Espinha no pescoço: 10 causas (e o que fazer)

Atualizado em fevereiro 2024

As espinhas no pescoço podem surgir devido a alterações hormonais, sendo muito comum na adolescência, mas também podem ser causadas por ovários policísticos, limpeza inadequada da pele ou uso de produtos oleosos no pescoço.

Isso porque essas condições podem levar à inflamação da pele e infecção pela bactéria Propionibacterium acnes, devido ao aumento da oleosidade da pele.

Para evitar o surgimento de espinhas no pescoço é importante manter a pele limpa, evitar produtos oleosos, ou usar pomadas, loções ou comprimidos receitados pelo dermatologista, o que varia com a gravidade, tipo e causa das espinhas. Veja os principais tipos de espinhas.

Imagem ilustrativa número 1

10 causas de espinhas no pescoço

As principais causas de espinhas no pescoço são:

1. Alterações hormonais

As alterações hormonais, principalmente na adolescência, entre os 12 e 18 anos, podem levar ao surgimento de espinhas no pescoço.

Isso ocorre devido ao aumento da produção de hormônios andrógenos, como a testosterona, que estimulam as glândulas sebáceas a produzir mais sebo, aumentando a oleosidade da pele.

Esse excesso de oleosidade pode resultar em obstrução dos poros, inflamação e proliferação de bactérias, como a Propionibacterium acnes.

O que fazer: deve-se manter a pele limpa, lavando com um sabonete antisséptico, 2 vezes por dia, para ajudar a controlar a oleosidade da pele. Além disso, é recomendado consultar o dermatologista que pode indicar o tratamento com pomadas ou loções de antibióticos ou retinoides, por exemplo. Confira os principais remédios para espinhas.

Não ignore os seus sintomas!

Priorize sua saúde. Descubra a causa dos seus sintomas e receba o cuidado que precisa.

Marcar consulta

Disponível em: São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Pernambuco, Bahia, Maranhão, Pará, Paraná, Sergipe e Ceará.

2. Limpeza inadequada da pele

A limpeza inadequada da pele do pescoço também pode causar espinhas que surgem devido ao acúmulo de oleosidade e células mortas na pele, causando obstrução dos poros.

No entanto, limpar excessivamente o pescoço também pode causar espinhas, devido ao ressecamento e irritação na pele, que passa a produzir mais óleo para combater a secura da pele.

O que fazer: é recomendado limpar a pele no máximo 2 vezes por dia, de manhã ao levantar e à noite antes de dormir, com sabonete neutro ou antisséptico indicado pelo dermatologista.

3. Uso de produtos oleosos

O uso de produtos oleosos na região do pescoço, como hidratantes, cremes, protetor solar oleoso ou maquiagens oleosas, pode causar obstrução dos poros, o que favorece o desenvolvimento de espinhas no pescoço.

O que fazer: deve-se evitar o uso de produtos oleosos no pescoço, chamados não-comedogênicos, pois possuem uma formulação à base de água que não causa obstrução dos poros. Esses produtos devem ser, de preferência, indicados pelo dermatologista de acordo com o tipo de pele.

4. Estresse excessivo

As espinhas no pescoço também podem ser causadas pelo estresse excessivo, que ocorre devido ao aumento do hormônio cortisol.

Esse hormônio pode levar a um aumento das glândulas sebáceas, que passam a produzir mais sebo, aumentando a oleosidade da pele.

O estresse geralmente é causado por situações como perder um amigo ou familiar, pressão no trabalho ou perda de emprego, ou término de relacionamento, por exemplo.

O que fazer: deve-se adotar medidas para reduzir e combater o estresse, fazendo atividades prazerosas, como caminhar, meditar ou praticar algum hobby, por exemplo. Confira algumas dicas para combater o estresse.

Além disso, é importante consultar o dermatologista que pode indicar ouso de cremes, loções ou pomadas para as espinhas. No entanto, quando o estresse é intenso, deve-se consultar o psiquiatra ou clínico geral que pode indicar o tratamento mais adequado.

5. Alimentação rica em açúcares

A alimentação rica em açúcares ou gorduras, como farinha ou pão branco, frituras, biscoitos ou molhos prontos, também pode causar espinhas no pescoço.

Isso porque esses alimentos podem aumentar a oleosidade ou resultar em inflamação na pele, resultando em espinhas no pescoço.

O que fazer: deve-se ter uma alimentação balanceada e anti-inflamatória, incluindo frutas, legumes e verduras frescos, gorduras boas como o ômega-3, além de aumentar a ingestão de água. Confira a lista completa de alimentos anti-inflamatórios.

6. Uso de roupas que causam atrito

O uso de roupas que causam atrito no pescoço, especialmente as blusas de gola alta ou cachecóis, podem causar irritação na pele e aumentar o risco de desenvolvimento de espinhas no pescoço.

O que fazer: deve-se evitar o uso de roupas que causam atrito na pele do pescoço, dando preferência por blusas de gola “v” ou redondas, além de dar preferência a roupas de algodão. Além disso, deve-se manter a pele limpa, lavando 2 vezes por dia, com produtos antissépticos receitados pelo dermatologista.

7. Síndrome dos ovários policísticos

As espinhas no pescoço podem ser causadas pela síndrome dos ovários policísticos, pois nessa condição ocorre um aumento da produção de hormônios andrógenos no corpo, principalmente a testosterona.

Esse hormônio leva a um aumento da oleosidade da pele, o que favorece o desenvolvimento de espinhas que também podem surgir no rosto ou tronco.

O que fazer: deve-se fazer o tratamento indicado pelo ginecologista que normalmente envolve o uso de anticoncepcionais ou outros remédios como a espironolactona, para controlar os níveis hormonais e reduzir a resistência à insulina que é comum nos ovários policísticos e, assim, evitar o surgimento de espinhas no pescoço. Veja como é feito o tratamento para a síndrome dos ovários policísticos.

8. Gravidez

As espinhas no pescoço também podem surgir na gravidez, devido as alterações hormonais normais, principalmente no primeiro trimestre da gestação, que podem aumentar a oleosidade da pele.

O que fazer: deve-se lavar o rosto com sabonete neutro ou suave 2 vezes por dia, para ajudar a controlar a oleosidade da pele. Pode-se também aplicar uma loção tônica sem álcool e sem ácidos, após lavar e secar o rosto.

O tratamento com cremes, comprimidos, ácidos ou procedimentos estéticos devem ser evitados durante a gravidez, pois podem afetar o desenvolvimento do bebê. Veja como tratar as espinhas na gravidez.

9. TPM

A tensão pré-menstrual (TPM) é caracterizada por alterações hormonais, principalmente de estrogênio e progesterona, que podem resultar em aumento da produção de sebo pela pele, o que pode levar ao surgimento de espinhas no pescoço.

O que fazer: deve-se manter a pele limpa, lavando pelo de manhã e à noite, ou usar produtos na forma de pomadas, géis ou loções receitados pelo dermatologista. Além disso, em alguns casos, o ginecologista pode indicar o uso de anticoncepcionais para acne, como a drospirenona ou o dienogeste, por exemplo. Veja os principais anticoncepcionais para acne.

10. Efeito colateral de remédios

O uso de alguns remédios, como corticoides, anticonvulsivantes, anabolizantes ou antidepressivos, por exemplo, pode ter como efeito colateral a inflamação da pele, o que pode resultar em espinhas no pescoço.

O que fazer: deve-se consultar o médico responsável pelo tratamento, para que seja avaliada a possibilidade de mudança do medicamento ou doses. De forma alguma deve-se interromper o uso de remédio por conta própria.

Como evitar espinhas no pescoço

Para evitar o surgimento de espinhas no pescoço, é importante ter alguns cuidados, como lavar o pescoço com sabonete neutro ou suave, pelo menos 2 vezes por dia, de manhã e à noite, além de passar uma loção tônica e um hidratante não oleoso.

Além disso, é recomendado aplicar protetor solar oil free diariamente, com no mínimo FPS 30, mesmo em dias nublados e evitar alimentos gordurosos ou com muito açúcar. Veja outras formas de evitar e acabar com as espinhas.

Confira no vídeo a seguir mais dica para uma alimentação para evitar espinhas:

youtube image - ACNE: O que comer para acabar com as espinhas

Como é feito o tratamento das espinhas

O tratamento das espinhas no pescoço pode ser feito com o uso de pomadas, géis, loções ou cremes tópicos com ação anti-inflamatória e/ou antibacteriana, como peróxido de benzoíla ou ácido salicílico, por exemplo, receitados pelo dermatologista.

Nos casos mais graves de espinhas no pescoço, o médico também pode recomendar o uso de antibióticos ou retinoides na forma de pomadas ou comprimidos. Veja como é feito o tratamento de espinhas.