Desenvolvimento do bebê - 33 semanas de gestação

Semana de gestação: 33 semanas

Equivale ao mês: 2ª semana do 8º mês

Equivale aos dias: 225 a 231 dias de gestação

Na 33ª semana de gestação, todos os órgãos do bebê já estão formados e os ossos estão mais endurecidos, apesar de serem mais moles e flexíveis na cabeça, para facilitar a passagem pelo canal vaginal durante o parto normal. 

Nesta fase da gestação, a maior parte dos bebês já se encontra virado de cabeça para baixo, na posição para o nascimento. No entanto, alguns bebês podem demorar um pouco mais, geralmente, até a 37ª semana. Saiba como ajudar o bebê a virar de cabeça para baixo

Durante essa semana, a mulher pode continuar a ter as contrações de Braxton-Hicks, hemorroidas, azia ou sensação de queimação no estômago, e pode surgir dor na lombar que se irradia para as pernas ou produção excessiva de gases intestinais.

Desenvolvimento do bebê - 33 semanas de gestação

Desenvolvimento do bebê

Na 33ª semana da gestação, os ossos do bebê já estão completamente desenvolvidos, embora ainda um pouco moles e maleáveis, especialmente os da cabeça, que permanecem flexíveis para facilitar a saída do bebê pelo canal vaginal durante o parto normal. Além disso, algumas áreas dos ossos do crânio, chamadas fontanelas ou moleira, permanecerão moles até um ano após o nascimento do bebê para permitir que o cérebro continue se desenvolvendo.

O desenvolvimento auditivo do bebê já está quase completo, o que permite distinguir com muita clareza a voz da mãe e se acalmar quando a ouve. Apesar de estar habituado ao som do coração, da digestão e a voz da mãe, o bebê poderá saltar ou se assustar com sons graves que ele desconhece.

Nesta fase da gestação, todas as enzimas digestivas já estão presentes e se o bebê nascer agora conseguirá digerir o leite. A quantidade de líquido amniótico já chegou ao limite máximo e é provável que nesta semana o bebê já esteja virado de cabeça para baixo. Se a mulher estiver grávida de gêmeos é provável que a data do parto esteja próxima, pois neste caso, a maior parte dos bebês nasce antes das 37 semanas, mas apesar disso, alguns podem nascer depois das 38, embora isto não seja muito comum.

Tamanho do bebê

O tamanho do feto com 33 semanas de gestação é de cerca de 42.9 centímetros medidos da cabeça aos pés e cerca de 30.2 centímetros da cabeça ao bumbum, sendo equivalente ao tamanho de um salsão. 

Mudanças no corpo da mulher

Na 33ª semana de gravidez, a mulher pode sentir dor lombar que pode irradiar para as nádegas, coxa e perna, que ocorre devido a mudança na curvatura da coluna, causando uma compressão do nervo ciático, que se inicia no final da coluna, passa pelo glúteo e desce até o calcanhar.

Além disso, os sintomas de contrações de Braxton-Hicks, azia ou sensação de queimação no estômago, ou inchaço das pernas e dos pés, principalmente ao final do dia, podem continuar. 

Nesta semana da gestação, também é comum a mulher apresentar produção excessiva de gases intestinais, devido ao tamanho do útero que pode comprimir o intestino deixando os movimentos mais lentos, ou falta de ar, que ocorre devido à uma compressão nos pulmões que não conseguem se expandir como antes da gestação, dificultando a respiração.

Cuidados durante a 33ª semana

Na 33ª semana da gestação, alguns cuidados são importantes para ajudar a aliviar os desconfortos que podem surgir como: 

