Somos REDE D'OR
icon de informação icon de telefone 3003-3230
Número disponível apenas em território brasileiro, com custo de chamada local.

Claritromicina: para que serve, como tomar e efeitos colaterais

Revisão clínica: Flávia Costa
Farmacêutica
janeiro 2023
  1. Para que serve
  2. Como tomar
  3. Efeitos colaterais
  4. Contraindicações

A claritromicina é um antibiótico macrolídeo indicado no tratamento de infecções bacterianas da pele, como foliculite e celulite, e das vias aéreas, como pneumonia, amigdalite e sinusite, além de gastrite causada pelo H. pylori.

A dose e duração do tratamento depende da indicação do médico, sendo importante seguir as orientações para evitar efeitos colaterais como náusea, vômitos, dor no abdome e alterações em exames de sangue.

A claritromicina pode ser comprada em farmácias ou drogarias na forma de comprimidos de 500 mg ou suspensão oral de 250 mg/ 5ml, com nomes comerciais como Klaricid, Bulansi, Clabat e Clarilib, sendo vendida somente com a apresentação de receita médica.

Imagem ilustrativa número 1

Para que serve

A claritromicina é indicada no tratamento de:

  • Amigdalite;
  • Sinusite;
  • Infecções de pele, como foliculite, erisipela e celulite;
  • Pneumonia;
  • Exacerbação de bronquite crônica.

Além disso, a claritromicina também pode ser indicada no tratamento da gastrite causada pelo H. pylori, sendo normalmente utilizada em conjunto com outros medicamentos, como antiácidos e amoxicilina.  

Posologia e como tomar

A forma de tomar a claritromicina depende da sua apresentação:

1. Claritromicina 500 mg e 250 mg comprimidos

A dose geralmente indicada da claritromicina comprimido de 250 e 500 mg é:

  • Adultos: 1 comprimido de 250 mg a cada 12 horas e, em caso de infecções mais graves, a dose pode ser aumentada para 1 comprimido de 500 mg (ou 2 comprimidos de 250 mg) a cada 12 horas.

A claritromicina deve ser utilizada de acordo com as orientações do médico, geralmente sendo indicada por 7 a 14 dias e podendo ser tomada junto das refeições ou com leite, para evitar efeitos colaterais como dor no abdome ou náusea.

2. Claritromicina 250 mg/5 mL suspensão

A dose normalmente indicada da claritromicina suspensão oral de 250 mg/5 mL é:

  • Crianças de 6 meses a 12 anos: 7,5 a 15 mg por kg de peso corporal a cada 12 horas, não devendo ultrapassar a dose máxima de 500 mg a cada 12 horas.  

A suspensão oral também pode ser tomada com alimentos ou leite. Além disso, é importante continuar tomando o medicamento até o final do tratamento de acordo com a orientação do médico, mesmo quando os sintomas desaparecem, para evitar o retorno da infecção. 

Antes de usar a suspensão oral, deve-se diluir o pó contido no frasco, até o volume final de 60 mL, e agitar bem. A dose deve ser medida utilizando a seringa dosadora fornecida na embalagem.

É importante agitar bem o frasco sempre antes de usar para misturar os ingredientes da suspensão.

Possíveis efeitos colaterais

Os efeitos colaterais mais comuns da claritromicina são:

  • Náusea e vômitos;
  • Diarreia;
  • Dor no abdome;
  • Alteração do paladar;
  • Dificuldade para dormir;
  • Dor de cabeça;
  • Alterações em exames de sangue, como a dosagem de TGO e TGP;
  • Manchas vermelhas na pele;
  • Aumento do suor.

Além disso, embora seja raro, também podem acontecer convulsões, arritmias, agranulocitose e reações alérgicas graves, como angioedema e anafilaxia, por exemplo. Entenda melhor o que é anafilaxia.

Quem não deve usar

A claritromicina em comprimidos de 250 e 500 mg geralmente não é indicada para crianças menores de 12 anos e a suspensão oral de 250 mg/5 ml, em crianças menores de 6 meses. 

Também está contraindicada para pessoas com histórico de reações alérgicas a antibióticos macrolídeos, como anafilaxia ou angioedema, e em caso de níveis baixos de potássio no sangue, arritmias cardíacas, como taquicardia ventricular e fibrilação atrial, e mau funcionamento dos rins.

Além disso, a claritromicina não é indicada para pessoas que tomam alguns medicamentos, como astemizol, ticagrelor, midazolam, estatinas, como sinvastatina e lovastatina, ou alcaloides de ergot, como ergotaminas e di-hidroergotamina.

Esta informação foi útil?

Atualizado e revisto clinicamente por Flávia Costa - Farmacêutica, em janeiro de 2023.

Bibliografia

  • ANVISA. Claritromicina (500 mg) - EMS S/A. Disponível em: <https://consultas.anvisa.gov.br/#/bulario/detalhe/2056?nomeProduto=claritromicina>. Acesso em 03 jan 2023
  • ANVISA. Claritromicina (25 mg/mL e 50 mg/mL) - EMS S/A. Disponível em: <https://consultas.anvisa.gov.br/#/bulario/detalhe/137594?nomeProduto=claritromicina>. Acesso em 03 jan 2023
Mostrar bibliografia completa
  • KATZUNG, Bertram G. et al. Farmacologia básica e clínica. 13.ed. Porto Alegre: AMGH Editora Ltda, 2017.
  • STATPEARLS. Macrolides. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK551495/>. Acesso em 03 jan 2023
Revisão clínica:
Flávia Costa
Farmacêutica
Formada em Farmácia pelo Centro Universitário Newton Paiva em 2003. Mestre em Ciências Biomédicas pela UBI, Portugal.