Corrimento com mau cheiro: o que pode ser e o que fazer

O surgimento de corrimento vaginal com mau cheiro normalmente é um sinal de alerta, pois tende a ser um sintoma muito comum de infecções vaginais, que podem ser causadas por bactérias, fungos ou parasitas.

Além do mau cheiro, que é muitas vezes comparado com o cheiro de peixe, podem também aparecer outros sintomas que indicam infecção como queimação, coceira, ardor ao urinar, corrimento amarelo-esverdeado ou dor durante as relações sexuais.

O recomendado é consultar um ginecologista para identificar a causa do corrimento com mau cheiro e iniciar o tratamento mais adequado que, dependendo da causa, pode incluir o uso de antibiótico.

Corrimento com mau cheiro: o que pode ser e o que fazer

As principais causas de corrimento com mau cheiro são:

1. Vaginose bacteriana

A vaginose bacteriana é é uma infecção na vagina normalmente causada pela bactéria do gênero Gardnerella sp., causando o aparecimento de corrimento vaginal amarelo ou acinzentado, de consistência pastosa e com cheiro forte e desagradável semelhante a peixe podre.

Além disso, esse tipo de infecção pode causar o aparecimento de outros sintomas como coceira na região externa da vagina e ardor ou desconforto ao urinar.

O que fazer: é importante ir ao ginecologista para fazer o tratamento mais adequado, que geralmente inclui o uso de antibióticos orais ou vaginais, como o metronidazol ou a clindamicina, por exemplo, que devem ser usados pelo tempo de tratamento estabelecido pelo médico, pois a vaginose não tratada pode aumentar o risco de contrair uma infecção sexualmente transmissível ou uma doença inflamatória pélvica. Entenda melhor como é feito o tratamento da vaginose bacteriana.

2. Tricomoníase

A tricomoníase é uma infecção sexualmente transmissível (IST) causada pelo parasita Trichomonas vaginalis, e é caracterizada pela presença de corrimento amarelo ou amarelo-esverdeado e de cheiro forte, e pode ser acompanhada por pequeno sangramento vaginal, vermelhidão da região genital e dor ou ardor ao urinar.

O que fazer: o tratamento da tricomoníase deve ser orientado pelo ginecologista, que pode indicar o uso de antibióticos como tinidazol ou metronidazol, por 5 a 7 dias. Além disso, é importante evitar o contato íntimo durante o tratamento, e é recomendado que o parceiro sexual também realize o tratamento mesmo que não apresente sintomas da doença, para evitar a reinfecção. Confira os principais remédios para tricomoníase indicados pelo médico.

3. Gonorréia

A gonorreia é uma doença sexualmente transmissível causada pela bactéria Neisseria gonorrhoeae, que causa o surgimento de corrimento amarelado semelhante a pus, e que às vezes pode apresentar cheiro ruim.

Além disso, pode ocorrer dor ou queimação ao urinar e incontinência urinária.

O que fazer: deve-se ir ao ginecologista para avaliação e iniciar o tratamento mais adequado, que consiste no uso de antibióticos, como azitromicina ou ceftriaxona, por exemplo, por 7 a 10 dias. Além disso, é importante evitar o contato íntimo durante o tratamento e o parceiro sexual também deve consultar um médico para iniciar o tratamento. Veja outras opções de tratamento para gonorréia.

4. Clamídia

A clamídia é uma infecção sexualmente transmissível causada pela bactéria Chlamydia trachomatis que pode causar corrimento espesso amarelado e sem cheiro. Essa infecção também pode ser acompanhada pode outros sintomas como dor ou queimação ao urinar e sangramento durante o contato íntimo e quando não tratada pode causar doença inflamatória pélvica com corrimento com mau cheiro. Saiba identificar todos os sintomas de clamídia.

O que fazer: deve-se fazer o tratamento indicado pelo ginecologista, que inclui o uso de antibióticos como azitromicina ou doxiciclina, sendo importante evitar o contato íntimo durante o tratamento. Além disso, o parceiro também deve ser tratado, mesmo que não apresente os sintomas da infecção.

5. Esquecer o absorvente interno ou outro objeto

O esquecimento do absorvente interno ou de algum objeto como coletor menstrual ou camisinha, por exemplo, por vários dias também pode ser uma causa de corrimento com mau cheiro, geralmente com cheiro semelhante a carne podre, decomposta ou de animal morto.

Além do cheiro, o corrimento também pode ser amarelo, verde, rosa, cinza ou marrom, e também pode ser acompanhado de outros sintomas como dor e desconforto ao urinar, dor pélvica, febre e/ou coceira.

O que fazer: é importante consultar o ginecologista o mais rápido possível para uma avaliação e, caso o absorvente interno ou outro objeto seja encontrado dentro da vagina, o médico pode retira-lo. No caso da mulher apresentar sintomas de infecção, o médico também pode indicar o tratamento mais adequado.

Confira no vídeo a seguir como identificar o que o corrimento pode ser:

Tratamento para corrimento com mau cheiro

O tratamento para o corrimento com mau cheiro depende da causa e da gravidade do problema, e por isso, deve-se consultar o ginecologista para fazer uma avaliação da região íntima e iniciar o tratamento mais adequado. Confira os principais remédios indicados para cada tipo de corrimento vaginal.

Geralmente, o parceiro deve fazer o mesmo tratamento que a mulher e deve-se evitar o contato íntimo durante a infecção para que seja completamente curada. Confira os principais

Remédios caseiros para corrimento com mau cheiro

Existem algumas opções de tratamento caseiro para diminuir os incômodos causados pelo corrimento com mau cheiro, como:

1. Banho de assento com folhas de goiabeira

As folhas da goiabeira possuem propriedades antibióticas, sendo um importante ingrediente para auxiliar no tratamento das infecções vaginais.

