Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Distorções cognitivas: o que são, quais são e o que fazer

Novembro 2019

As distorções cognitivas são formas distorcidas que as pessoas têm de interpretar determinadas situações do dia-a-dia, com consequências negativas para a sua vida, causando sofrimento desnecessário.

Existem vários tipos de distorções cognitivas, podendo muitas delas manifestar-se na mesma pessoa e, embora possa acontecer em diferentes casos, é mais comum naquelas que sofrem de depressão.

A detecção, a análise e a resolução destas situações pode ser feita recorrendo a sessões de psicoterapia, nomeadamente à terapia cognitivo-comportamental.

Distorções cognitivas: o que são, quais são e o que fazer

1. Catastrofização

A catastrofização é uma distorção da realidade em que a pessoa é pessimista e negativa em relação a uma situação que aconteceu ou que vai acontecer, sem ter em consideração outros possíveis desfechos.

Exemplos: "Se perder o emprego, nunca mais vou conseguir encontrar outro", "Errei uma pergunta no exame, vou reprovar".

2. Raciocínio emocional

O raciocínio emocional acontece quando a pessoa assume que as suas emoções são um fato, ou seja, considera aquilo que sente como verdade absoluta.

Exemplos: "Sinto que os meus colegas falam de mim nas minhas costas", "Sinto que ela já não gosta de mim".

3. Polarização

A polarização, também conhecida por pensamento tudo ou nada, é uma distorção cognitiva em que a pessoa vê as situações em apenas duas categorias exclusivas, interpretando situações ou pessoas em termos absolutos.

Exemplos: "Deu tudo errado na reunião que aconteceu hoje", "Fiz tudo mal".

4. Abstração seletiva

Também conhecida por visão em túnel, dá-se o nome de abstração seletiva a situações em que apenas um aspeto de uma determinada situação é realçada, principalmente o negativo, ignorando os aspetos positivos.

Exemplos: "Ninguém gosta de mim", " O dia correu todo mal".

5. Leitura mental

A leitura mental é uma abstração cognitiva que consiste em adivinhar e acreditar, sem evidências, no que as outras pessoas estão pensando, descartando outras hipóteses.

Exemplos: "Ele não está prestando atenção no que estou a dizer, é porque não está interessado."

6. Rotulação

Esta distorção cognitiva consiste em rotular uma pessoa e defini-la por uma determinada situação, isolada.

Exemplos: "Ela é uma pessoa má", "Aquela pessoa não me ajudou, é egoísta".

7. Minimização e maximização

A minimização e maximização caracteriza-se por minimizar as características e experiências pessoais e maximizar os defeitos e/ou aspetos negativos.

Exemplos: "Tive uma boa nota no teste, mas houve notas melhores que a minha", "Consegui fazer o curso porque era fácil".

8. Imperativos

Esta distorção cognitiva consiste em pensar nas situações como deveriam ter sido, em vez de se concentrar en como as coisas são na realidade.

Exemplos: "Eu deveria ter ficado em casa com meu marido", "Eu não devia ter vindo na festa".

O que fazer

Geralmente, para resolver estes tipos de distorções cognitivas, é aconselhado fazer psicoterapia, mais especificamente a terapia cognitivo-comportamental. 

Bibliografia >

  • KNAPP, Paulo; BECK, Aaron T. Fundamentos, modelos conceituais, aplicações e pesquisa da terapia cognitiva . Rev Bras Psiquiatr. . 2. 30; 54-64, 2008
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem