Desconforto abdominal: principais causas e o que fazer

Revisão médica: Dr.ª Clarisse Bezerra
Médica de Saúde Familiar
agosto 2022

O desconforto abdominal pode ser causado por uma alimentação inadequada, que causa o acúmulo de gases no intestino e pode até provocar prisão de ventre.

Quando o desconforto abdominal for causado por uma dor aguda, que não passa, e a barriga fica inchada no total, ou localizada numa pequena região, podem ser gases acumulados. Outras possibilidades incluem a má digestão, prisão de ventre, assim como a dor durante a ovulação ou até mesmo pode ser sintoma de gravidez.

Para descobrir as possíveis causas do seu desconforto abdominal, por favor responda às seguintes questões:

Esta ferramenta deve ser usada apenas como orientação para tentar identificar a possível causa do desconforto abdominal e, por isso, não deve substituir a consulta com o médico, que é o profissional capaz de confirmar o diagnóstico e recomendar o tratamento adequado.

Principais causas de desconforto abdominal

A seguir indicamos algumas possíveis causas de desconforto abdominal:

1. Excesso de gases

No caso de gases, o desconforto surge depois de uma refeição, principalmente se houve mistura de alimentos ricos em fibras com alimentos gordurosos.

O que fazer: caminhar, beber muita água e optar por alimentar-se com legumes cozidos, frutas frescas e cereais integrais, que são ótimas dicas para quem sofre de desconforto abdominal causado pelos gases. Se após defecar e eliminar alguns gases o desconforto abdominal não desaparecer por completo, o melhor é procurar por um médico, pois este desconforto pode ser o sintoma de uma outra doença ou distúrbio gastrointestinal mais grave.

2. Má digestão

Se o desconforto afetar a região superior do abdômen, é possível que seja má digestão, que provoca sensação de barriga cheia, ou estômago estufado, além de arrotos, azia e sensação de que acabou de comer, quando a última refeição foi há mais de 2 horas. Veja outros sintomas que ajudam a identificar um caso de má digestão.

O que fazer: além de uma mudança na dieta, pode-se fazer uso de medicações, como sal de frutas e leite de magnésia, ou ingestão de chás, como boldo e erva-doce. A persistência da má digestão por grandes períodos deve ser investigada por um médico gastroenterologista e assim avaliar se não há alguma outra doença do trato gastrointestinal associada ao desconforto.

3. Dor da ovulação

Algumas mulheres podem apresentar dor ou desconforto na região pélvica no período da ovulação. Assim, num mês ela pode apresentar dor no lado esquerdo, e no mês seguinte pode apresentar dor no lado direito, a depender do ovário que está ovulando. Embora isso nem sempre esteja relacionado com alguma doença, a presença de algum cisto no ovário de grande volume pode ser a causa do maior desconforto.

O que fazer: colocar uma compressa de água quente na área dolorida pode aliviar o desconforto em pouco tempo. Se houver cólicas, tomar um remédio para cólicas, que pode ser um antiespasmódico ou anti-inflamatório, e ser uma forma mais eficaz de se sentir melhor.

4. Gravidez

Sentir um certo desconforto na região uterina pode acontecer no início da gravidez em algumas mulheres mais sensíveis.

O que fazer: para confirmar a gravidez deve-se fazer um teste de gravidez que se compra na farmácia ou teste de sangue. Deve-se suspeitar se estiver em idade fértil e tiver tido relações sexuais desprotegidas durante o período fértil e houver atraso na menstruação. Saiba calcular quando é o seu período fértil.

5. Prisão de ventre

Ficar sem evacuar por mais de 3 dias pode causar desconforto na região abdominal, mas esse sintoma pode surgir antes em pessoas que tem o hábito de evacuar diariamente ou mais de 1 vez ao dia.

O que fazer: O ideal é beber mais água e ingerir uma maior quantidade de fibras para aumentar o bolo fecal. Alimentos como mamão, figo, ameixa preta seca, laranja com bagaço e iogurte natural sem açúcar são laxantes naturais. Além disso pode-se adicionar sementes de girassol nas saladas ou num copo de iogurte para soltar o intestino naturalmente. Quando isso não é suficiente, pode-se tomar um laxante como lacto purga ou dulcolax, por exemplo.

Quando ir ao médico

Recomenda-se uma consulta médica, indo ao posto de saúde ou hospital, se apresentar:

  • Dor abdominal que piora a cada dia;
  • Se a dor está sempre presente até mesmo durante a noite;
  • Se tiver vômito, urina ou fezes com sangue;
  • Caso o desconforto esteja presente por mais de 1 mês, sem causa aparente.

Nesse caso o médico poderá observar a aparência e palpação do abdômen e solicitar exames como colonoscopia, se desconfiar de alterações gastrointestinais, se suspeitar de alterações no estômago poderá pedir uma endoscopia digestiva alta ou se houver suspeita de alteração no funcionamento de algum órgão poderá pedir uma ultrassonografia, por exemplo.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Karla S. Leal - Nutricionista, em agosto de 2022. Revisão médica por Dr.ª Clarisse Bezerra - Médica de Saúde Familiar, em dezembro de 2019.

Bibliografia

  • Referente a: "Triagem de dor na barriga":

  • CORREIA, Lúcia et al. Torção anexial. Acta Obstétrica e Ginecológica Portuguesa. Vol.9. 1.ed; 45-55, 2015
  • MAGALHÃES, V, Carlos Eduardo; MAYALL, R, Monica. Isquemia mesentérica. Revista do Hospital Universitário Pedro Ernesto - UERJ. VOL.8. 70-80, 2009
Mostrar bibliografia completa
  • MEDLINE PLUS - NATIONAL LIBRARY OF HEALTH. Medical Encyclopedia: bdominal pain. Disponível em: <https://medlineplus.gov/ency/article/003120.htm>. Acesso em 09 mai 2022
  • OXFORD MEDICINE ONLINE. The Saint-Chopra Guide to Inpatient Medicine: Abdominal Pain. 2018. Disponível em: <https://oxfordmedicine.com/view/10.1093/med/9780190862800.001.0001/med-9780190862800-chapter-27>. Acesso em 06 mai 2022
  • UNIVERSIDADE ABERTA DO SUS - UNASUS. Avaliação e manejo de casos de dor abdominal. 2013. Disponível em: <https://ares.unasus.gov.br/acervo/html/ARES/1564/1/UNIDADE%2008.pdf>. Acesso em 06 mai 2022
  • ELSEVIER. Abdominal Pain. 2018. Disponível em: <https://www.us.elsevierhealth.com/media/wysiwyg/us/pdf/sample-chapter-9780323399562.pdf>. Acesso em 06 mai 2022
Revisão médica:
Dr.ª Clarisse Bezerra
Médica de Saúde Familiar
Formada em Medicina pelo Centro Universitário Christus e especialista em Saúde da Família pela Universidade Estácio de Sá. Registro CRM-CE nº 16976.