Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
Fechar Coronavírus: Informações sobre COVID-19 Ler mais
O que você precisa saber?

Craniofaringioma: o que é, principais sintomas, diagnóstico e tratamento

O craniofaringioma é um tipo de tumor raro, mas é benigno. Esse tumor atinge a região da sela túrcica, no sistema nervoso central (SNC), afetando uma glândula no cérebro chamada de hipófise, que libera hormônios para a realização de várias funções do corpo, e à medida que o tumor cresce pode atingir outras partes do cérebro e prejudicar o funcionamento do organismo.

Existem dois tipos de craniofaringioma, o adamantinomatoso, que é o mais comum e afeta mais crianças do que adultos, e o tipo papilar que é mais raro e mais frequente em adultos. Ambos têm origem em um defeito na formação de células do cérebro, e os sintomas são parecidos, podendo surgir dor de cabeça, perda total ou parcial da visão, problemas de crescimento nas crianças e desregulação de hormônios nos adultos.

O tratamento para este tipo de tumor pode ser feito através de cirurgia, radioterapia, braquiterapia e uso de medicamentos. O craniofaringioma tem difícil ressecção, mas com o tratamento adequado, é possível viver com mais qualidade de vida e com poucas sequelas neurológicas, visuais e endócrinas.

Craniofaringioma: o que é, principais sintomas, diagnóstico e tratamento

Principais sintomas

Embora em alguns casos os sintomas possam surgir de repente, geralmente, os sintomas surgem aos poucos. Alguns deles são:

  • Dificuldade para enxergar;
  • Fortes dores de cabeça;
  • Sensação de pressão na cabeça;
  • Perda de memória e dificuldade de aprendizagem;
  • Dificuldade para dormir;
  • Ganho de peso muito rápido;
  • Diabetes.

Além disso, o craniofaringioma altera os níveis de hormônios podendo causar períodos menstruais irregulares e dificuldade em manter ou obter uma ereção e, em crianças, pode provocar retardo no crescimento.

Como o craniofaringioma é um tipo de tumor raro e causa sintomas semelhantes a outras doenças, muitas vezes, é difícil de diagnosticar, sendo descoberto um tempo depois do aparecimento dos sintomas. Por isso, assim que surgirem os sintomas, é importante procurar um neurologista, pois o diagnóstico precoce ajuda na realização de um tratamento menos agressivo e na redução das complicações.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico de um craniofaringioma consiste inicialmente na avaliação dos sintomas e realização de exames para testar a visão, audição, equilíbrio, coordenação dos movimentos do corpo, reflexos, crescimento e desenvolvimento.

Além disso, o médico pode indicar a realização de exames de sangue para analisar os níveis de hormônios, como hormônio do crescimento (GH) e hormônio luteinizante (LH), pois as alterações nestes hormônios podem estar relacionadas com o craniofaringioma. Saiba mais sobre a função do hormônio luteinizante e valores de referência no exame.

Para avaliar a localização exata e o tamanho do tumor são indicados também exames de imagem como ressonância magnética e tomografia computadorizada. Embora seja raro, em alguns casos, o médico pode recomendar a realização de uma biópsia para excluir a possibilidade de ser câncer. 

Como é feito o tratamento 

De acordo com tamanho e localização do craniofaringioma, o neurologista e o neurocirurgião indicarão o tipo de tratamento, que pode consistir em:

  • Cirurgia: é realizada para retirada do tumor, podendo ser feita através de um corte no crânio ou por um cateter com vídeo, que é introduzido no nariz. Em alguns casos, o tumor é retirado parcialmente por estar próximo a determinadas regiões do cérebro;
  • Radioterapia: quando o tumor não é retirado totalmente, é indicada a radioterapia, que é realizada em uma máquina que libera um tipo de energia diretamente no tumor e assim ajuda a matar as células doentes;
  • Braquiterapia: é semelhante à radioterapia, mas neste caso, o médico coloca um material radioativo dentro do tumor para matar as células doentes;
  • Quimioterapia: consiste na administração de medicamentos que destroem as células do craniofaringioma;
  • Medicamentos para reposição hormonal: é um tratamento que serve para regular os níveis de hormônios do corpo;
  • Terapia alvo: consiste na administração de medicamentos que atingem as células com alterações genéticas, características de alguns tipos de craniofaringioma.

Além disso, existem pesquisas em andamento, onde são estudados novos tratamentos e medicamentos para craniofaringioma e alguns hospitais e clínicas admitem pessoas para experimentar esses tratamentos.

O tratamento com medicamentos para reposição hormonal deve ser realizado durante toda a vida e, além disso, o acompanhamento pelo médico endocrinologista regularmente é também muito importante. Em alguns casos, pode ser necessário fazer outra cirurgia, pois o tumor poderá crescer novamente.

Craniofaringioma: o que é, principais sintomas, diagnóstico e tratamento

Possíveis complicações

O craniofaringioma, mesmo depois de tratado, pode provocar alterações no corpo, porque na maior parte dos casos, os níveis de hormônios continuam alterados, por isso é muito importante manter o tratamento recomendado pelo médico. E ainda, quando atinge uma parte do cérebro chamada hipotálamo, pode provocar obesidade grave, atraso no desenvolvimento, mudanças de comportamento, desequilíbrios na temperatura do corpo, sede em excesso, insônia e aumento da pressão arterial.

Além disso, em casos mais graves, quando o craniofaringioma aumenta de tamanho, pode causar cegueira ou obstruir partes do crânio, levando ao acúmulo de líquido e causando hidrocefalia. Confira mais sobre a hidrocefalia.

Craniofaringioma tem cura?

O craniofaringioma não tem cura e por isso é necessário seguir com o uso dos medicamentos durante toda a vida, devido as complicações hormonais, e fazer exames de imagem e de sangue periodicamente conforme recomendação do médico, pois o tumor pode recidivar. Apesar disso, os tratamentos estão cada vez mais avançados, permitindo viver mais e com maior qualidade de vida.

Bibliografia >

  • MAYO CLINIC. Craniopharyngioma. Disponível em: <https://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/craniopharyngioma/cdc-20354175>. Acesso em 21 Out 2019
  • MULLER, Hermann L. . Craniopharyngioma. Endocrine Reviews. Vol.35. 3.ed; 513–543, 2014
  • RARE DISEASES. Craniopharyngioma. Disponível em: <https://rarediseases.org/rare-diseases/craniopharyngioma/>. Acesso em 21 Out 2019
  • CANCER RESEARCH UK. craniopharyngioma. Disponível em: <https://www.cancerresearchuk.org/about-cancer/brain-tumours/types/craniopharyngioma>. Acesso em 21 Out 2019
  • Bordallo, Maria Alice Neves. et al. Atualização terapêutica no tratamento dos craniofaringiomas. Arq Bras Endocrinol Metab. . v. 55, n.8. pp. 520-527, 2011. disponivel em: http://www.scielo.br/pdf/abem/v55n8/04.pdf. Acesso em: 28/02/2020.
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem