Caxumba no homem: complicações e tratamento

Revisão médica: Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
dezembro 2021

A caxumba é uma doença infecciosa causada pelo vírus da família Paramyxoviridae, que se instala nas glândulas salivares e leva ao desenvolvimento dos sintomas característicos da doença, como inchaço e dor no rosto, além de dor ao engolir e ao abrir a boca e febre.

No entanto, no caso dos homens, além de afetar as glândulas salivares, o vírus pode atingir as glândulas do testículo. Isto acontece porque estas glândulas apresentam semelhanças fisiológicas entre elas e é por essa razão que a doença pode “descer” até aos testículos.

Quando isto acontece, surge então uma inflamação nos testículos chamada de orquite, que destrói o epitélio germinativo dos testículos, o local onde ocorre a produção de espermatozoides, o que acaba causando infertilidade no homem.

Assim, as principais complicações da caxumba para o homem são:

1. Orquite

A orquite corresponde à inflamação dos testículos e, quando está relacionada com a caxumba, os sintomas podem aparecer cerca de 7 dias depois do inchaço no rosto. Alguns dos sintomas que indicam a "descida da caxumba" para os testículos são:

  • Ejaculação e urina com sangue;
  • Dor e inchaço nos testículos;
  • Nódulo nos testículos;
  • Febre;
  • Mal estar e desconforto;
  • Excesso de suor na região dos testículos;
  • Sensação de que tem os testículos quentes.

É importante que assim que forem notados sinais e sintomas de alteração no testículo, o urologista seja consultado, pois dessa forma é possível iniciar o tratamento de forma imediata e prevenir a infertilidade. Veja mais sobre a orquite.

2. Infertilidade

A infertilidade é uma das consequências da caxumba que afeta os testículos, já que é nesse local em que ocorre a produção de espermatozoides. Assim, caso exista uma inflamação no local, há interferência na produção de espermatozoides viáveis, resultando em infertilidade.

Qualquer criança ou homem que tenha tido sintomas de caxumba nos testículos tem chance de sofrer de infertilidade, mesmo quando foi feito o tratamento recomendado pelo médico para tratar a doença. Assim, é recomendado que todos os homens que tiveram caxumba nos testículos e que apresentem dificuldades para engravidar, que realizem exames para avaliar a infertilidade.

O diagnóstico de infertilidade pode surgir já na idade adulta, quando o homem tenta ter filhos, através da realização espermograma, um exame que analisa a quantidade e qualidade dos espermatozoides produzidos. Entenda como é feito o espermograma.

Como é feito o tratamento

O tratamento da caxumba no homem e suas complicações é feito de forma semelhante ao tratamento para a caxumba comum, em que é indicado repouso, hidratação, alimentação mais mole e pastosa e o uso de medicamentos analgésicos e anti-inflamatórios, como Paracetamol ou Ibuprofeno, por exemplo. Confira mais detalhes do tratamento para caxumba.

Além disso, o médico pode também recomendar a realização de compressas geladas na região do testículo para ajudar a aliviar a dor e o inchaço do local.

Como prevenir

A melhor forma de prevenir a caxumba, também conhecida como papeira ou parotidite infecciosa, é evitando o contato com outros indivíduos infectados com a doença, uma vez que essa doença se propaga pela inalação de gotículas de saliva ou perdigotos de pessoas infectadas. Conheça mais sobre a caxumba e transmissão.

Além disso, para prevenir a caxumba, é recomendado que crianças a partir dos 12 meses de idade tomem a Vacina Tríplice viral, que protege o organismo contra a doença e suas complicações. Esta vacina protege também o organismo de outras doenças infecciosas comuns, como sarampo e rubéola. Em adultos, para se proteger da doença é recomendada a vacina atenuada contra a caxumba.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em dezembro de 2021. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias - Ginecologista, em fevereiro de 2016.
Revisão médica:
Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
Médica mastologista e ginecologista formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional no CRM PE 17459.