DPOC: o que é, sintomas, causas e tratamento

Revisão médica: Dr. Gonzalo Ramirez
Clínico Geral e Psicólogo
julho 2022
  1. Sintomas
  2. Causas
  3. Tratamento
  4. Cuidados
  5. Complicações

A DPOC (doença pulmonar obstrutiva crônica) é uma condição inflamatória dos pulmões causada por doenças respiratórias, como bronquite crônica ou enfisema pulmonar, que promovem o fechamento dos brônquios ou bronquíolos, dificultando, o fluxo de ar e a respiração.

A principal causa da DPOC é o tabagismo, pois a fumaça e outras substâncias presentes no cigarro prejudicam o tecido das vias respiratórias, levando ao surgimento de sintomas, como falta de ar, tosse constante com muco e sensação de ruído, ou chiado, no peito ao respirar. Conheça outras doenças causadas pelo cigarro.

O tratamento da doença pulmonar obstrutiva crônica deve ser indicado pelo pneumologista de acordo com a doença que causou a DPOC, e pode ser feito com o uso de remédios, cirurgia ou fisioterapia, além de ser recomendado parar de fumar.

Principais sintomas de DPOC

Os principais sintomas de DPOC são:

  • Tosse constante;
  • Catarro de cor clara, branca, amarela ou esverdeada;
  • Respiração rápida e ofegante;
  • Sensação de ruído ou chiado no peito ao respirar;
  • Pigarro;
  • Falta de ar durante esforços;
  • Produção de muito catarro, principalmente pela manhã;
  • Cansaço;
  • Perda de peso;
  • Dor de cabeça;
  • Inchaço nos tornozelos, pernas ou pés.

Os sintomas iniciais da DPOC podem ser leves e até confundidos com um resfriado comum. No entanto, à medida que a doença evolui, os sintomas pioram e se tornam mais constantes devido aos danos progressivos nos pulmões.

Além disso, pessoas com DPOC podem ter o sistema imunológico enfraquecido, tendo maior chances de terem resfriados, gripes ou infecções respiratórias com mais frequência, o que pode aumentar a dificuldade para respirar e provocar maior produção de catarro, situação que é chamada de “DPOC exacerbado”.

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico da DPOC é feito pelo clínico geral, ou pneumologista, que avalia os sinais e sintomas apresentados, a história de saúde da pessoa e realiza alguns exames físicos, como verificar a pressão arterial, auscultar o coração e os pulmões.

Além disso, o médico também pode pedir alguns exames para complementar o diagnóstico, como raio X do tórax; tomografia computadorizada; exames de sangue, como gasometria arterial; e espirometria, um exame que mostra o grau de obstrução das vias respiratórias e a quantidade de ar que a pessoa consegue respirar. Saiba como é feita a espirometria.

Esses exames ajudam o médico a confirmar o diagnóstico da DPOC, mas também podem ser usados para identificar outras doenças que possam estar causando os sintomas, como asma ou insuficiência cardíaca, por exemplo.

Possíveis causas

A DPOC ocorre quando os brônquios ou bronquíolos dos pulmões ficam inflamados e se fecham, dificultando a passagem de ar e a respiração. As principais causas da DPOC são:

  • Tabagismo;
  • Asma;
  • Bronquite crônica;
  • Alterações genéticas nos pulmões.

A principal causa da DPOC é o tabagismo, embora essa doença possa afetar também pessoas que nunca fumaram, devido à exposição à fumaça do cigarro de outras pessoas. No entanto, alguns fatores de risco podem aumentar as chances de contrair a DPOC, como exposição prolongada à poeira, fumaça do fogão a lenha e produtos químicos.

Como é feito o tratamento

O tratamento para DPOC deve ser sempre orientado por um pneumologista e tem o objetivo de aliviar os sintomas, melhorar a qualidade de vida e prevenir o surgimento de complicações.

O tratamento da DPOC normalmente inclui:

1. Parar de fumar

Para tratar a DPOC é fundamental parar de fumar para evitar que a doença piore, evitando assim a diminuição da capacidade respiratória e possíveis complicações, como infecções respiratórias e hipertensão pulmonar, por exemplo.

Embora para muitas pessoas seja difícil parar de fumar, o médico pode recomendar o uso de remédios que ajudam a tratar a dependência da nicotina, reduzindo a ansiedade ou a irritabilidade. Além disso, grupos de apoio ou psicoterapia podem também ajudar a parar de fumar. Veja as melhores estratégias para parar de fumar.

2. Remédios

Os remédios que o pneumologista variam conforme os sintomas apresentados e a progressão da doença, mas normalmente são:

  • Broncodilatadores inalatórios, como salbutamol, formoterol ou brometo de ipratrópio, que ajudam a abrir os brônquios e facilitam a respiração;
  • Corticóides orais, como a prednisona, ou bombinhas para uso inalatório, como a fluticasona ou a budesonida, por exemplo, que reduzem a inflamação e a irritação nos pulmões;
  • Inibidores da fosfodiesterase, como roflumilaste, que ajuda a reduzir a inflamação e a relaxar os músculos das vias aéreas, facilitando a respiração;
  • Teofilina, remédio que ajuda a relaxar os músculos das vias aéreas, a melhorar a respiração e a prevenir complicações da DPOC;
  • Mucolíticos, como a acetilcisteína ou carbocisteína, pois agem deixando o catarro mais líquido facilitando sua eliminação, aliviando a tosse;
  • Antibióticos, como azitromicina ou amoxicilina, que ajudam a tratar infecções respiratórias, como bronquite, pneumonia ou gripe, evitando, assim, a piora dos sintomas da DPOC.

O uso de qualquer um destes remédios deve ser feito somente sob a orientação e supervisão do pneumologista e com doses específicas para cada pessoa.

3. Fisioterapia respiratória

A fisioterapia respiratória ajuda a melhorar a capacidade de respiração e a qualidade de vida da pessoa com DPOC. O objetivo deste tratamento é ajudar na reabilitação da respiração, diminuindo, assim, os sintomas, as doses dos remédios e a necessidade de internação em hospitais.

Assista no vídeo a seguir os melhores exercícios de fisioterapia para DPOC:

4. Alimentação adequada

A alimentação adequada é fundamental para ajudar a evitar o excesso de peso ou a perda de peso, situações que  podem piorar os sintomas da DPOC. A dieta também pode ajudar a melhorar a respiração, uma vez que o metabolismo de nutrientes consome oxigênio e liberam gás carbônico no organismo. Isto se torna especialmente importante na DPOC, pois essa doença dificulta as trocas gasosas realizadas nos alvéolos pulmonares, tornando mais difícil para o gás carbônico ser eliminado pela respiração.

Durante a DPOC é importante priorizar os alimentos ricos em fibras, como frutas, vegetais frescos, e cereais integrais, como arroz integral e macarrão integral; em proteínas magras, como peixe, ovo e frango; e gorduras saudáveis, como abacate, azeite e nozes.

É recomendado evitar o consumo de carboidratos simples, como açúcar, biscoitos, balas, bebidas açucaradas, geleias e bolos, por exemplo. Além disso, é importante evitar alimentos que aumentam a produção de gases que podem dificultar a respiração, como bebidas gaseificadas, feijão, brócolis, couve-flor, couve de Bruxelas, milho, lentilha, soja, alho-poró e ervilha.

É importante sempre consultar um nutricionista antes de iniciar uma dieta durante a DPOC, para fazer um plano nutricional adaptado às necessidades nutricionais individuais, já que algumas pessoas podem precisar perder peso, enquanto outras necessitam ganhar peso durante o tratamento.

5. Oxigenoterapia

A oxigenoterapia é um tratamento que permite aumentar os níveis de oxigênio no sangue, que podem ficar diminuídos devido aos danos da DPOC, podendo atingir níveis muito baixos. Esse tratamento pode ser indicado pelo médico para ser feito durante algumas horas do dia ou de forma contínua, dependendo de cada caso.

Existem vários tipos de oxigenoterapia que podem ser recomendadas pelo pneumologista de acordo com as necessidades de cada pessoa. Confira os principais tipos de oxigenoterapia.

6. Cirurgia

A cirurgia pode ser indicada pelo pneumologista em alguns casos de DPOC muito grave causada por enfisema pulmonar, quando o tratamento com remédios não é eficaz para controlar os sintomas da doença.

Essa cirurgia é feita para retirar pequenas partes do pulmão danificado, permitindo que as partes saudáveis possam se expandir, facilitando a respiração e melhorando a qualidade de vida da pessoa.

7. Transplante de pulmão

O transplante de pulmão pode ser feito se as outras opções de tratamento não são eficazes para controlar os sintomas da DPOC, pois permite melhorar a capacidade de respirar e de ser mais ativo.

No entanto, o transplante de pulmão é a última opção de tratamento da DPOC, já que apresenta vários riscos, especialmente a rejeição do órgão transplantado. Além disso, a pessoa pode necessitar tomar remédios imunossupressores por toda a vida. Saiba como é o transplante de pulmão e como é a recuperação.

Cuidados durante o tratamento

Alguns cuidados importantes durante o tratamento da DPOC são:

  • Tomar os remédios nos horários estabelecidos pelo médico;
  • Tomar vacinas, como da gripe ou pneumocócica, conforme indicado pelo médico, para evitar infecções nos pulmões;
  • Manter o peso saudável, evitando a obesidade e o baixo peso;
  • Ficar em posição confortável quando deitado, para facilitar a respiração, preferindo deixar a cama inclinada, se houver dificuldade para respirar;
  • Fazer exercícios físicos indicados pelo médico, respeitando as próprias limitações, para que a falta de ar não fique muito intensa;
  • Limpar as vias respiratórias cerca de uma hora antes de uma refeição;
  • Evitar bebidas alcoólicas, como cerveja, vinho e espumante;
  • Beber bastante líquidos, como água, chás e água de coco, que melhoram melhoram a hidratação e fluidificam as secreções, ajudando na sua eliminação;
  • Evitar locais com muita poeira, produtos com cheiro forte, spray de cabelo ou perfumes, que podem causar irritação ou inflamação nos pulmões e piorar os sintomas, levando à crises de exacerbação.

