Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

5 dicas para fazer a higiene íntima e evitar doenças

A higiene íntima é muito importante e deve ser feita de forma adequada para não prejudicar a saúde íntima da mulher, sendo recomendado lavar a região genital com água e sabão neutro ou íntimo, evitar o uso de lenços umedecidos e de papel higiênico perfumado e usar roupa íntima de algodão, pois assim é possível manter o pH vaginal normal e evitar a proliferação de microrganismos que causam doenças.

Além de infecções vaginais, a falta de higiene íntima adequada pode levar a aparecimento de caroços inflamados na pele, especialmente na região da virilha, axilas e ânus, levando ao desenvolvimento da hidrosadenite supurativa, que corresponde à inflamação das glândulas de suor. Veja mais sobre a hidrosadenite supurativa.

5 dicas para fazer a higiene íntima e evitar doenças

1. Lavar a região externa da vagina com sabonete íntimo

É recomendado que a região íntima seja lavada apenas com água e sabão neutro para evitar que a microbiota vaginal fique desbalanceada e haja a proliferação de microrganismos responsáveis por doenças.

O uso de sabonetes íntimos como Lucretin, Dermacyd ou Intimus, por exemplo, são boas opções para manter a microbiota vaginal normal, no entanto não devem ser usados a toda a hora pois podem acabar por ter o efeito inverso. Além disso, se possível, estes sabonetes não devem ser aplicados diretamente na região íntima e a quantidade a utilizar deve ser mínima, sendo recomendado, se possível diluir uma quantidade de sabonete íntimo na água com que vai se lavar.

2. Não usar duchas vaginais

As duchas vaginais também devem ser evitadas, porque podem alterar o pH e a flora vaginal, podendo tornar a vagina mais suscetível a infecções. No entanto, em alguns casos em que haja uma infecção ou em que o pH esteja alterado, pode ser necessário realizar uma ducha vaginal, mas só se for recomendada pelo médico.

3. Não usar lenços umedecidos ou papel higiênico perfumados

Os lenços umedecidos e o papel higiênico perfumado devem apenas ser usados em casos de extrema necessidade, quando se está fora de casa, por exemplo, e poucas vezes por dia, pois quando usados em excesso podem provocar secura na vagina e irritações, eliminando a lubrificação natural da região genital, além de também poder interferir no pH.

4. Usar roupa íntima de algodão

A roupa íntima é outro fator que influencia a higiene, pois roupas íntimas de materiais sintéticos dificultam a transpiração da pele e aumentam o acumulo de suor, tornando a região genital mais úmida e quente, o que favorece a proliferação de microrganismos, principalmente o fungo do gênero Candida, que é responsável pela candidíase.

Assim, é recomendado que a mulher use calcinha de algodão, que deve ser trocada todos os dias, além de evitar usar roupas muito apertadas, já que também pode favorecer a ocorrência de infecções vaginais.

5. Não exagerar na depilação

Fazer depilação total ou passar gilete e produtos para depilação mais de 3 vezes por semana, também não é aconselhado porque prejudica a saúde íntima, além de causar irritação na pele.

A depilação total favorece o crescimento de microrganismos e causa maior corrimento vaginal, facilitando o aparecimento de doenças. Além disso, a depilação com gilete e produtos para depilação destroem a camada protetora da pele e contribuem para reduzir a sua lubrificação natural.

5 dicas para fazer a higiene íntima e evitar doenças

Higiene após o contato íntimo

Depois do contato íntimo, é importante que se faça sempre uma boa higiene íntima para evitar infeções ou doenças. Logo após o contato íntimo, deve-se tentar urinar para evitar o surgimento de infeções urinárias e logo em seguida deve-se lavar abundantemente a região íntima com água e apenas um pouco de sabonete íntimo, e trocar de calcinha ou de protetor diário.

Além disso, pessoas que têm o hábito de usar lubrificantes, devem evitar os que são à base de óleo ou de silicone, pois não saem facilmente com água, o que pode prejudicar a flora vaginal, dificultando a higiene íntima e promovendo a proliferação de fungos e bactérias e favorecendo, assim, o desenvolvimento de infecções vaginais.

No caso de se fazer uso de protetor diário e de apresentar corrimento abundante, é recomendado que o protetor seja trocado mais de 1 vez por dia. Além disso, é importante que a mulher esteja atenta ao surgimento de alterações ginecológicas, como corrimento com cheiro forte amarelo ou esverdeado, coceira ou ardor ao urinar, por exemplo, sendo recomendado consultar o médico, já que pode ser sinal de infecção urinária, devendo o tratamento ser iniciado. Veja como é feito o tratamento para infecção urinária.

Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem