Câncer de vulva: o que é, sintomas, causas e tratamento

julho 2022

O câncer de vulva é um tumor que pode afetar a parte mais externa da genitália da mulher, incluindo os grandes e pequenos lábios, o clitóris e as proximidades do orifício da vagina e da uretra, que pode ser causado pela infecção por HPV ou líquen escleroso. 

Existem diferentes tipos de câncer de vulva e embora possam causar sintomas como alteração da cor e espessura da pele, dor ou ferida na região genital, alguns casos apresentam poucos ou nenhum sintoma. Por isso, a biópsia geralmente é indicada para confirmar o diagnóstico. Conheça outras causas de ferida na região genital. 

Em caso de suspeita de câncer de vulva, é importante consultar um ginecologista para uma avaliação detalhada e iniciar o tratamento mais apropriado, que geralmente envolve a remoção do tumor por meio de cirurgia.

Principais sintomas

Os principais sintomas do câncer de vulva incluem:

  • Coceira nas partes íntimas;
  • Vermelhidão no local;
  • Dor ou queimação;
  • Ferida na região genital;
  • Verruga ou espessamento da pele na genitália;
  • Nódulo ou massa palpável no local;
  • Sangramento;
  • Surgimento de ínguas na virilha.

Embora alterações na pele como verrugas, feridas ou vermelhidão sejam comuns no câncer de vulva, algumas pessoas podem apresentar poucos ou nenhum sintoma, o que pode tornar o diagnóstico difícil.

 Em caso de suspeita de câncer de vulva, é importante procurar um ginecologista para uma avaliação.  

Possíveis causas

O câncer de vulva pode ser causado por: 

Fumantes e pessoas que já realizaram radioterapia, mulheres que possuem menor imunidade, como no caso de HIV ou uso de medicamentos que suprimem a imunidade, ou que têm idade mais avançada possuem maior risco de desenvolver câncer de vulva. 

Tipos de câncer de vulva

Os principais tipos de câncer de vulva são:

  • Carcinoma de células escamosas: é o tipo mais comum e geralmente está relacionado à infecção pelo HPV ou dermatoses crônicas, como líquen escleroso e líquen plano;
  • Carcinoma basocelular: embora aconteça devido à exposição ao sol, também pode surgir na pele da vulva mesmo que a região não tenha sido exposta;
  • Doença de Paget extramamária: pode surgir a partir de glândulas de suor na vulva ou como manifestação de um tumor em outras regiões do corpo;
  • Melanoma vulvar: embora raro, pode ocorrer a partir das células que dão cor à pele, os melanócitos; 
  • Carcinoma verrucoso: pode desenvolver-se na pele da vulva e ter a aparência de uma verruga;
  • Sarcoma: é um tipo raro que se desenvolve a partir de tecidos mais profundos da pele, como os músculos, por exemplo;
  • Adenocarcinoma: pode surgir a partir de glândulas presentes na vulva, como as glândulas de Bartholin.

Embora existam muitos tipos de câncer de vulva e os sintomas possam variar de um tipo para o outro, o mais comum é o carcinoma de células escamosas. 

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico normalmente é feito por um ginecologista e geralmente envolve a realização da biópsia de uma lesão suspeita encontrada na região da vulva. Outros exames, como ressonância magnética, tomografia computadorizada ou ultrassonografia, também podem ser indicados, geralmente para avaliar o envolvimento de regiões mais profundas da pele e outras partes do corpo. Entenda melhor para que serve uma biópsia.

Estadiamento do câncer de vulva

O estadiamento do câncer de vulva depende do tamanho do tumor e dos órgãos afetados, e consiste em 4 estágios:

  • Estágio I: o tumor afeta apenas a vulva;
  • Estágio II: além da vulva, o tumor afeta o ânus ou a parte inferior da uretra ou da vagina;
  • Estágio III: o tumor afeta linfonodos próximos da virilha;
  • Estágio IV: quando outras regiões do corpo como parte superior da uretra ou vagina, órgãos mais profundos ou mesmo distantes do local do tumor estão envolvidos.

Esta classificação é importante porque ajuda na decisão do tratamento mais adequado para cada pessoa.

Como é feito o tratamento

O tratamento depende do tipo de tumor e estadiamento do câncer de vulva, mas geralmente envolve a remoção do tumor através de uma cirurgia. Este é o principal tratamento do câncer de vulva nos estágios iniciais. 

No entanto, outras medidas como radioterapia e quimioterapia também podem ser indicadas pelo médico. Normalmente, são realizadas quando a doença já é mais profunda na pele, após uma tentativa de remover o tumor por cirurgia ou quando a cirurgia é contraindicada.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Jonathan Panoeiro - Neuropediatra, em julho de 2022.

Bibliografia

  • KACKER, Neville F; BARLOW, Ellen L. Staging for vulvar cancer. Best Pract Res Clin Obstet Gynaecol. Vol.29, n.6. 802-811, 2015
  • STATPEARLS. Vulva Cancer. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK567798/>. Acesso em 07 jul 2022
Mostrar bibliografia completa
  • NAMUDURI, Rama P. et al. Vulvar basal cell carcinoma: clinical features and treatment outcomes from a tertiary care centre. Singapore Med J. Vol.60, n.9. 479-482, 2019
  • TAN, Andrea et al. Diagnosis and management of vulvar cancer: A review. J Am Acad Dermatol. Vol.81, n.6. 1387-1396, 2019
  • WEINBERG, Daniel; GOMEZ-MARTINEZ, Ricardo A. Obstet Gynecol Clin North Am. Vulvar Cancer. Vol.46, n.1. 125-135, 2019
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.