Além disso, é importante manter na bolsa ou na carteira um cartão com informações de que a pessoa tem DPOC, os remédios que utiliza e as doses, além de contatos em caso de emergência e crises de exacerbação da DPOC.

Possíveis complicações

As complicações que a DPOC pode causar são infecções respiratórias frequentes, incluindo resfriados comuns, gripe ou pneumonia, mas também hipertensão pulmonar, doenças cardíacas ou câncer de pulmão.

A dificuldade para respirar e para realizar as atividades do dia a dia pode também contribuir para o desenvolvimento de depressão ou ansiedade.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em julho de 2022. Revisão médica por Dr. Gonzalo Ramirez - Clínico Geral e Psicólogo, em julho de 2022.

Bibliografia

  • CLEVELAND CLINIC. Nutritional Guidelines for People with COPD. Disponível em: <https://my.clevelandclinic.org/health/articles/9451-nutritional-guidelines-for-people-with-copd>. Acesso em 31 mai 2022
  • AMERICAN LUNG ASSOCIATION. Nutrition and COPD. Disponível em: <https://www.lung.org/lung-health-diseases/lung-disease-lookup/copd/living-with-copd/nutrition#:~:text=Limit%20simple%20carbohydrates%2C%20including%20table,help%20maintain%20strong%20respiratory%20muscles>. Acesso em 31 mai 2022
Mostrar bibliografia completa
  • SORATHIA, L. Palliative Care in Chronic Obstructive Pulmonary Disease. Med Clin North Am. 103. 3; 517-526, 2019
  • BERG, K.; WRIGHT, J. L. The Pathology of Chronic Obstructive Pulmonary Disease: Progress in the 20th and 21st Centuries. Arch Pathol Lab Med. 140. 12; 1423-1428, 2016
  • LAREAU, S. C.; et al. Chronic Obstructive Pulmonary Disease (COPD). Am J Respir Crit Care Med. 199. 1; P1-P2, 2019
  • DAI, J.; et al. Lung cancer and chronic obstructive pulmonary disease: From a clinical perspective. Oncotarget. 8. 11; 18513-18524, 2017
  • DUFFY, S. P; CRINER, G. J. Chronic Obstructive Pulmonary Disease: Evaluation and Management. Med Clin North Am. 103. 3; 453-461, 2019
  • RITCHIE, A. I.; WEDZICHA, J. A. Definition, Causes, Pathogenesis, and Consequences of Chronic Obstructive Pulmonary Disease Exacerbations. Clin Chest Med. 41. 3; 421-438, 2020
  • LONG, R.; STRACY, C.; OLIVER, M. C. Nutritional care in Chronic Obstructive Pulmonary Disease. Br J Community Nurs. 23. 7; S18-S26, 2018
  • GARVEY, C.; et al. Pulmonary Rehabilitation Exercise Prescription in Chronic Obstructive Pulmonary Disease: Review of Selected Guidelines: AN OFFICIAL STATEMENT FROM THE AMERICAN ASSOCIATION OF CARDIOVASCULAR AND PULMONARY REHABILITATION. . J Cardiopulm Rehabil Prev. 36. 2; 75-83, 2016
  • WOODS, J. A.; et al. Corticosteroids in the treatment of acute exacerbations of chronic obstructive pulmonary disease. Int J Chron Obstruct Pulmon Dis. 9. 421-30, 2014
  • DECRAMER, Marc; JANSSENS, WIM; MIRAVITLLES, Marc. Chronic obstructive pulmonary disease. Lancet. 379. 9823; 1341–1351, 2012
  • RILEY, C. M.; SCIURBA, F. C. Diagnosis and Outpatient Management of Chronic Obstructive Pulmonary Disease: A Review. JAMA. 321. 8; 786-797, 2019
  • RABE, K. F.; WATZ, H. Chronic obstructive pulmonary disease. Lancet. 389. 10082; 1931-1940, 2017
Revisão médica:
Dr. Gonzalo Ramirez
Clínico Geral e Psicólogo
Clínico geral pela UPAEP com cédula profissional nº 12420918 e licenciado em Psicologia Clínica pela UDLAP nº 10101998.

Tuasaude no Youtube

  • 5 EXERCÍCIOS PARA FORTALECER O PULMÃO | com @Mirca Fisioterapia e Bem-estar

    06:03 | 729094 visualizações
  • Obesidade, Cigarro e Álcool | Com Drauzio Varella (1/2)

    24:43 | 42710 visualizações
  • O que comer para não engordar quando parar de fumar

    02:56 | 77782 visualizações