  • Dor na lombar: aplicar compressas quentes sobre as costas, não ficar muito tempo de pé, ao sentar deve-se evitar cruzar as pernas ou usar uma cinta de gestante para dar suporte à barriga e às costas, podem ajudar a melhorar a dor nas costas. Além disso, deve-se evitar fazer esforços excessivos, embora o repouso absoluto também não seja recomendado;
  • Contrações de Braxton-Hicks: movimentar o corpo, mudando de posição, fazendo uma leve caminhada, ou descansar se a mulher estava muito ativa quando as contrações iniciaram. Além disso, beber um copo de água, fazer exercícios de relaxamento ou de respiração profunda, ou tomar um banho morno por até 30 minutos, podem ajudar a aliviar o desconforto das contrações. No entanto se a contração for forte, muito frequente ou acompanhada de outros sintomas como dor nas costas, sangramento vaginal ou corrimento líquido, deve-se procurar ajuda médica imediatamente, pois a mulher pode ter entrado em trabalho de parto. Saiba identificar os sinais de trabalho de parto;
  • Azia ou sensação de queimação no estômago: comer em pequenas quantidades em intervalos menores de 2 a 3 horas, evitar comer ou beber até 3 horas antes de deitar, evitar bebidas durante as refeições, colocar a cabeceira da cama mais alta e evitar consumir alimentos que estimulam a azia como frituras, comidas apimentadas ou muito condimentadas, podem ajudar a aliviar esse desconforto. Veja outras dicas de como aliviar a azia na gravidez;
  • Hemorroida: fazer banho de assento com água morna, utilizar lenços umedecidos sem perfume ou lavar a região anal após defecar, podem ajudar a aliviar o desconforto da hemorroida. Além disso, não permanecer sentada ou em pé por muito tempo, podem ajudar a diminuir a pressão que a barriga faz sobre o reto e evitar o desenvolvimento da hemorroida. Veja mais dicas de como tratar hemorróida na gravidez
  • Excesso de gases intestinais: evitar alimentos que estimulam a produção de gases como feijão, repolho, brócolis, couve-flor ou couve de bruxelas, por exemplo. Além disso, deve-se manter o corpo hidratado bebendo pelo menos 8 copos de água por dia, e consumir alimentos ricos em fibras como frutas frescas e pão integral ou cereais. Confira outras dicas de como aliviar o excesso de gases na gravidez;  
  • Inchaço nas pernas ou nos pés: não ficar muito tempo de pé, e colocar os pés mais altos que o corpo, apoiando os pés quando precisar sentar, ajudam a melhora a circulação sanguínea das pernas e ajuda a evitar o inchaço nas pernas ou nos pés. Além disso, praticar exercício físico regular, como caminhada ou natação, conforme orientado pelo médico, podem ajudar a diminuir esse desconforto. No entanto, se o inchaço não melhorar, começar de forma repentina ou apresentar inchaço nas mãos e no rosto, deve-se procurar ajuda médica imediatamente, pois pode ser sinal de pré-eclâmpsia. Saiba mais sobre pré-eclâmpsia e como é feito o tratamento;
  • Falta de ar: deve-se mudar de posição tentando ficar o mais reta possível para dar um pouco mais de espaço para os pulmões se expandirem, e dormir deitada do lado esquerdo ajuda a melhorar a circulação, podem ajudar a melhorar esse desconforto. No entanto, se surgir intensa falta de ar, dificuldade para respirar, respiração rápida ou ofegante, dor no peito, lábios ou dedos azulados ou dormência nas mãos ou nos pés, deve-se procurar ajuda médica o mais rápido possível ou o pronto socorro mais próximo.

Durante a gravidez é importante manter o corpo hidratado, tomando pelo menos 8 copos de água por dia, pois ajuda a melhorar a circulação sanguínea e aliviar os sintomas de inchaço nas pernas e nos pés, azia e gases intestinais. 

É importante também ter uma alimentação balanceada e nutritiva incluindo alimentos ricos em cálcio como leite ou iogurte, além de frutas frescas, por exemplo, para fornecer os nutrientes necessários para o desenvolvimento saudável do bebê. Veja como deve ser a alimentação na gravidez.

Além disso, é importante seguir as recomendações médicas, realizar as consultas pré-natais, tomar os suplementos indicados pelo obstetra e praticar atividades físicas liberadas pelo médico, como natação, hidroginástica ou caminhada, para fortalecer a musculatura e controlar o aumento do peso durante a gravidez. 

Confirme em que mês da gravidez está inserindo aqui os seus dados:

Erro
help
Imagem que indica que o site está carregando

Sua gravidez por trimestre

Para facilitar a sua vida e você não perder tempo procurando, separamos toda a informação que você precisa por cada trimestre de gestação. Em que trimestre você está?

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • ESMAEILI, Mohammad; et al. Fontanel Size from Birth to 24 Months of Age in Iranian Children. Iran J Child Neurol. 9. 4; 15–23, 2015
  • LEE, Shih-Yi; et al. Dyspnea in pregnancy. Taiwanese Journal of Obstetrics and Gynecology. 56. 4; 432-436, 2017
  • VAZQUEZ, J. C. Heartburn in pregnancy. BMJ Clin Evid. 1411. 2015
  • STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Braxton Hicks Contractions. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29262073/>. Acesso em 27 Jul 2021
  • HO, Simone S.M.; YU, Winnie W.M.; LAO, Terence T.; et al. Effectiveness of maternity support belts in reducing low back pain during pregnancy: a review. Journal of Clinical Nursing. 18. 11; 1523-1532, 2009
  • THE AMERICAN COLLEGE OF OBSTETRICIANS AND GYNECOLOGISTS. Back Pain During Pregnancy. Disponível em: <https://www.acog.org/patient-resources/faqs/pregnancy/back-pain-during-pregnancy>. Acesso em 27 Jul 2021
  • RICHTER, J. E. Review article: the management of heartburn in pregnancy. Aliment Pharmacol Ther. 22. 749–757, 2005
  • STAROSELSKY, A.; et al. Hemorrhoids in pregnancy. Can Fam Physician. 54. 2; 189-90, 2008
  • AVSAR, A. F.; KESKIN, H. L. Haemorrhoids during pregnancy. J Obstet Gynaecol. 30. 3; 231-7, 2010
  • LIDDLE, Sarah D.; PENNICK, Victoria. Interventions for preventing and treating low-back and pelvic pain during pregnancy. Cochrane Database Syst Rev. 2015. 9; CD001139, 2015
  • KISERUD, T.; et al. The World Health Organization Fetal Growth Charts: A multinational longitudinal study of ultrasound biometric measurements and estimated fetal weight. PLoS Med. 14. 3; e1002284, 2017
  • BLOTT, Maggie. A sua gravidez dia a dia. 2.ed. São Paulo: Senac, 2011. 280.
  • SULAK, O.; et al. Anatomical development of the fetal uterus. Early Hum Dev. 83. 6; 395-401, 2007
Mais sobre este assunto: