Musicoterapia: o que é, para que serve, como funciona e como é feita

novembro 2022
  1. Para que serve
  2. Como funciona
  3. Benefícios
  4. Como é feita

A musicoterapia é um método terapêutico que utiliza músicas com vozes ou somente na forma instrumental, sendo normalmente indicada para auxiliar no tratamento de condições de saúde, como ansiedade, estresse, transtorno do espectro autista, dor crônica, Alzheimer ou AVC, por exemplo, pois possui diversos benefícios como melhorar o humor, concentração, memória, movimentos e o raciocínio lógico.

Esse tipo de terapia pode ser feito, de forma individual ou em grupo, apenas escutando a música, cantando, dançando ou tocando instrumentos musicais, como violão, flauta e outros de percussão, onde o objetivo não é aprender a cantar ou tocar um instrumento, mas saber reconhecer os sons de cada um ter a possibilidade de expressar suas emoções através destes sons.

A musicoterapia é uma boa opção para crianças se desenvolverem melhor, tendo uma maior capacidade de aprendizagem mas também pode ser usada em empresas ou como opção de crescimento pessoal, sendo oferecida pelo SUS, como parte do Programa Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC), e deve ser feita com orientação do psicólogo ou médico especialista em musicoterapia, de forma individualizada de acordo com a condição a ser tratada.

Para que serve

A musicoterapia é indicada para auxiliar no tratamento de algumas condições de saúde, como:

  • Alzheimer;
  • Doença de Parkinson;
  • Esclerose múltipla;
  • Transtorno do espectro autista;
  • Ansiedade;
  • Depressão;
  • Estresse pós traumático;
  • Estresse antes ou após cirurgias ou procedimentos médicos;
  • Impulsividade;
  • Dor crônica;
  • Dor pós cirúrgica;
  • Dor de cabeça;
  • Dor durante o trabalho de parto;
  • Pressão alta;
  • Diabetes;
  • Doença arterial coronariana;
  • AVC;
  • Insônia;
  • Uso abusivo de substâncias;
  • Transtorno obsessivo compulsivo (TOC);
  • Esquizofrenia;
  • Náuseas, causadas pelo tratamento do câncer.

Além disso, a musicoterapia pode ser indicada para melhorar a dificuldade de fala e comunicação não verbal, ou problemas de movimento ou coordenação motora, por exemplo.

Como funciona

A música age diretamente na região do cérebro que é responsável pelas emoções, gerando motivação e afetividade, além de aumentar a produção de endorfina, que uma é substância naturalmente produzida pelo corpo, que gera sensação de prazer. Isso acontece porque o cérebro responde de forma natural quando ouve uma canção, e mais do que lembranças, a música quando usada como forma de tratamento pode garantir uma vida mais saudável.

Além disso, a música estimula diferentes áreas do cérebro responsáveis memória, movimentos, linguagem, tomadas de decisão e recompensa, e influencia na transmissão de sinais químicos e impulsos elétricos no cérebro e no corpo.

A musicoterapia também ajuda a reduzir os níveis de cortisol no corpo, que é o hormônio relacionado ao estresse.

Principais benefícios

A musicoterapia possui diversos benefícios como:

  • Melhora o humor;
  • Aumenta a disposição;
  • Reduz a ansiedade, o stress e a depressão;
  • Reduz o isolamento social;
  • Melhora a expressão corporal;
  • Melhora a capacidade de comunicação;
  • Ajuda a lidar com o estresse;
  • Ajuda a desenvolver e aprender formas de regular as emoções;
  • Aumenta a capacidade respiratória;
  • Estimula a coordenação motora;
  • Controla a pressão arterial;
  • Aumenta o relaxamento;
  • Melhora a memória e o raciocínio;
  • Melhora a percepção auditiva e espacial;
  • Estimula os movimentos corporais;
  • Ajuda a recuperar de traumas;
  • Ajuda a tolerar o tratamento contra o câncer;
  • Ajuda a suportar dores crônicas;
  • Fornece uma maior sensação de controle;
  • Melhora a qualidade de vida.

A musicoterapia tem sido cada vez mais praticada em escolas, hospitais, lar de idosos, e por pessoas com necessidades especiais. No entanto, esta técnica também pode ser feita durante a gravidez, para acalmar bebês e na terceira idade, mas deve ser orientada por um musicoterapeuta.

Embora tenha muitos benefícios para a saúde, a musicoterapia não deve substituir o tratamento médico convencional com remédios, fisioterapia, terapia ocupacional ou psicoterapia.

Como é feita

A musicoterapia pode ser feita de forma individual ou em grupo, com a pessoa somente escutando música ou tocando algum instrumento, juntamente com o musicoterapeuta, ou explicando ao terapeuta as sensações, pensamentos, memórias e sentimentos ao escutar uma música.

