Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

7 causas de coceira na pele e o que fazer

A coceira na pele ocorre devido a algum tipo de reação inflamatória, seja por causa de produtos cosméticos, como maquiagem, ou pela ingestão de algum tipo de alimento, como pimenta, por exemplo. A pele ressecada também é uma das razões que leva uma pessoa a sentir coceira na pele, além de ser possível identificar áreas de descamação, sendo necessário passar creme hidratante após o banho para melhorar.

Quando a coceira dura mais de 1 mês e não melhora com nenhuma medida caseira, é necessário consultar um dermatologista, pois pode ser sinal de alguma doença, como é dermatites, infecções e problemas no fígado ou vesícula biliar e o tratamento depende da confirmação do diagnóstico feito pelo médico.

7 causas de coceira na pele e o que fazer

Desta forma, as principais causas de coceira na pele são:

1. Alergias

Algumas alergias podem levar ao aparecimento de coceira na pele e, geralmente, são provocadas por substâncias irritantes, que podem ser roupas de materiais sintéticos e produtos cosméticos, como maquiagem, cremes e sabonetes.

Além da coceira na pele, as alergias causadas por esses produtos também podem levar a vermelhidão, inchaço e descamação na pele e caso a pessoa não saiba exatamente o que está levando aos sintomas de alergia é importante consultar um dermatologista para fazer um teste alérgico, como prick test que é feito através da colocação de amostras de determinadas substâncias na pele para ver como reagem no corpo. Entenda o que é o prick test e como é feito.

O que fazer: para aliviar a coceira na pele provocada por alergias é importante evitar entrar em contato com o produto que causa a reação na pele, assim como evitar comer alimentos picantes, pois também pode aumentar a coceira na pele. Algumas medidas também podem ajudar a reduzir este sintoma, como tomar anti-alérgicos, usar sabonete hipoalergênico, com pH baixo, tomar banho de água morna e dar preferência para roupas de algodão.

2. Dermatites

A coceira na pele pode indicar algum tipo de dermatite, como a dermatite atópica, que é uma doença inflamatória na pele que leva ao surgimento de eczema, que se caracteriza por placas vermelhas que descamam, e em alguns casos pode aparecer em forma de vesículas. 

A dermatite de contato é outro tipo de inflamação na pele que causa coceira e vermelhidão na pele, podendo ser causada por reações exageradas das células de defesa quando entram em contato com determinadas substâncias, como bijuterias, plantas, corantes de alimentos e produtos de beleza ou de limpeza.

O que fazer: para confirmar o diagnóstico de dermatite e diferenciar qual tipo a pessoa tem é necessário consultar um dermatologista para avaliar os sintomas e indicar o tratamento mais adequado, que pode ser feito com antialérgicos, pomadas de corticoides, como a hidrocortisona a 1%, ou com corticoides para tomar.

Além disso, aplicar compressa gelada de camomila é uma opção caseira que pode ser usada para aliviar a coceira provocada por dermatites. Veja outras opções de remédios caseiros para dermatite.

3. Pele ressecada

A pele ressecada, cientificamente conhecida como xerodermia, é mais comum em pessoas idosas, porém pode surgir em qualquer pessoa, principalmente, em períodos de clima seco e frio e como consequência do uso de produtos cosméticos à base de água e produtos químicos muito fortes. Quando a pele está ressecada pode ocasionar em coceira intensa na pele, além de levar a descamação, fissuras e vermelhidão. 

O que fazer: para aliviar a coceira da pele ressecada é necessário aplicar hidratantes após o banho, pois nesta situação a absorção do produto é maior e também é importante que a pessoa aumente a ingestão de água e em dias muito secos utilize umidificador no ambiente.

4. Estresse e ansiedade

O estresse e a ansiedade em excesso faz com que sejam liberadas substâncias conhecidas como citocinas, responsáveis pela resposta inflamatória do corpo e por isso podem provocar reações na pele, levando ao surgimento de coceira e vermelhidão na pele. 

Além disso, esses sentimentos fazem com que pessoas que já tem doenças de pele, como dermatites, tenham os sintomas piorados, porque provoca a ativação de células do sistema imune de forma exagerada, levando ao aumento da coceira na pele, por exemplo.

O que fazer: para atenuar a coceira na pele que acontece por causa do estresse e ansiedade, o ideal é adotar medidas para reduzir estes sintomas, que pode ser através de atividades físicas, meditação, psicoterapia e se isso mesmo assim os sintomas continuarem é necessário consultar um psiquiatra, que poderá recomendar o uso de antidepressivos.

Veja um vídeo com outras dicas de como controlar a ansiedade e o estresse:

5. Problemas no fígado e na vesícula

Alguns problemas no fígado e na vesícula biliar provocam a redução na produção e no fluxo da bile, que é um líquido produzido nestes órgãos responsável pela absorção de gorduras, e isto pode acontecer por obstrução nas vias biliares e nos canais do fígado.

