Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Escala de Glasgow: o que é e para que serve

Janeiro 2020

A Escala de Glasgow, também conhecida por Escala de Coma de Glasgow, é uma técnica que foi desenvolvida na Universidade de Glasgow, na Escócia, para avaliar situações de trauma, nomeadamente de traumatismo cranioencefálico, permitindo a identificação de problemas neurológicos, a avaliação do nível de consciência da pessoa e ainda prever o prognóstico.

A Escala de Glasgow permite determinar o nível de consciência da pessoa através da observação do seu comportamento. A avaliação faz-se através da sua reatividade perante determinados estímulos, em que são observados 3 parâmetros: abertura ocular, reação motora e resposta verbal.

Escala de Glasgow: o que é e para que serve

Como se determina

A determinação da Escala de Glasgow deve ser realizada em casos em que se desconfie de trauma cranioencefálico e deve ser feita cerca de 6 horas após o trauma, já que durante as primeiras horas, na maior parte dos casos, as pessoas são sedadas para serem intubadas ou para sentirem menos dor, o que pode interferir na na avaliação do nível de consciência. Saiba o que é um traumatismo cranioencefálico, quais os sintomas e como é feito o tratamento.

A determinação deve ser realizada por profissionais de saúde com treinamento adequado, através da reatividade da pessoa perante determinados estímulos, tendo em conta 3 parâmetros:

 VariáveisEscore
Abertura ocularEspontânea4
 Quando estimulado pela voz3
 Quando estimulado pela dor2
 Ausente1
 Não aplicável (edema ou hematoma que possibilita a abertura dos olhos)-
Resposta verbalOrientada5
 Confusa4
 Apenas palavras3
 Apenas sons/gemidos2
 Sem resposta1
 Não aplicável (pacientes intubados)-
Resposta motoraObedece a ordens6
 Localiza a dor/estímulo5
 Flexão normal4
 Flexão anormal3
 Extensão anormal2
 Ausência de resposta1

O traumatismo cranioencefálico pode ser classificado como leve, moderado ou grave, de acordo com a pontuação obtida pela Escala de Glasgow.

Em cada um dos 3 parâmetros, é atribuído um escore entre 3 e 15. Escores perto de 15, representam um nível de consciencial normal e escores inferiores a 8 são considerados casos de coma, que são os casos mais graves e com mais urgência de tratamento. Um escore de 3 pode significar morte cerebral, no entanto, é necessário avaliar outros parâmetros, para o confirmar.

Possíveis falhas do método

Apesar de ser um método amplamente utilizado, a Escala de Glasgow apresenta algumas falhas, como a impossibilidade de avaliar a resposta verbal em pessoas que estejam intubadas ou afásicas, e exclui a avaliação dos reflexos do tronco cerebral. Além disso, caso a pessoa esteja sedada, a avaliação do nível de consciência também pode ser dificultada.

Bibliografia >

  • OLIVEIRA, Débora Moura da Paixão, et. al.. Escalas para avaliação do nível de consciência em trauma cranioencefálico e sua relevância para a prática de enfermagem em neurocirurgia. Arq Bras Neurocir. Vol.33. 1.ed; 22-32, 2014
  • SANTOS, Wesley Cajaíba et. al.. Avaliação do conhecimento de enfermeiros sobre a escala de coma de Glasgow em um hospital universitário. einstein. Vol.14. 2.ed; 213-218, 2016
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem