Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

O que é a hemoterapia, como é feita e para que serve

A hemoterapia é um tipo de tratamento em que uma quantidade pré-determinada de sangue é coletada de uma pessoa e, após processamento e análise, é transfundido para outra pessoa, auxiliando no tratamento e melhora do paciente.

No caso da auto-hemoterapia, por outro lado, a amostra de sangue é retirada e depois é retornada para o organismo por meio de injeção diretamente na veia ou no músculo, por exemplo. Esse tipo de tratamento normalmente é feito para estimular o sistema imune e, por isso pode ser usado para aliviar os sintomas de vários problemas de saúde, como artrite, gota ou alergias. Apesar de possuir benefícios, a auto-hemoterapia é uma técnica pouco estudada e ainda não possui aprovação pela ANVISA.

O que é a hemoterapia, como é feita e para que serve

Principais benefícios

O processo de hemoterapia pode ser feito em diversas situações, sendo mais frequentemente realizado no tratamento de pessoas que sofreram acidentes e perderam grande quantidade de sangue, durante e após grandes cirurgias e nas pessoas que sofrem de doenças relacionadas com o sangue, como leucemia, anemia, linfoma e púrpura, por exemplo.

No caso da auto-hemoterapia, como o objetivo é estimular o sistema imune, esse tipo de tratamento alternativo pode ser eficaz nos casos de:

  • Artrite reumatoide;
  • Gota;
  • Bronquite;
  • Alergias;
  • Doença de Crohn;
  • Herpes;
  • Acne;
  • Problemas de circulação;
  • Eczema;
  • Úlceras nas pernas;
  • Infecções por fungos.

Em alguns casos, no sangue injetado da própria pessoa, pode ainda ser adicionado ozono ou preparados de plantas medicinais, para obter maior alívio dos sintomas. Por exemplo, o ozono parece melhorar a oxigenação do sangue e, por isso, pode ajudar nos casos de má circulação. Já o uso de plantas medicinais, como a equinácea, pode estimular o corpo para combater infecções por vírus.

Como é feita

O processo de hemoterapia é feito seguindo o mesmo processo da coleta de sangue, ou seja, é colocado um garrote no braço pra permitir a melhor visualização do vaso sanguíneo e, em seguida, é retirada 50 a 300 ml de sangue, que são colocadas em um recipiente próprio contendo heparina, que é uma substância anticoagulante, ou seja, evita que o sangue coagule.

No caso da auto-hemoterapia, esse sangue coletado é reintroduzido no próprio organismo em até 30 minutos após ter sido retirado, podendo ser feito diretamente no músculo ou na veia por meio de uma injeção. Durante os 30 minutos que o sangue pode permanecer fora do organismo antes de ser reintroduzido, o médico pode colocar substâncias no sangue que facilitem o processo de recuperação, como ozono ou preparado de plantas medicinais, por exemplo.

Já na hemoterapia, o sangue coletado é enviado para o laboratório para que sejam feitas análises do sangue e de compatibilidade com a pessoa que irá receber o sangue, afim de evitar qualquer reação transfusional. Entenda como é feita a transfusão de sangue.

Por que a auto-hemoterapia pode funcionar?

O efeito benéfico da auto-hemoterapia parece estar relacionado à presença de antígenos no sangue injetado, que estimulam o corpo a produzir anticorpos, o que torna o sistema imune mais forte para lutar contra a doença que está se desenvolvendo.

Isto é, quando o sangue é injetado novamente no corpo, o organismo começa a atacar esse sangue porque contém vestígios da doença que está se desenvolvendo. Quando isso acontece, o corpo vai ganhando maior resistência contra a doença e, por isso, consegue eliminá-la mais rapidamente.

Quais os riscos para a saúde

A hemoterapia normalmente não representa riscos para o doador e o receptor, no entanto, é importante que sejam compatíveis para que não haja reações relacionadas ao processo transfusional.

Embora pareça ter vários benefícios para o tratamento de diversas doenças, a auto-hemoterapia não é aprovada pela ANVISA e, por isso, não deve ser utilizada. Isso acontece porque ainda são necessários vários testes para entender os efeitos deste tratamento, assim como identificar possíveis riscos para a saúde.

Gostou do que leu?   
Sim  /  Não

Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva aqui para que possamos melhorar o texto.

Enviar Carregando elementos na página
Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...