Desta forma, com o acúmulo de bile no corpo os níveis de bilirrubina, que é um componente da bile, ficam muito aumentados provocando sintomas como pele e olhos amarelados e coceira na pele, que é mais intensa durante a noite e pode ser mais localizada nas solas dos pés e na palma da mão.

A colestase gravídica é uma doença hepática que pode surgir durante a gravidez, que tem essas características, podendo ser necessária a realização de ressonância magnética ou ultrassonografia para confirmar o diagnóstico.

O que fazer: depois de confirmado o diagnóstico da doença que causa o problema no fígado ou vesícula, o médico poderá receitar medicamentos para estimular a produção de ácidos biliares que ajudam a equilibrar os níveis de gordura na bile. Nestes casos, também é importante evitar o consumo de álcool e bebidas com cafeína, assim como deve-se ser feita uma dieta balanceada, pobre em gorduras.

6. Doenças autoimunes

O lúpus é um tipo de doença autoimune que se caracteriza pela produção de anti-corpos em excesso, podendo causar sintomas como irritação, vermelhidão e coceira na pele e nos casos mais graves, pode atingir outros órgãos como o pulmão e provocar dor no peito e falta de ar.

Assim como o lúpus, a psoríase é uma doença causada pela ação das células contra o próprio organismo, pois entendem o corpo como agente invasor. Dessa forma, passam a atacar determinados órgãos, incluindo a pele, levando à descamação, aparecimento de manchas vermelhas e coceira na pele. Conheça os tipos de psoríase e os principais sintomas de cada um.

O que fazer: tanto o lúpus quanto a psoríase são doenças que não tem cura, mas os sintomas podem ser controlados através de pomadas e medicamentos com corticoides ou imunossupressores indicados pelo médico reumatologista.

7. Infecções

A coceira na pele pode ser resultado de infecções provocadas principalmente por bactérias do tipo Staphylococcus aureus, Streptococcus pyogenes e Candida albicans. A foliculite é um tipo de infecção na pele que causa o aparecimento de bolinhas vermelhas, com pus que coçam e ocorrem pela inflamação e presença de bactérias na raiz do pelo.

A herpes também é um tipo de infecção, porém é causada por vírus, e pode gerar sintomas como coceira na pele, vermelhidão e presença de bolhas. Além disso, a infecção na pele também pode ser causada por fungos, como as micoses que surgem principalmente nas regiões de dobras, como embaixo do braço e entre os dedos do pé, causando intensa coceira na pele. Saiba mais o que é a micose no pé e como tratar.

O que fazer: se a coceira na pele durante mais de um mês é necessário consultar um dermatologista para examinar a pele e verificar se existem infecções, pois se tiver poderá ser recomendado o uso de antibióticos para infecções bacterianas e anti-fúngicos, para eliminar os fungos. A herpes não tem cura, mas nem sempre a pessoa apresenta as lesões na pele, surgimento normalmente quando a imunidade está baixa, podendo ser indicada pomada de aciclovir por um médico.

Bibliografia >

  • BRAS, Susana; AMARO, Cristina; CARDOSO, Jorge. Prurido crônico. Revista da SPDV 72(4) 2014;. Vol.72, n.4. 1-19, 2014
  • ANTUNES, Adriana A. et al. Guia prático de atualização em dermatite atópica - Parte I: etiopatogenia, clínica e diagnóstico. Arq Asma Alerg Imunol. Vol.1, n.2. 131-156, 2017
  • ROSMANINHO, Isabel; MOREIRA, Ana; SILVA, José P. M. Dermatite de contacto: revisão da literatura. Rev Port Imunoalergologia. Vol.24, n.4. 197-209, 2016
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE HEPATOLOGIA. Prurido nas doenças do fígado. Disponível em: <https://tudosobrefigado.com.br/wp-content/uploads/2019/01/cartilha_prurido_nas_doencas_do_figado.pdf>. Acesso em 20 Fev 2020
  • MINISTÉRIO DA SAÚDE. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas da Colangite Biliar Primária. Disponível em: <https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2019/setembro/16/Portaria-Conjunta-PCDT-Colangite-Biliar-Prim--ria-SET.pdf>. Acesso em 20 Fev 2020
  • CALADO, Gisela; LOUREIRO, Graça et al. Stress e doença alérgica: Mecanismos subjacentes. Rev Port Imunoalergologia. Vol.20, n.1. 9-21, 2012
  • LUDWIG, Martha W.B. et al. Localização da lesão e níveis de stress em pacientes dermatológicos. Estudos de Psicologia. Vol.25, n.3. 343-352, 2008
  • BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE. Psoríase. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/dicas-em-saude/2203-psoriase>. Acesso em 20 Fev 2020
  • MINISTÉRIO DA SAÚDE. Lúpus: causas, sintomas, diagnóstico, tratamento e prevenção. Disponível em: <https://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/lupus>. Acesso em 20 Fev 2020
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem