.

É importante usar o exemestano com orientação do oncologista, com consultas médicas regulares, geralmente a cada 3 meses, para avaliar a eficácia do tratamento e o surgimento de efeitos colaterais.

Cuidados durante o tratamento

Durante o tratamento com o exemestano, alguns cuidados são importantes, como tomar o comprimido no horário correto e tirar da cartela apenas o comprimido que irá tomar, mantendo os comprimidos na embalagem original.

Além disso, caso o comprimido tenha alterações na cor, cheiro ou sabor, não se deve tomar o remédio, sendo recomendado levá-lo à farmácia em que foi comprado ou ao hospital ou clínica que forneceu o remédio, para que seja trocado.

O que fazer se esquecer de tomar

No caso de esquecer de tomar uma dose, deve-se tomar o comprimido de exemestano assim que lembrar. 

No entanto, se já estiver perto do horário de tomar o próximo comprimido, deve-se pular a dose esquecida e tomar a próxima, continuando normalmente o esquema de doses recomendado pelo médico. 

Neste caso, não se deve tomar duas doses ao mesmo tempo para compensar a dose esquecida.

O esquecimento do exemestano pode reduzir a eficácia do tratamento.

Possíveis efeitos colaterais

Os efeitos colaterais mais comuns do exemestano são ondas de calor, vermelhidão no rosto, náuseas, dor abdominal, cansaço excessivo, dor ou rigidez nas articulações, insônia, tontura, depressão, dor de cabeça ou hiperidrose.

Além disso, o exemestano pode aumentar o risco de osteoporose e de fraturas ósseas. Saiba identificar os sintomas de osteoporose.

Outros efeitos colaterais comuns do exemestano são queda de cabelo, síndrome do túnel do carpo, perda do apetite, bolhas na pele, coceira, urticária ou aumento do colesterol, por exemplo.

Quem não deve usar

O exemestano não deve ser usado por crianças, adolescentes, homens e mulheres que não estão na pós-menopausa, gestantes ou lactantes.

Além disso, o uso desses remédio deve ser feito com cautela em mulheres que tenham densidade óssea reduzida, insuficiência hepática ou renal, devendo nesses casos ser sempre avaliado os riscos e benefícios do tratamento pelo oncologista.

O exemestano também não deve ser usado por mulheres na pós-menopausa que tenham alergia a esse remédio ou qualquer outro componente do comprimido.

O uso do exemestano também não deve ser feito junto com remédios que tenham estrogênio na sua composição, pois reduz a eficácia do tratamento.