Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Criptosporidiose: o que é, sintomas, diagnóstico e tratamento

A criptosporidiose ou criptosporidíase é uma doença infecciosa causada pelo parasita Cryptosporidium sp., que pode ser encontrado no ambiente, na forma de oocisto, ou parasitando o sistema gastrointestinal das pessoas, o que resulta em sintomas como dor abdominal, náuseas, vômitos e diarreia, por exemplo.

A principal espécie causadora de doença em humanos é o Cryptosporidium hominis, enquanto que nos animais é mais frequente de se observar infecção pelo Cryptosporidium parvum, mas que também pode infectar humanos. No entanto, ambas as espécies são bem parecidas, sendo diferenciadas apenas por testes moleculares.

A criptosporidiose pode ser diagnosticada por meio do exame parasitológico de fezes ou biópsia das vilosidades gástricas, devendo ser recomendado pelo clínico geral ou gastroenterologista de acordo com os sintomas apresentados pela pessoa.

Oocisto de Cryptosporidium
Oocisto de Cryptosporidium

Principais sintomas

O Cryptosporidium normalmente é encontrado no trato gastrointestinal, mas também pode se espalhar pelo corpo e estar presente nos pulmões, esôfago, faringe, vesícula biliar e dutos pancreáticos. Assim, os principais sintomas relacionados à infecção por esse parasita são:

  • Diarreia aquosa ou com muco;
  • Síndrome da má absorção, pois há atrofia das vilosidades intestinais, o que diminui a superfície de absorção dos nutrientes;
  • Dor nas articulações;
  • Dor abdominal;
  • Perda de peso;
  • Dor de cabeça;
  • Dor nos olhos;
  • Náuseas e vômito;
  • Febre baixa;
  • Desidratação.

Os sintomas duram em média 10 dias e podem variar de acordo com a idade, competência imunológica da pessoa e ocorrência de outras infecções. Assim, as crianças e pessoas que possuem o sistema imune mais comprometido, como por exemplo aquelas portadoras do vírus HIV, têm mais chance de infecção pelo Cryptosporidium.

Como ocorre a transmissão

A infecção pelo Cryptosporidium pode ocorrer por meio do contato direto com pessoas infectadas, sendo comum de acontecer em ambientes com grande concentração de pessoas, como creches e hospitais, por exemplo, ou por meio do contato sexual. Além disso, a infecção também pode ocorrer por meio do contato com animais que estão eliminando os oocistos por meio das fezes.

A infecção por esse parasita também pode acontecer por meio da ingestão de alimentos ou água contaminados com fezes contendo oocistos do Cryptosporidium. A transmissão desse parasita também pode acontecer devido ao uso de piscinas ou banheiras mal higienizadas ou a resquícios de fezes de pessoas, sendo essa forma de transmissão mais frequente em quem frequenta piscinas públicas com más condições de manutenção. Veja outras doenças que podem de adquiridas na piscina ou banheira.

Ciclo de vida

O ciclo de vida do Cryptosporidium é curto, durando em média 2 a 7 dias. Os oocistos entram no organismo por meio do consumo de alimentos ou água contaminados ou por meio do contato com pessoas infectadas ou ambientes contaminados. No organismo, o oocisto libera esporozoítos, que parasitam o trato gastrointestinal ou outros tecidos, como o sistema respiratório, por exemplo.

Em seguida, ocorre a multiplicação e maturação do parasita, havendo a produção de dois tipos de oocisto: um com a parede mais espessa, que normalmente é liberado por meio das fezes, permitindo o reinício do ciclo, e outro com parede mais fina, que normalmente está relacionado com a autoinfecção.

Diagnóstico da criptosporidiose

O diagnóstico da criptosporidiose é feito por meio da pesquisa de oocistos nas fezes através do exame parasitológico, ou por meio da pesquisa de oocistos em material de biópsia intestinal ou raspado de mucosa.

Como é feito o tratamento

O tratamento para a criptosporidiose é feito com o objetivo de aliviar os sintomas, principalmente a diarreia e a desidratação, por meio da reposição de fluidos, por exemplo, pois os medicamentos para essa doença ainda estão em fase de teste.

Para evitar a infecção por esse parasita, é importante adotar medidas profiláticas, como higienizar alimentos antes de prepará-los ou consumi-los, cuidados especiais de higiene pessoal e com os objetos utilizados, além de evitar o contato com pessoas infectadas. É importante também lavar as mãos antes de cozinhar, comer e após ir ao banheiro. Veja como lavar as mãos corretamente para evitar infecções.

Gostou do que leu?   
Sim  /  Não

Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva aqui para que possamos melhorar o texto.

Enviar Carregando elementos na página
Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...
Fechar