Ingredientes

  • 30 g de folhas de goiabeira;
  • 1 litro de água.

Modo de preparo

Ferver 1 litro de água. Desligar o fogo e acrescentar as folhas de goiabeira e fechar a panela durante 3 a 5 minutos. Coar as folhas e colocar o chá em uma bacia.

Quando estiver numa temperatura suportável, sentar na bacia sem roupa para fazer um banho de assento, lavando cuidadosamente toda a região genital até a água esfriar. Repetir o procedimento de 2 a 3 vezes ao dia por 3 dias.

2. Ingestão ou uso local de alho

O alho cru é um alimento funcional que tem propriedade antibacteriana e antifúngica, além de ser fonte de fibras, vitaminas e antioxidantes que equilibram a flora intestinal e fortalecem o sistema imunológico. Por isso é considerado um ótimo remédio natural para ajudar no tratamento de vaginose bacteriana.

É possível encontrar cápsulas de óleo de alho cru em farmácias ou lojas de produtos naturais. A quantidade e tempo de duração para tomar as cápsulas podem variar, sendo geralmente indicada a ingestão de 600 mg por dia por 12 semanas antes das refeições. Saiba como usar a cápsula de óleo de alho.

Outra forma de usar o alho no tratamento para corrimento com mau cheiro, é inserir um dente de alho dentro da vagina ao deitar, retirando-o pela manhã, por 7 dias seguidos, desde que orientado pelo ginecologista.

3. Banho de assento com cascas de barbatimão

O barbatimão é uma planta que combate inflamações, ajuda nas cicatrizações, combate bactérias e por isso, pode ser usado para complementar o tratamento de infecções como gonorreia e vaginose bacteriana, por exemplo.

Ingredientes

  • 2 colheres (de sopa) de cascas de barbatimão;
  • 1 litro de água.

Modo de Preparo

Ferver 1 litro de água e adicionar as cascas de barbatimão, deixando ferver por 10 minutos. Desligar o fogo e deixar a mistura amornar. Coar e transferir a mistura para uma bacia. Quando estiver numa temperatura suportável, sentar na bacia, lavando cuidadosamente toda a região genital até a água esfriar. Fazer o banho de assento de 1 vez ao dia por 3 dias.

4. Banho de assento com aroeira

A aroeira é uma planta com propriedade anti-inflamatória e antimicrobiana capaz de combater bactérias e fungos, sendo a casca desta planta muito utilizada em chás para auxiliar no tratamento de infecções e corrimentos vaginais.

Ingredientes

  • 10 g de cascas de aroeira;
  • 1 litro e meio de água.

Modo de preparo

Ferver a água e acrescentar as cascas de aroeira. Deixar ferver por 10 minutos. Apagar o fogo, coar e colocar a mistura em uma bacia. Quando o chá estiver morno, sentar na bacia sem roupa para fazer um banho de assento, lavando cuidadosamente toda a vagina até a água esfriar. Fazer este banho de assento 3 vezes ao dia por 3 dias.

5. Banho de assento com pimenta rosa

A pimenta rosa é uma planta medicinal que possui propriedades anti-inflamatórias e antimicrobianas, que ajudam a combater bactérias e fungos, sendo que a casca dessa planta é muito utilizada na forma de chá para ajudar no tratamento de infecções vaginais e corrimento com mau cheiro.

Ingredientes

  • 10 g de casca de pimenta rosa;
  • 1 litro e meio de água.

Modo de preparo

Ferver 1 litro e meio de água e adicionar as cascas de pimenta rosa, deixando ferver por 10 minutos. Desligar o fogo, coar e colocar a mistura em uma bacia. Quando estiver morno, numa temperatura suportável, sentar na bacia, lavando cuidadosamente toda a região genital até a água esfriar. Fazer o banho de assento 3 vezes ao dia por 3 dias.

Como deve ser a alimentação

Algumas mudanças na dieta podem ajudar a reduzir o corrimento com mau cheiro, pois ajuda a equilibrar a flora bacteriana vaginal. Por isso, é importante incluir na dieta 3 a 5 porções de frutas e vegetais, além de probióticos, como iogurte natural ou kefir, já que ajudam a equilibrar o pH da flora vaginal, além de fortalecer o sistema imunológico, acelerando o tratamento e ajudando a prevenir novas infecções.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION (CDC). Chlamydia. Disponível em: <https://www.cdc.gov/std/chlamydia/the-facts/chlamydia_bro_508.pdf>. Acesso em 13 Out 2021
  • HEALTHDIRECT AUSTRALIA. Retained tampon or other object. Disponível em: <https://www.healthdirect.gov.au/retained-object-or-tampon>. Acesso em 13 Out 2021
  • ANSALONI, V, S, Lívia et al. A ginecologia natural como alternativa a um modelo médico tradicional: uma revisão integrativa. Brazilian Journal of Development. Vol.7. 1.ed; 1276-1291, 2021
  • G, M, Fonseca et al. Avaliação da atividade antimicrobiana do alho (Allium sativum Liliaceae) e de seu extrato aquoso. Revista Brasileira de Plantas Medicinais. Vol.16. 3.ed; 679-684, 2014
  • LIMA, C, D, Thaiana et al. Breve revisão etnobotânica, fitoquímica e farmacologia de Stryphnodendron adstringens utilizada na Amazônia. Revista Fitos. Vol.10. 3.ed; 329-338, 2016
  • METIS. gonorreia. 2018. Disponível em: <http://www.metis.med.up.pt/index.php/Gonorreia>. Acesso em 01 Jul 2021
  • LINHARES, M, Iara et al. Vaginites e vaginoses. Femina. Vol.47. 4.ed; 234-240, 2019
Mais sobre este assunto: