Câncer de endométrio: o que é, sintomas, causas e tratamento

março 2022

O câncer de endométrio é um tumor maligno que se origina no tecido que reveste a parte interna do útero, sendo mais frequente entre mulheres acima dos 60 anos, após a menopausa, mas também pode surgir em mulheres na pré-menopausa, ou antes dos 40 anos.

O sintoma mais comum do câncer do endométrio é o sangramento anormal, que pode ocorrer entre as menstruações ou após a menopausa, mas também podem surgir dor pélvica e perda de peso.

É importante consultar o ginecologista sempre que surgirem os sintomas do câncer de endométrio, pois esse tipo de câncer tem cura quando identificado e tratado em fases iniciais, sendo que o tratamento normalmente é feito com cirurgia para remoção do útero.

Principais sintomas

Os principais sintomas do câncer de endométrio são:

  • Sangramento vaginal após a menopausa;
  • Sangramento entre as menstruações;
  • Menstruação abundante e frequente;
  • Dor pélvica ou cólica;
  • Corrimento vaginal aquoso, branco ou amarelado após a menopausa;
  • Dor durante o contato íntimo;
  • Dificuldade ou dor para urinar;
  • Perda de peso.

Além disso, caso haja metástase, ou seja, aparecimento de células tumorais em outras partes do corpo, podem surgir outros sintomas relacionados com o órgão acometido, como obstrução do intestino ou bexiga, tosse, dificuldade para respirar, icterícia e aumento dos gânglios linfáticos, por exemplo.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico do câncer de endométrio é feito pelo ginecologista através da análise dos sintomas, do histórico de saúde e do exame físico, para verificar e avaliar anormalidades do útero e da região externa da região genital. 

Durante o exame físico, o médico também realiza o exame de papanicolau, que é feito através de uma raspagem do colo do útero, para coletar células para uma análise em laboratório, o que permite identificar alterações na vagina e no útero que podem ser indicativos de câncer. 

No caso de anormalidades no exame físico e/ou papanicolau, o médico pode solicitar exames como ultrassom transvaginal ou abdominal, ressonância magnética, uma histeroscopia, para examinar a parte interna do útero e fazer uma biópsia, ou ainda uma curetagem, quando a biópsia não for conclusiva ou não foi possível coletar amostra suficiente durante a histeroscopia para análise em laboratório. Saiba como é feita a histeroscopia

Além disso, quando os exames identificam o câncer de endométrio, o médico pode ainda solicitar outros tipos de exame para determinar o estágio em que o câncer está e a presença de metástases, como raio X de tórax, tomografia computadorizada, PET-CT e exames de sangue.

Possíveis causas

As causas exatas do câncer de endométrio ainda não são totalmente conhecidas, mas sabe-se que o câncer ocorre por mutação nas células que passam a se multiplicar de forma descontrolada.

Alguns fatores podem contribuir para o desenvolvimento do câncer de endométrio, como:

  • História familiar de câncer de endométrio ou ovário;
  • Síndrome de Lynch ou câncer colorretal hereditário não poliposo;
  • Histórico pessoal de câncer de mama ou ovário;
  • Hiperplasia endometrial;
  • Primeira menstruação antes dos 12 anos;
  • Menopausa tardia;
  • Infertilidade;
  • Ausência de ovulação;
  • Nunca ter engravidado;
  • Terapia de reposição hormonal com estrógenos na menopausa;
  • Tratamento do câncer de mama com tamoxifeno;
  • Radioterapia anterior na região pélvica;
  • Dieta rica em gordura animal.

Além disso, outro fator que aumenta o risco de câncer de endométrio são variações hormonais, como aumento de estrogênio no corpo, por exemplo, e que geralmente está associado com outras condições de saúde, como obesidade, diabetes ou síndrome dos ovários policísticos.

Como é feito o tratamento

O tratamento do câncer de endométrio deve ser orientado pelo ginecologista ou oncologista, sendo que normalmente é recomendada a cirurgia para remover o útero, as trompas, o ovário e os linfonodos da pelve, se necessário. 

Em alguns casos, o médico pode também indicar tratamentos adicionais como, radioterapia, braquiterapia, quimioterapia, terapia hormonal, quimioterapia ou imunoterapia, por exemplo. Esses tratamentos devem ser indicados pelo médico de acordo com o estágio do câncer de endométrio.

Além disso, a consulta para exames periódicos com ginecologista e o controle dos fatores de risco como diabetes e obesidade é fundamental para que esta doença seja tratada de forma adequada.

Câncer do endométrio tem cura?

O câncer de endométrio tem cura quando é diagnosticado na fase inicial da doença e é tratado adequadamente de acordo com a fase do estadiamento, que leva em consideração o espalhamento do câncer (metástase) e órgãos acometidos.

De forma geral, o câncer de endométrio é classificado em grau 1, 2 e 3, sendo o grau 1 o menos agressivo e o grau 3, o mais agressivo, em que pode ser observada metástase na parede interna do intestino, bexiga ou outros órgãos.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em março de 2022. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias - Ginecologista, em janeiro de 2020.

Bibliografia

  • NCCN GUIDELINES FOR PROFESSIONALS. NCCN Guidelines Version 1.2022 - Uterine Neoplasm. 2021. Disponível em: <https://www.nccn.org/professionals/physician_gls/pdf/uterine.pdf>. Acesso em 31 mar 2022
  • NCCN GUIDELINES FOR PATIENTS. Uterine Cancer: Endometrial Carcinoma / Uterine Sarcoma. 2021. Disponível em: <https://www.nccn.org/patients/guidelines/content/PDF/uterine-patient.pdf>. Acesso em 31 mar 2022
Mostrar bibliografia completa
  • MAHDY, H.; CASEY, M. J.; CROTZER, D. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Endometrial Cancer. 2021. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK525981/>. Acesso em 31 mar 2022
  • BRINTON, L. A.; et al. Etiologic heterogeneity in endometrial cancer: evidence from a Gynecologic Oncology Group trial. Gynecol Oncol. 129. 2; 277-84, 2013
  • LAX, S. F. Pathology of Endometrial Carcinoma. Adv Exp Med Biol. 943. 75-96, 2017
Revisão médica:
Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
Médica mastologista e ginecologista formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional no CRM PE 17459.