Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

O que é atonia uterina, por que acontece, riscos e como tratar

Julho 2020

A atonia uterina corresponde à perda da capacidade de contração do útero após o parto o que aumenta o risco de hemorragia pós-parto, colocando em risco a vida da mulher. Essa situação pode acontecer com mais facilidade em mulheres que possuem gravidez de gêmeos, que possuem idade inferior a 20 anos ou superior a 40 anos, ou que se encontram acima do peso.

É importante que sejam identificados os fatores de risco da atonia uterina para que possa ser estabelecido tratamento profilático com o objetivo de prevenir complicações durante ou após o parto, sendo normalmente indicada a administração de ocitocina na terceira fase do trabalho de parto para promover a contração uterina e, assim, evitar a atonia.

O que é atonia uterina, por que acontece, riscos e como tratar

Por que acontece

Em condições normais, após a saída da placenta, há contração do útero com o objetivo de promover a hemostasia e evitar o sangramento excessivo. No entanto, quando a capacidade de contração do útero é prejudicada, os vasos uterinos responsáveis por promover a hemostasia não funcionam corretamente, favorecendo a ocorrência de sangramentos.

Assim, algumas das situações que podem interferir na capacidade de contração do útero são:

  • Gestação de gêmeos;
  • Obesidade;
  • Alterações uterinas, como presença de miomas e útero bicorno;
  • Tratamento da pré-eclâmpsia ou eclâmpsia com sulfato de magnésio;
  • Parto prolongado;
  • Idade da mulher, sendo mais frequente em mulheres com menos de 20 anos e com mais de 40 anos.

Além disso, mulheres que tiveram atonia uterina em gestações anteriores tem maior risco de ter novamente em outra gestação e, por isso, é importante que seja comunicado ao médico para que possam ser adotadas medidas profiláticas para evitar a atonia.

Riscos e complicações da atonia uterina

A principal complicação relacionada com a atonia uterina é a hemorragia pós-parto, isso porque os vasos uterinos não conseguem contrair adequadamente pra promover a hemostasia. Assim, pode haver perda de grande quantidade de sangue, o que pode colocar a vida da mulher em risco. Saiba mais sobre a hemorragia pós-parto.

Além da hemorragia, a atonia uterina pode também estar associada a outros riscos e complicações como falência renal e hepática, alterações no processo de coagulação no organismo, perda da fertilidade e choque hipovolêmico, que é caracterizada pela grande perda de líquidos e sangue e perda progressiva da função do coração, o que resulta na diminuição da quantidade de oxigênio distribuído pelo organismo e pode colocar a vida da pessoa em risco. Entenda o que é o choque hipovolêmico e como identificar.

Como é o tratamento

Para prevenir a atonia uterina é recomendado que seja administrado ocitocina quando a mulher entrar na terceira fase do parto, que corresponde ao período de expulsão. Isso porque a ocitocina é capaz de favorecer a contração do útero, facilitando a expulsão do bebê e estimulando a hemostasia.

Nos casos em que a ocitocina não tem o efeito desejado, pode ser necessária a realização de um procedimento cirúrgico para prevenir o sangramento e tratar a atonia uterina, podendo ser realizado o tamponamento uterino com o objetivo de reduzir ou parar a hemorragia, sendo também recomendado o uso de antibióticos e ocitocina para garantir o resultado.

Em situações mais graves, o médico pode recomendar a realização de histerectomia total, em que é retirado o útero e o colo do útero, sendo então possível resolver a hemorragia. Veja como é feita a histerectomia.

Bibliografia >

  • Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente. Hemorragia pós-parto. 2018. Disponível em: <https://www.arca.fiocruz.br/bitstream/icict/29895/2/HEMORRAGIA%20P%C3%93S-PARTO.pdf>.
  • PERIARD, Alexandre M.; REZENDE, Bruno M.; SEGUNDO, Elzo V.; COSSO, Flávio M. G. et al. Atonia uterina e hemorragia pós-parto. Rev Med Minas Gerais. 4 ed. Vol 21; 2011
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem