Eletrocardiograma: como é feito, resultados e quando é indicado

Revisão médica: Drª. Ana Luiza Lima
Cardiologista
novembro 2021

O eletrocardiograma, ou ECG, é um exame feito para avaliar a atividade elétrica do coração, observando, assim, o ritmo, a quantidade e a velocidade das suas batidas. Este exame é feito por um aparelho que desenha gráficos sobre estas informações do coração, e, caso haja alguma doença, como arritmias, sopros ou, até, infarto, estes gráficos, que são interpretados pelo clínico geral ou cardiologista, podem estar alterados.

O ECG é simples e rápido e é considerado normal quando são identificados 60 a 100 batimentos por minuto. É considerado alterado, quando são identificados menos de 60 ou mais de 100 batimentos por minuto, devendo ser avaliado cada caso pelo cardiologista e definido se há indicação de realizar outros exames complementares para avaliar o funcionamento do coração.

Quando é indicado

O eletrocardiograma avalia a atividade do coração, verificando a frequência de batimentos cardíacos por minuto. Assim, esse exame pode ser solicitados durante uma consulta de rotina ou para investigar a presença de doenças silenciosas, como por exemplo:

  • Arritmias cardíacas, que podem acontecer por batimentos cardíacos acelerados, lentificados ou fora de hora, que podem apresentar sintomas como palpitações, tontura ou desmaios;
  • Infarto agudo do miocárdio, que pode ser a causa de dor ou queimação no peito, tontura e falta de ar;
  • Inflamação das paredes do coração, causada por pericardites ou miocardites, que podem ser suspeitadas quando há dor no peito, falta de ar, febre e mal estar;
  • Sopro cardíaco, devido a alterações da valvas e nas paredes do coração, que, geralmente, causam tontura e falta de ar;
  • Parada cardíaca, pois, neste caso, o coração perde a sua atividade de contração e, se não for rapidamente revertida, causa a morte.

Este exame também é solicitado pelo cardiologista para acompanhar a melhora ou piora de doenças, e também, se medicamentos para arritmia ou marca-passos estão sendo eficazes.

Como é feito

O eletrocardiograma é um exame simples e rápido e que não necessita de preparo, sendo apenas recomendado que a pessoa evite usar cremes na região do tórax e raspe os pêlos presentes no local, caso existam, pois assim é possível garantir a fixação adequada dos eletrodos.

Esse exame pode ser feito no hospital, clínicas ou no próprio consultório do cardiologista, sendo feito com a pessoa deitada em uma maca com a colocação de eletrodos, que estão ligados ao aparelho do eletrocardiograma, no tórax, punhos e tornozelos. É importante que os locais em que os eletrodos serão colocados estejam devidamente desengordurados.

Os eletrodos captam os batimentos do coração, que são registrados no aparelho e "liberados" em forma de gráfico, que é analisado pelo cardiologista.

O que significa o resultado

O resultado do eletrocardiograma deve ser avaliado pelo cardiologista levando em consideração o histórico de saúde e familiar da pessoa. Assim, de acordo com a quantidade de batimentos por minuto (bpm), o resultado pode ser classificado como normal ou anormal:

  • Resultado normal: indica que o coração está batendo em um ritmo regular, geralmente entre 60 e 100 bpm;
  • Resultado anormal: indica que o coração está batendo mais lento ou mais rápido que o ideal, ou seja, menos que 60 bpm ou mais que 100 bpm.

Além do ritmo cardíaco, o resultado pode ser anormal quando apresentar alterações sugestivas de aumento de cavidades do coração, bloqueios cardíacos, infarto, pericardite, dentre outras.

Após a avaliação do resultado, principalmente nos resultados anormais, o médico pode indicar a realização de exames complementares para identificar a causa da alteração dos batimentos cardíacos, como ecocardiograma, holter e teste de esforço, por exemplo. Conheça outros exames que avaliam o coração.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em novembro de 2021. Revisão médica por Drª. Ana Luiza Lima - Cardiologista, em novembro de 2021.

Bibliografia

  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA. Diretriz de interpretação de eletrocardiograma de repouso. 2003. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/abc/a/JcS5MCwnr6jgn7CnMpVNz9c/?lang=pt&format=pdf>. Acesso em 10 nov 2021
Revisão médica:
Drª. Ana Luiza Lima
Cardiologista
Médica Cardiologista, formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional nº CRM/PE – 16886.