Durante a musicoterapia, o terapeuta também pode utilizar sons diferentes em cada ouvido ou frequências de sons diferentes, que estimulam o cérebro e as percepções.

Outra forma de fazer a musicoterapia é dançando, cantando, realizando exercícios vocais ou aprendendo técnicas de respiração, que ajudam a expressar e melhorar as emoções, e a controlar a impulsividade.

Esta informação foi útil?

Atualizado e revisto clinicamente por Dr. Gonzalo Ramirez - Clínico Geral e Psicólogo, em novembro de 2022.

Bibliografia

  • TRIMMER, C.; et al. Cognitive behavioural therapy-based music (CBT-music) group for symptoms of anxiety and depression. Can J Commun Ment Health. 35. 2; 83-87, 2016
  • RAGLIO, A.; et al. Effects of music and music therapy on mood in neurological patients. World J Psychiatry. 5. 1; 68-78, 2015
Mostrar bibliografia completa
  • PAVLICEVIC, M.; et al. Making music, making friends: Long-term music therapy with young adults with severe learning disabilities. J Intellect Disabil. 18. 1; 5-19, 2014
  • AALBERS, S.; et al. Music therapy for depression. Cochrane Database Syst Rev. 11. CD004517, 2017
  • CHANG, Y. S.; et al. The efficacy of music therapy for people with dementia: A meta-analysis of randomised controlled trials. J Clin Nurs. 24. 23-24; 3425-40, 2015
  • DUNBAR, R. I. M.; et al. Performance of music elevates pain threshold and positive affect: Implications for the evolutionary function of music. Evol Psychol. 10. 4; 147470491201000420, 2012
  • BIDABADI, S. S.; NEHRYAR, A. Music therapy as an adjunct to standard treatment for obsessive compulsive disorder and co-morbid anxiety and depression: A randomized clinical trial. J Affect Disord. 184. 13-17, 2015
  • MOLLER, A. S. Indication Criteria in Music Therapy. Nordisk Tidsskrift for Musikkterapi. 5. 2; 128-129, 1996
  • JASEMI, M.; et al. The effects of music therapy on anxiety and depression of cancer patients. Indian J Palliat Care. 22. 4; 455-458, 2016
  • CHUNG, J.; WOODS-GISCOMBE, C. Influence of dosage and type of music therapy in symptom management and rehabilitation for individuals with schizophrenia. Issues Ment Health Nurs. 37. 9; 631-641, 2016
  • WANG, C. F.; et al. Music therapy improves sleep quality in acute and chronic sleep disorders: A meta-analysis of 10 randomized studies. Int J Nurs Stud. 51. 1; 51-62, 2014
  • SHARDA, M.; et al. Music therapy for children with autism: investigating social behaviour through music. Lancet Child Adolesc Health. 3. 11; 759-761, 2019
  • DEVLIN, K.; et al. Music Therapy and Music-Based Interventions for Movement Disorders. Curr Neurol Neurosci Rep. 19. 11; 83, 2019
  • MOLLER, A. S.; et al. Indications in Music Therapy: Evidence from Assessment That Can Identify the Expectations of Music Therapy as a Treatment for Autistic Spectrum Disorder (ASD); Meeting the Challenge of Evidence Based Practice. SAGE Journals. 16. 1; 11–28, 2002
  • GALINSKA, E. Music therapy in neurological rehabilitation settings. Psychiatr Pol. 49. 4; 835-46, 2015
  • RODDIS, J. K.; TANNER, M. Music therapy for depression. Res Nurs Health. 43. 1; 134-136, 2020
  • GÓMEZ GALLEGO, M.; GÓMEZ GARCÍA, J. Music therapy and Alzheimer's disease: Cognitive, psychological, and behavioural effects. Neurologia. 32. 5; 300-308, 2017
  • UMBRELLO, M.; et al. Music therapy reduces stress and anxiety in critically ill patients: a systematic review of randomized clinical trials. Minerva Anestesiol. 85. 8; 886-898, 2019
  • GÓMEZ-ROMERO, M.; et al. Benefits of music therapy on behaviour disorders in subjects diagnosed with dementia: a systematic review. Neurologia. 32. 4; 253-263, 2017
Revisão médica:
Dr. Gonzalo Ramirez
Clínico Geral e Psicólogo
Clínico geral pela UPAEP com cédula profissional nº 12420918 e licenciado em Psicologia Clínica pela UDLAP nº 10101998.

Tuasaude no Youtube

  • ALZHEIMER: tudo o que precisa saber

    17:41 | 33459 visualizações
  • CARDÁPIO para DIETA CETOGÊNICA

    07:43 | 635850 visualizações
  • Alimentos para combater o estresse e a ansiedade

    02:05 | 489658 visualizações
  • O que comer para a INSÔNIA

    05:26 | 236646 visualizações