Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

5 opções de tratamento para estiramento na coxa

O tratamento do estiramento muscular pode ser realizado em casa com medidas simples como repouso, uso de gelo e uso de ligadura compressiva. No entanto, nos casos mais graves pode ser necessário usar medicamentos e realizar fisioterapia por algumas semanas.

O estiramento muscular é quando o músculo estica demais, durante uma atividade física, e por isso pode acontecer na academia, numa corrida ou futebol, por exemplo. Essa lesão causa dor e limitação do movimento, e pode ser classificada em 3 diferentes graus, de acordo com a sua gravidade. Conheça mais sobre o estiramento muscular.

5 opções de tratamento para estiramento na coxa

1. Tratamento caseiro

O tratamento caseiro consiste no repouso da região afetada, de forma que é importante evitar exigir muito dos músculos e articulações e, por isso, não é recomendado ir à academia e realizar treinos, enquanto não houver melhora do quadro, entretanto não é necessário repouso absoluto, e pode-se manter as atividades rotineiras, o trabalho, e a escola.

Além disso, nas primeiras 48 horas do estiramento muscular, ou até quando for verificado o inchaço, pode-se colocar gelo picado, ou uma bolsa de gel congelada, em cima da lesão durante 15-20 minutos, de 3-4 vezes ao dia. Após 48 horas ou quando desinchar, caso não tenha havido melhora, pode-se colocar uma compressa morna no local, deixando atuar cerca de 20 minutos.

Caso a região ainda esteja inchada após as primeiras 48 horas, como alternativa à compressa quente, pode-se colocar uma bandagem elástica no local, o que ajuda a diminuir o inchaço.

2. Drenagem

A drenagem pode ser interessante quando a região está inchada ou quando o local está roxo. Assim, uma opção é a drenagem linfática, que pode ser feita em casa deslizando um pente fino em cima da lesão. Caso a dor e o inchaço seja mais próximo da virilha, o pente deve ser deslizado nessa direção, enquanto que se for mais perto do joelho, deve deslizar o pente em direção ao joelho.

Outra opção é a drenagem postural, que consiste na elevação da perna, o que ajuda a desinchar. Além disso, pode-se fazer também uma massagem no local com cremes ou pomadas contendo cânfora e mentol, por exemplo, que ajudam a aliviar os sintomas e combater o inchaço.

3. Uso de remédios

O uso de remédios é indicado pelo ortopedista quando os sintomas do estiramento do músculo da coxa são persistentes ou quando é verificado que houve ruptura muscular. Nesses casos, o médico pode indicar o uso de medicamentos anti-inflamatórios não esteroides ou realização de infiltração de corticoide em alguns casos.

4. Exercícios

A realização de alguns exercícios pode ajudar na recuperação, podendo ser indicado contrair o músculo e depois relaxar cerca de 10 a 20 vezes, sempre devagar e sem provocar dor. Além disso, é recomendado alongar levemente o músculo, devendo esticar um pouquinho o músculo afetado, sem provocar dor, durante alguns segundos, podendo realizar esse alongamento várias vezes ao longo do dia. Confira alguns exemplos de alongamentos para pernas

5. Fisioterapia

A fisioterapia é indicada nas situações mais graves quando há rompimento do músculo, sendo realizada nas sessões alguns exercícios que ajudam na recuperação do músculo. Durante as sessões de fisioterapia, podem também ser realizadas outras técnicas como eletroterapia, ultrassom, que pode ser feito com gel ou medicamentos, laser ou TENS, por exemplo.

O fisioterapeuta deverá indicar pessoalmente o protocolo de tratamento que irá ser realizado durante o tratamento após a investigação, porque este é apenas um exemplo do que pode ser feito, podendo ser alterado, conforme a necessidade.

Confira estas e outras dicas para tratar o estiramento muscular na coxa assistindo ao vídeo a seguir:

Bibliografia >

  • Mark Dutton. Fisioterapia ortopédica: exame, avaliação e intervenção. 2ª.ed. Porto Alegre: Artmed, 2010. 339-367.
  • KISNER, Carolyn; COLBY Lynn Allen. Exercícios terapêuticos: Fundamentos e Técnicas. 6ª.ed. São Paulo: Manole, 2016. 315-328.
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem