Edema pulmonar: o que é, sintomas, causas e tratamento

Revisão médica: Drª. Ana Luiza Lima
Cardiologista
agosto 2022

O edema pulmonar é uma situação de emergência em que existe acúmulo de líquido dentro dos pulmões, o que diminui a troca de gases respiratórios e a oxigenação do corpo, causando dificuldade para respirar e sensação de afogamento.

Geralmente, o edema pulmonar é mais comum em pessoas com problemas cardíacos, como a insuficiência cardíaca, que não fazem o tratamento adequado e que, por isso, sofrem um aumento da pressão nos vasos sanguíneos dos pulmões, o que faz com que o líquido do sangue entre nos alvéolos pulmonares. No entanto, também pode acontecer por infecções no pulmão, por exemplo.

Embora seja grave, o edema pulmonar tem cura, mas é importante chamar imediatamente uma ambulância ou levar a pessoa o mais rápido possível para o hospital, de forma a iniciar o tratamento e eliminar o excesso de líquidos do pulmão.

Principais sintomas

Os sintomas do edema pulmonar variam de acordo com o tipo e as causas:

1. Edema pulmonar agudo

Os sintomas do edema pulmonar agudo surgem de forma repentina devido a dificuldade do coração bombear sangue de forma adequada para o corpo, se acumulando nos pulmões rapidamente, causando sintomas graves, como:

  • Dificuldade para respirar ou falta de ar intensa que piora ao deitar ou ao movimentar-se;
  • Sensação de sufocamento ou afogamento que piora ao deitar;
  • Tosse com secreção espumosa ou com sangue;
  • Chiado intenso ao respirar;
  • Coração acelerado;
  • Pontas dos dedos azuladas ou arroxeadas;
  • Lábios roxos;
  • Suor frio;
  • Palidez, pele fria ou pegajosa;
  • Ansiedade ou agitação.

No caso do surgimento dos sintomas de edema pulmonar agudo, deve-se procurar ajuda médica imediatamente ou o pronto socorro mais próximo o mais rápido possível, pois é uma emergência médica que necessita de atendimento imediato, pois pode provocar parada cardiorrespiratória e colocar a vida em risco.

2. Edema pulmonar crônico

Os sintomas do edema pulmonar crônico surge ao longo do tempo, a medida que o líquido se acumula nos pulmões de forma lenta e progressiva, e incluem:

  • Dificuldade para respirar ao deitar ou quando se faz alguma atividade;
  • Tosse ou sensação de falta de ar, especialmente à noite ao deitar e que melhora ao sentar;
  • Falta de ar ou intolerância à esforços físicos;
  • Chiado ao respirar;
  • Ganho de peso sem motivo aparente;
  • Inchaço nas pernas ou pés;
  • Cansaço excessivo.

Independente de se tratar realmente de uma situação de edema pulmonar, ou não, sempre que a pessoa apresenta intensa dificuldade para respirar ou mais do que 2 destes sintomas, é importante ir ao hospital, ou chamar a ajuda médica, para confirmar o diagnóstico e iniciar o tratamento mais adequado.

3. Edema pulmonar de grande altitude

Os sintomas do edema pulmonar de grande altitude, geralmente são semelhantes ao edema pulmonar agudo, e podem surgir em adultos ou crianças que viajam ou se exercitam em altitudes altas, e incluem:

  • Dor de cabeça;
  • Falta de ar;
  • Dificuldade para se exercitar;
  • Tosse seca inicialmente, que pode se transformar em tosse com secreção espumosa ou com sangue;
  • Batimentos cardíacos rápidos e sensação de palpitação cardíaca;
  • Fraqueza;
  • Dor no peito;
  • Febre baixa.

Geralmente, os sintomas do edema agudo de grande altitude surgem de forma rápida, geralmente dentro de 1 a 4 dias após uma subida rápida a altitudes de 2400 metros ou mais, e tendem a piorar à noite, ao deitar.

É importante procurar ajuda médica imediatamente ou o pronto-socorro mais próximo caso surjam esses sintomas, pois podem causar insuficiência respiratória e coma dentro de poucas horas, colocando a vida em risco.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico do edema pulmonar é feito pelo médico no hospital, através do exame físico, da análise dos sintomas, histórico de doenças, como insuficiência cardíaca ou doenças pulmonares, e de exames como hemograma completo, gasometria, raio X de tórax, eletrocardiograma, ou ecocardiograma, por exemplo.

Esses exames podem ser feitos para que o médico possa diagnosticar o edema pulmonar, mas também podem ajudar a identificar a causa do acúmulo de líquidos nos pulmões.

Possíveis causas

A causa mais comum do edema pulmonar é a insuficiência cardíaca congestiva, caracterizada por uma dificuldade do coração bombear o sangue de forma adequada, o que resulta em aumento da pressão sanguínea nos vasos sanguíneos dos pulmões na tentativa de promover a oxigenação adequada dos tecidos e uma liberação de líquido dentro dos pulmões, o que dificulta a entrada de ar.

No entanto, existem outras situações que podem causar o acúmulo de água nos pulmões e o desenvolvimento do edema pulmonar, como:

  • Infarto;
  • Doenças coronarianas;
  • Cardiomiopatia;
  • Miocardite;
  • Arritmias cardíacas;
  • Problemas nas válvulas cardíacas;
  • Pressão alta;
  • Pneumonia;
  • Insuficiência renal;
  • Infecções pulmonares;
  • Embolia pulmonar
  • Síndrome do desconforto respiratório do adulto;
  • Reação anafilática a medicamentos ou overdose de drogas de abuso;
  • Hemocromatose;
  • Amiloidose;
  • Subir para altitudes acima de 2400 metros, como subir uma montanha;
  • Problemas do sistema nervoso, como trauma na cabeça, hemorragia subaracnóidea ou convulsão;
  • Inalação de fumaça;
  • Quase afogamento, especialmente quando houve inalação de água.

O edema pulmonar geralmente é mais frequente em idosos, por apresentarem mais alterações de saúde, mas também pode acontecer em pessoas jovens ou até em crianças com cardiopatias congênitas.

Como é feito o tratamento

O tratamento para edema pulmonar deve ser iniciado o mais rápido possível, no hospital, com uso de máscara de oxigênio e remédios diuréticos diretamente na veia, como a furosemida, para aumentar a quantidade de urina e eliminar o excesso de líquidos nos pulmões.

Além disso, também é necessário fazer o tratamento adequado da doença que causou o problema, que pode incluir remédios para pressão alta, como captopril, ou lisinopril para tratar a insuficiência cardíaca descompensada, por exemplo.

Normalmente, a pessoa precisa ficar internamento hospitalar durante cerca de 7 dias para aliviar os sintomas, controlar o problema que causou o surgimento do edema pulmonar e fazer sessões de fisioterapia respiratória. Durante este período, pode ainda ser necessário utilizar uma sonda vesical para controlar a saída de líquidos do organismo, evitando que acumulem novamente.

Como é a fisioterapia respiratória

A fisioterapia respiratória para edema pulmonar agudo deve ser feita por um fisioterapeuta e, normalmente, é iniciada quando a pessoa está internado e com os sintomas controlados, servindo para melhorar gradualmente os níveis de oxigênio no organismo.

Saiba mais sobre como é feita a fisioterapia respiratória.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Manuel Reis - Enfermeiro, em agosto de 2022. Revisão médica por Drª. Ana Luiza Lima - Cardiologista, em fevereiro de 2016.

Bibliografia

  • GUYTON Arthur, HALL John. Tratado de fisiologia médica. 13º. Brasil: Elsevier, 2017. 514-515.
  • LONGO, Dan L. et al.. Medicina interna de Harrison. 18.ed. São Paulo: AMGH Editora, 2013. 280-281.
Revisão médica:
Drª. Ana Luiza Lima
Cardiologista
Médica Cardiologista, formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional nº CRM/PE – 16886.